quarta-feira, 10 de março de 2010

anaCrónicas 5

«Aquele que pertence verdadeiramente ao seu tempo, o verdadeiro contemporâneo é o que não coincide perfeitamente com ele nem adere às suas pretensões, definindo-se, neste sentido, como inactual.
A contemporaneidade é portanto uma relação singular com o seu próprio tempo, a que se adere preservando as suas distâncias; ela é a relação com o tempo que lhe adere pelo desfasamento e pelo anacronismo; Aqueles que coincidem excessivamente com a sua época, que se lhe adequam perfeitamente em todos os seus pontos, não são contemporâneos porque, por estas mesmas razões, não chegam a vê-la. Não conseguem fixar o olhar que lhe dirigem.»
Agamben escreve isto em 2008.
A sensação que tenho depois de um sem número de teses sobre a ditadura do presente, é que, de facto, os nossos modernos – eles atiram a palavra modernidade quando, por uma razão qualquer, necessitam de falar do futuro diante de um par de microfones apontados como armas; modernidade, dizem logo como passe de magia verbal e dizem que para lá caminhamos, sendo portanto essa modernidade vindoura o que nos espera para a frente, o futuro portanto, uma imprevisibilidade cada vez mais obscura a que não se quer reconhecer nem a obscuridade e muito menos diagnosticar as causas profundas e próximas naquilo que contém de opaco, invisível, irracionalidade alimentada, nevoeiro compacto sem Sebastião possível – são não só pessoas actualizadíssimas, portanto aderindo ao seu tempo sem desfasamento, coincidindo com ele, como não têm sequer tempo para pensar o que dizem, de tal modo o dizem sem o desfasamento que qualifica o pensamento como tal, sem tomarem distâncias para além do jogo interpartidário do poder e dos poderes. Diante, só têm mesmo os votos, as sondagens constantes exercendo a sua função de arma política e a manchete mais relevante da hora. Para além disso têm obviamente a dívida pública, mascote do regime. Como se depreende falo de líderes, esses visionários de serviço ao sistema como presente absoluto.

FMR

Sem comentários: