segunda-feira, 24 de março de 2008

Economia-Mundo: Recessão épica ou desregulação feérica?

(...) assistimos à criação em todos os sectores de redes de influência ou de sociedades secretas. Isso não é senão um produto natural do movimento de concentração do Capital, da produção e da distribuição. O que, neste complexo, não se desenvolve, tem que se extinguir; e nenhuma empresa consegue crescer se não adoptar os valores, as técnicas e os meios usados hoje pela indústria, o espectáculo e o Estado. Isso é, em última análise, a forma de desenvolvimento sui-generis que foi escolhida pela Economia actual, que impõe em todo o lado a formação de novos laços pessoais de dependência e de protecção”. In « Commentaires sur la société du Spectacle », por Guy Debord.

Estamos todos a assistir a uma abracadabrantesca crise do sistema financeiro norte-americano, nas últimas semanas. A chave do sistema - a desregulação e a supremacia do mercado - abrem brechas e mesmo o staff de GW Bush multiplica os ziguezagues para só muito poucos perceberem que o Estado tem que financiar as ribombantes (cada dia é um mundo, como dizem os economistas do Financial Times) perdas do sector financeiro, especialmente as ligadas com o surreal (e indescritível) sistema de empréstimos sem caução de espécie alguma, em especial para o sector imobiliário. A incerteza da perspectiva que moldou a teoria económica de J:M Keynes, a anteceder a Grande Depressão, parece estar de volta. Mas agora com novos processos de engenharia financeira e de política monetária, que só uma elite pode condicionar e manipular.

Como o escreve Edmund Phelps, Nobel de 2006 da Economia,, os riscos de gestão do crédito sem rede eram inverosímeis e inescapáveis, ao mesmo tempo…E vai direito à sua tese principal, defendida há uma semana atrás nas colunas do WS. Journal: “All the risks in economy, it was claimed, are driven by pureliy random (azar,chance…) shocks - like coin throws – subject to known probabilities, and not by innovations whose uncertain effects cannot be predicted “. A que se soma aquela ideia peregrina da política monetária que tenta equilibrar, num mundo opaco e já sem defesas contra a especulação, o nível médio das taxas de juro acoplado com a média do desemprego e da inflação. Coisas que geram, oscilam e são incertas: a quadratura do círculo, onde a boa prestação da economia real se torna capital, claro. E os grandes indicadores da economia USA, por exemplo, entraram no vermelho em Novembro passado. É o carrossel do poço da morte!

Paul Samuelson, o venerando e mítico deão do MIT, publicou dois artigos capitais no NY Times, em Novembro passado e no corrente mês. O primeiro tinha por título,” Nova Crise, controlar a liberdade do Mercado”; o segundo, de 19 do corrente, tinha por antetítulo,” Décadas perdidas”, e “ Repelir um demasiado longo colapso”. Samuelson assinala que, mesmo a heróica plêiade de economistas nipónica, ainda não conseguiu jugular os efeitos inflacionistas negativos gerados pela estagflação do estertor da “ bolha “ do mercado imobiliário dos anos 80…O que vale, do mal, o menos, é que a crise financeira parece confinada aos EUA e alguns sectores bancários da União Europeia, que fazem tudo para refinanciar e organizar o sector em perigo. Qual bola de neve, que pode esconder a responsabilidade das elites que nos governam. O que se verifica, acima de tudo, é que os países com grandes almofadas de divisas e funcionais sistemas bancários, bem como com pujantes sectores virados para a exportação, parecem estar imunes a esta real ameaça de contaminação económica e financeira. A curto ou a médio prazo, toda a política económica mundial terá que ser reavaliada para confinar a incerteza inerente ao mega-mundo.

FAR

7 comentários:

Anónimo disse...

Vocês, todos em geral, comentem e projectem as V. achegas, meditações e críticas, SFF. O texto, que eu queria curto, é de alta dificuldade, pois, ora se salta da micro para a macroeconomia, o real perigo da Crise dos Créditos Mal Parados, helàs.
Tenho lido umas coisitas- do MS Tavares(via ACL-Blogue)e do Nicolau Santos( Expresso), mas, decerto sairam coisas mais essenciais e dinâmicas-Ou não?

Juntei, muito a propósito, os comentários do Debord, desse livro derradeiro e genial de 1988. Ora, ainda hoje, J. César das Neves, vem a terreiro( minado, pervertido, qu´importa) falar sobre a Opus Dei e a Maçonaria...

Está tudo dito, portanto.

V. exerçam o sagrado direito da Crítica e Acrescentem mais notas ao diagnóstico de uma Crise Qualitativa( há quem o diga) do Hiper-Caitalismo Mundial, que ainda fará mais vítimas do que a Guerra do Iraque... FAR

Anónimo disse...

Li na íntegra o artigo de M Sousa Tavares, do Expresso.

Ele apressa-se a tirar ilacções. E não olha para o futuro: o deficite estrutural USA( orçamental e da Balança de Pagamentos), criado pela equipe GW Bush tem que acabar, de qualquer modo.

Daí que, Samuelson, o keynesiano Nobel de 1970, espere a vitória eleitoral dos Democratas dos EUA para " pôrem a casa em ordem ". FAR

Ana Cristina Leonardo disse...

Ele apressa-se a tirar ilacções. E não olha para o futuro:

por acaso até olha: vamos ser nós outros a pagar a crise
(dólar barato - mais exportações;
euro caro - ninguém compra)
Mas eu percebo pouco de finanças...

Anónimo disse...

Moeda fraca,economia fraca.: lembram-se da extrapolação cavaquista? A nuance e as mil e umas determinações da economia( política concentrada),têm dessas subtilezas,daí a incerteza de que falava Keynes como paradigma da Economia.

Nunca se sabe lá muito bem; e existe a força das coisas: as reservas de celulose russas valem mais do que os diamantes da RP do Congo...

O PNB chinês alcançou o 2° lugar no top mundial, no ano passado.E no PIB do Império do Meio prevêem-se grandes saltos até 2017. Mas como estamos na Economia-Mundo, e os EUA são o principal cliente da China, é forçoso procurar uma plataforma consensual e dinâmica...

Claro, o MST não é aquele " alarve" e hiena- dactilógrafa, tipo B-B, que em dez acerta uma na roda da chalaça neo-realista de saldo.FAR

Anónimo disse...

Uma nota: O Shadow System banking- é o labirinto tecno-administrativo post-surreal, criado pelas cadeias de bancos em espiral, especializados em empréstimos sem crédito. O Paul Krugman, economista da U.Princeton, e colunista do NY Times, anda a falar nisso, e no sistema bancário em geral, nos seus dois últimos textos. Em termos muito acessíveis. Hoje,critica a lebre que se levantou, como era evidente, em Wall Street, com os bosses das grandes e médias empresas yankees a quererem planos de apoio( a fundo perdido?) como está a acontecer na banca comercial...É assim, o implacável turbo-capitalismo. FAR

Anónimo disse...

O Paul Krugman falava ontem da recessão épica que grassa nos EUA.Assim se mostra a força da qualidade informativa, indispensável para fugirmos da manipulação senil e maldosamente agrilhoante...FAR

ric disse...

成人聊天室,中部人聊天室,免費視訊,視訊交友,視訊美女,視訊做愛,正妹牆,美女交友,玩美女人,美女,美女寫真,美女遊戲,hi5,hilive,hi5 tv,a383,微風論壇,微風,伊莉,伊莉討論區,伊莉論壇,sogo論壇,台灣論壇,plus論壇,plus,痴漢論壇,維克斯論壇,情色論壇,性愛,性感影片,校園正妹牆,正妹,AV,AV女優,SEX,走光,a片,a片免費看,A漫,h漫,成人漫畫,免費A片,色情網站,色情遊戲,情色文學,麗的色遊戲,色情,色情影片,同志色教館,色色網,色遊戲,自拍,本土自拍,kk俱樂部,後宮電影院,後宮電影,85cc免費影城,85cc免費影片,免費影片,免費小遊戲,免費遊戲,小遊戲,遊戲,好玩遊戲,好玩遊戲區,A片,情趣用品,遊戲區,史萊姆好玩遊戲,史萊姆,遊戲基地,線上遊戲,色情遊戲,遊戲口袋,我的遊戲口袋,小遊戲區,手機遊戲,貼圖,我的遊戲口袋,小遊戲區,手機遊戲,貼圖