domingo, 10 de fevereiro de 2008

Explosão (1)


As recentes proezas da equipa de futebol do Santa Clara, na sua meteórica subida à I Divisão Nacional, hoje Superliga, proporcionaram-me recordações de um tempo já distante. Ainda não completara seis anos de idade. No entanto, jamais aquelas imagens se me apagariam da memória. A euforia do peão no Estádio da Alagoa, ostentando uma das maiores enchentes de sempre, no dia 11 de Abril de 1958, com guarda-chuvas, casacos e chapéus lançados ao ar, em transbordante aclamação, quando o Angústias Atlético Clube marcou o golo da vitória sobre o Marítimo do Funchal na primeira mão da eliminatória Açores-Madeira a contar para a Taça de Portugal. Nofinal do encontro, Atlético 3, Marítimo 2.
No mês de Abril de 1958 o vulcão dos Capelinhos ainda expelia os seus jactos de lava e cinzas que oscilavam entre os duzentos e os seiscentos metros de altura. Seguiam-se horas de acalmia, por vezes total, para recomeçar novamente a actividade vulcânica com igual ou maior intensidade. No dia 12 o Correio da Horta noticiava: “A nuvem de vapor atinge os 2000 metros de altura.” Acrescentava que o Instituto de Assistência à Família distribuía peças de vestuário aos sinistrados do Capelo e Norte Pequeno, oferta da Igreja Adventista dos Estados Unidos da América.
Nessa mesma altura o mundo encontrava-se em plena “guerra fria” e na luta pela conquista do espaço iniciada com o lançamento dos Sputniks. Por esses dias John Foster Dulles informara o Presidente Eishenhower dos preparativos para a Conferência de chefes de governo das grandes potências mundiais. A França debatia-se com o problema da guerra na Argélia, questão que arrastaria o país para uma profunda crise política. Em Cuba continuava a guerrilha e as autoridades cubanas anunciaram o prémio de 100.000 dólares, ou seja, dois mil oitocentos e sessenta contos a quem capturasse o chefe rebelde, Fidel Castro. O governo indonésio confirmava que as tropas governamentais tinham capturado Buki Tingi, capital de Samatra Ocidental, última grande fortaleza rebelde.
Na Índia, o “Congresso Nacional de Goa”, suspende o movimento dos sritiagrah e inicia uma nova fase da sua luta contra a administração portuguesa. Em Portugal, enquanto o último plano de Fomento continuava a entusiasmar os incondicionais do regime, avolumavam-se as divergências entre diversas personalidades da situação, e que, associadas a diversos condicionalismos, levariam à candidatura do general Humberto Delgado à Presidência da República.
Na ilha do Faial o dia a dia continuava a ser marcado pela actividade eruptiva do vulcão dos Capelinhos que arruinara muitas famílias da Praia do Norte enquanto se multiplicavam as iniciativas de solidariedade. O Jornal Português, de Oaklande, Califórnia, organizou uma subscrição a favor das vítimas, a qual, no dia 4 de Abril atingia vários milhares de dólares. E foi neste momento de adversidade que o Angústias Atlético Clube, equipa de pescadores e homens da doca – nessa altura orientado por Costa e Melo, irmão do fundador do jornal A Bola – venceu pela quinta vez o Torneio Açoriano de apuramento para a taça de Portugal, recebendo por isso o representante da Madeira, o Marítimo do Funchal, em dois jogos que se disputaram no Estádio da Alagoa.

(continua)

Mário Machado Fraião, Carta de Marear

Fotos Júlio Vitorino da Silveira

Sem comentários: