segunda-feira, 4 de fevereiro de 2008

Dos desertos...

A casa da minha infância tinha um jardim.
Transformei-o tantas vezes que não têm conta as vezes em que nele me transformei.
Fui pirata em nau desgovernada
Explorador de selvas nunca exploradas
Condutor de carros a altas velocidades
Tirano.
Também cativo.
No jardim da minha infância vivi amores.

Ainda posso lá voltar.
E sou outro.

Reviver é apenas voltar a viver, sem o acto.

Aos amores, apenas mais cabelos brancos, mas sempre com o mesmo vigor.

Sem comentários: