segunda-feira, 3 de março de 2008

Lisboa

Participar no poder, quando se faz um bom trabalho e se conseguem resultados (e o BE, com apenas um vereador, obrigou Costa a várias cedências e conseguiu que várias coisas fundamentais fossem clarificadas), é motivo de orgulho. Mesmo que seja difícil e se pague sempre um preço por isso. Ou então faz-se uma avaliação negativa do trabalho (é essa a avaliação do Bloco?) e abandona-se o poder ou retira-se a confiança ao eleito. O que não faz sentido é, em vez de publicitar o trabalho feito, retirar, através de um discurso dúbio, força política ao seu eleito, reduzindo o seu poder negocial e o seu espaço de manobra. É um suicídio político injustificável.
Daniel Oliveira

4 comentários:

zemari@ disse...

Um sugestão:


"O NOVO MARKETING POLÍTICO"
Francisco Cavalcante

Do ponto de vista histórico, o marketing político é um utensílio recente da comunicação política. Neste trabalho, o autor propõe um novo modelo de uso da ferramenta, que consiste em olhar de maneira engajada a actividade do marketing político, criticando de maneira radical o que chama de "crescente despolitização do marketing político".

Edição brasileira.

Mas é claro que o grande Mestre é Trotsky, no seu tempo, deu cartas.

Anónimo disse...

Quem fala de Trotsky- o carrasco de Cronstad - anda mesmo a precisar de umas boas férias na Albânia ou no Azerbeijão. Oh, Céus, a malta do Blogue anda a tentar fazer compreender que o marxismo, o leninismo, o trotskismo e o maoismo são receitas do passado- que só geraram sofrimento, prisão e sangue- e S. Excia. o Enciclopedista lança para a arena a figura táctica de Trotski...Quando, coitado do Leon Davinovich, perdeu paulatinamente tudo- poder, pátria e amigos-e foi morto no México por um esbirro de Estaline...Assim, não, é melhor ir para a estufa...
Daniel Oliveira tem toda a razão. E Louçã revelou a sua cara de neo-cripto estalinista de periferia suburbana ao cravar um punhal nas costas do JS Fernandes. FAR

zemari@ disse...

Como sabe, não "falo" com o senhor.

Anónimo disse...

Pela "maravilha" conceptual de V. Excia, a sua "assiduidade" e "relevância", o Blogue já tinha acabado, de há muito.O resto são os seus fantasmas e arrogância balofa e mesquinha! Ponto final, parágrafo! Fernando Pessoa dizia, a estupidez humana é imensa e medonha...FAR