sábado, 2 de fevereiro de 2008

Mambo 35

Carnaval 2008

À laia de mais um conto.
Fazer de outro mas a brincar, que de outro modo é auto-terrorismo.

Hoje sou apenas um bamboleado telhado de zinco, para que a chuva seja alguém que se espera em ternuras, de mesa posta, no melhor despido, de espaçosa vaga interior no próprio adentrado chão bem côncavo, para a celebrar em parecenças, e a resguardar de desaparecimentos.

1 comentário:

António de Ramalho Rijo disse...

http://malhorijo.blogspot.com/