sábado, 19 de janeiro de 2008

GM Bobby Fischer (1943 - 2008)

Robert James Fischer foi o melhor jogador de xadrez de todos os tempos. Mais que isso, foi verdadeiro ícone do xadrez ofensivo, criativo e temerário. Excêntrico, e talvez mesmo louco, a sua vida foi tudo menos o que se poderia esperar de um desportista de sucesso. Após fazer furor tornando-se campeão norte-americano com 14 anos, e Grande Mestre com apenas 15 (o mais jovem de sempre à época), e assombrar o mundo do xadrez com alguns dos mais belos momentos da arte combinatória, torna-se campeão do mundo em 1972, no famoso match de Rejkavik com o soviético Spassky. Num clima de tensão empolado pela guerra fria, e pela possibilidade de finalmente os americanos terem um jogador à altura dos russos (que fizeram do xadrez o jogo nacional, para provar a superioridade do comunismo), Fischer vence claramente (12,5- 8,5), por entre acusações de batota de parte a parte, ficando famosa a sua alegação de que Spassky receberia bilhetes em código nas garrafas de água que lhe serviam. Dois anos depois, Fischer exigiu condições impossíveis para defender o título contra Karpov. Recusou jogar. Perdeu o título na secretaria. A partir daí, afirmando-se perseguido pelos serviços secretos americanos, fugiu dos EUA, passando incógnito por países como as Filipinas, a Hungria ou o Japão. Em 1992, em plena guerra da Jugoslávia, aceitou jogar um remake do match com Spassky em Belgrado; julgado à revelia no seu país, por quebrar o bloqueio económico imposto a Milosevic, acabou condenado a 2 anos de prisão. Fugiu novamente, mas em 2005 foi preso no Japão. A senhora atrás dele nesta foto, Myoko Watai, presidente da federação japonesa de Xadrez, casou-se com Fischer para que ele pudesse obter a nacionalidade japonesa, e escapar à extradição. Consta que acabaram por se dar bem. Acabou por obter antes a nacionalidade islandesa, tendo vivido em Rejkavik desde então. Antes, em 2001, reapareceu para dar uma entrevista em que apoiava os terroristas do 11 de Setembro. Há, ainda, a famosa história de um jogador incógnito, que desafiou o GM Nigel Short, um dos melhores jogadores de rápidas do mundo, para jogar umas partidas numa plataforma online, e jogando de forma mirabolante, com lances aparentemente absurdos, ganhou todos os 13 jogos: só podia ser o Fischer, disse-se. Num certo sentido, o seu fantasma pairava sobre o mundo do Xadrez, que buscava a sua genialidade, o seu perfeito domínio sobre todas as fases do jogo. O jogador perfeito, que para mais, como se de uma estrela pop se tratasse, desapareceu no auge da carreira.

Com apenas 13 anos Fischer jogou aquela que é conhecida como "a partida do século", contra o seu compatriota Donald Byrne, e gravou o seu nome na galeria dos imortais da nobre arte. Para os que sabem ler xadrez, aqui fica, agora que o seu autor se juntou a ela.

D. BYRNE x R. FISCHER
Def. Grünfeld.
1. Cf3 Cf6 2. c4 g6 3. Cc3 Bg7 4. d4 0 - 0 5. Bf4 d5 6. Db3 d x c4 7. D x c4 c6 8. e5 Cbd7 9.Td1 Cb6 10. Dc5 ?! Bg4 11. Bg5 ?! Ca4 !? 12. Da3 ! C x c3 13. b x c3 C x e4 ! 14. B x e7 Db6 15. Bc4 C x c3 !! 16. Bc5 Tfe8 + 17. Rf1 Be6 !!!! 18. B x b6 B x c4 + 19. Rg1 Ce2 + 20. Rf1 C x d4 + 21. Rg1 Ce2 + 22. Rf1 Cc3 + 23. Rg1 a x b6 24. Db4 Ta4 25. D x b6 C x d1 26. h3 T x a2 27. Rh2 C x f2 28. Te1 T x e1 29. Dd8 + Bf8 30. C x e1 Bd5 31. Cf3 Ce4 32. Db8 b5 33. h4 h5 34. Ce5 Rg7 35. Rg1 Bc5 + 36. Rf1 Cg3 + 37. Re1 Bb4 + 38. Rd1 Bb3 + 39.Rc1 Ce2 + 40. Rb1 Cc3 + 41. Rc1 Tc2 #

1 comentário:

Joao disse...

Xadres eh algo demasiado serio para ser apenas um jogo e nao suficientemente serio para ser uma profissao.
O jogo aqui repetido eh exemplo disso