segunda-feira, 8 de março de 2010

anaCrónicas 3

Diante do gordo do Preço Certo acontece-nos descobrir o que sempre intuíramos mas o que nunca pensáramos. Este tipo, se decide fazer uma dieta, vai para o desemprego. A obesidade, a tal que se combate licenciando os sistemas de engorda da comida rápida nas praças da alimentação e nas escolas públicas é a razão do êxito. Sim, porque um emprego de luxo é uma forma específica de sucesso, já que a outra é ser parte da tal corrupção que, segundo mais de sessenta por cento dos portugueses, não é assim uma coisa tão má, porque nalguns casos, é redistribuída, reinvestida dizem. Portanto o ladrão que rouba para reinvestir é amigo do povo e o branqueamento de capitais uma das actividades morais mais destacadas dos narcotraficantes – por cá também há, como havia a ETA, ali, no paraíso obidense, vila postal a dois passos da pirotecnia criativa.
Aquela história do Brecht quando falava de demitir o povo e não o ministro perdeu o sentido. A massa é massa e vem-lhe o faro da oportunidade com ávida coerência própria, mistura de inveja e forte desejo de ascensão clicável. E à criatura massiva cheira que não lhe calhando o totoloto lhe pode calhar em alternativa o que reste, em notas voadoras, do saque de um multibanco próximo. Até dará uma ajudinha.
É assim o pão e circo, a vida actual no circo globalizado do mundo, a realidade constantemente espectacularizada – dizem-na também virtualizada para a tornar mais neutra – necessita das suas aberrações (os índios talvez tivessem alma, Bartolomeu de Las Casas bateu-se pela alma deles e, em Woizeck, o cavalo fazia que sim com a cabeça e não era lusitano) para que o espectáculo prenda os sentidos dos espectadores planetários com eficácia imperial e faça salivar a mente quando o fetiche, muitas vezes um automóvel, brilha sob a luz dos projectores em consonância com o clímax sonoro num verdadeiro horizonte cantante.
Diz-se: o teatro é grego, o espectáculo é romano. O gordo do preço certo tem garantida a sua posição de renda, como acontece em qualquer loja dos trezentos a um gordo que ofereça fetiches de uso quotidiano cujo valor multiplique trezentos pela precariedade geral em que somos olhos e barriga ávidos de propriedade. Assim como têm emprego certo, por contraposição, as boazonas que ajudam a decorar as mercadorias com o esbelto par de pernas mais o sorriso obrigatório, outra razão de competência específica para emprego certo. O gordo que se acautele, porque o gigante de Manjacaze lá morreu de uma altura que não parava de disputar o cimo da copa das árvores, o que às árvores seculares não agrada, pois mais alto, de direito autenticado pela tradição, só os pássaros e os arranha-céus de betão imortal. Um dia o corpo não poderá suportar o tamanho em crescimento constante – oxalá isso acontecesse à economia, dirão os preocupados com a pátria. O gordo, com aquelas piadas estafadas, só engorda mais. É o preço certo da própria dignidade animal, o culto da banha alimentada e mantida como uma amante no tempo antigo das amantes mantidas – também está em extinção, não as amantes, mas esta forma especificamente económica, já que não é um investimento, nem sequer um roubo eticamente apoiado na visão vulgar, não rende, é puro défice.
E a ração do gordo não é, por certo, qualquer uma.

FMR

Sem comentários: