segunda-feira, 21 de maio de 2007

Vamos ao que interessa: Paulo Portas reconduzido.
Falo desta forma de estar na Política. Naquilo a que alguém denominou 'partidocracia', e que entendo como: participas na vida pública e tens direito a intervir e a decidir enquanto detentor de um cartão de militante (curiosa e, ao mesmo tempo, saborosa) esta expressão, de uma qualquer força partidária. Fora disso, meu amigo, não tens direito a mais nada a não ser o teu voto. Abeiras-te da urna e pronto.
Paulo Portas percebeu que por via do jornalismo não chegava lá. Por dentro de um partido (PSD) nunca lá chegaria. Só por dentro de um partido com direito de antena chegaria a ser visto e ouvido. Chegou mesmo à governação, alcançou poderes inimagináveis. Perdeu-os quando se ligou a alguém que também vislumbrara o mesmo 'furo' e, então, à maneira do 'wild west' a 'cidade tornou-se pequena demais para os dois'. Chegou, entretanto, o tempo do cavaleiro solitário - chegado do nada, rumo ao sol posto da nossa desgraça. Usando dos mais variados expedientes para ir salvando o couro.
Brama São Paulo contra nem ele sabe bem quem. E o que era mesmo engraçado seria que ninguém lhe ligasse atenção.
O homem punha-se aos berros e a malta afastava-se, a dar de ombros, sorridente. Afinal, todas as terras têm direito ao seu tolo de serviço.
Aceitemos Paulo Portas como o tontinho desta nossa aldeia. Com uma vantagem extra: traz um sub-tolo à albarda: o Telmo Correia, a quem ele convenceu que era alfacinha de gema (o que quer que isso queira dizer...) e que se candidata a um lugar na gamela pública.
Insisto nesta ideia: o aceitar um cargo público não significa necessariamente servir-se do mesmo publicamente.
'Capisce?'

2 comentários:

GPC disse...

O que eu queria mesmo saber era o que se passa com o pratinho de couratos.(?)

Táxi Pluvioso disse...

Azares obrigaram-me a parar. Mas confiante na saúde Correia de Campos para todos voltei a pegar na pena (no teclado para ser mais exacto). Estou a terminar o próximo post. Deve ficar pronto amanhã, ou depois, se tiver que confirmar alguma informação.