terça-feira, 20 de novembro de 2007

Pavé sobre a filosofia do devir

Uma "Biographie Croisé" de Deleuze/ Guattari, assinada por François Dosse, acaba de sair na editora La Découverte, em Paris.
Uma perca do primeiro original obrigou-nos a adquirir, em Estrasburgo, de novo, o colossal livro de cerca de 650 páginas. Trata-se com efeito, de um dos grandes acontecimentos do ano. A dupla inconfundível beneficia de um crescendo de reconhecimento nos EUA, Japão, Itália e Inglaterra. Memorável o seminário de três dias com Foucault/Deleuze e Guattari na Columbia University, em Nova Iorque, já em 1975. Para lá de ter induzido a posteriori a constituição de um Centro Internacional de Filosofia na École Normale Supérieure de la Rue dŽUlm.
De incaboudora de Sartre, Althusser, Derrida, a ENS dŽ Ulm é, hoje, a ágora de um conjunto de novos filósofos que defendem com unhas e dentes o legado de Deleuze e Guattári. Élie During,Thomas Bénatouil e Isabelle Stengers, são hoje nomes incontornáveis do novo espaço filosófico francês, entre outros.

Dosse ouviu toda a gente que lidou de perto com Deleuze e Guattari, ao longo dos anos. Traça todas as implicações da sua estratégia, os seus desenvolvimentos, choques e rupturas. Realiza uma maravilhosa e pedagógica maratona conceptual. O perfil da amizade entre a famosa dupla é objecto de uma sucessiva e pormenorizada investigação. Do mesmo modo, analisa com profundidade e sem emoções perdedoras, o encontro de Foucault com Deleuze; e o estreitamento dos laços de inaugural camaradagem entre Deleuze, Chatelêt e Tournier, desde os bancos da Sorbonne.

A génese e desenvolvimento dos conceitos principais dos dois grandes livros escritos pela dupla - O Anti-Édipo e Os Mil Tabuleiros - merece uma exaustiva análise.
"Os primeiros desses princípios são constituídos em torno da conexão e a heterogeneidade. Um outro princípio, o da multiplicidade, com origem em Riemann, adquire uma maior importância do que o de microfísica", diz Deleuze citado pelo biógrafo.

Joaquim Vital, o grande editor português de Paris, que imprimiu o livro de Deleuze sobre Francis Bacon, em 1981, A lógica da sensação, Editions La Différence, revelou a Dosse a história de um jantar falhado entre Deleuze e Bacon. " O jantar foi infecto - tão infecto como o diálogo entre os dois criadores", revela Vital.
Apesar de tudo, Bacon dizia para quem o queria ouvir: " Parece que ele, Deleuze, estava atrás de mim quando eu pintava". Belíssimas histórias as que se prendem com a revelação de uma amizade fantástica entre Deleuze/ Guattari e os seus tradutores italianos e japoneses. Hidenobu Suzuki, membro da extrema-esquerda de Tóquio, chega a Paris para estudar a Língua. Como era admirador de Kafka, descobre Deleuze e os seus livros. Desde 1974 até hoje, Suzuki continua a decifrar a nova filosofia francesa. O mesmo se passa com Giorgio Passerone, vindo de Génova, que traduziu os Mil tabuleiros. Dosse revela-nos que Deleuze deixou um livro inédito - Ensembles et Multiplicités- e Raymond Bellour tem uma entrevista também inédita de centenas de páginas com a dupla, conforme confessou ao biógrafo.

FAR

5 comentários:

Táxi Pluvioso disse...

Francis Bacon disse isso, uh, uh… então deve ter esgazeado o olhar solitário através do quarto.

Anónimo disse...

Mister TP: Continue a ler o Ferrer Mora, please! FAR

Táxi Pluvioso disse...

Não perco uma página.

Anónimo disse...

"Os primeiros desses princípios são constituídos em torno da conexão e a heterogeneidade. Um outro princípio, o da multiplicidade, com origem em Riemann, adquire uma maior importância do que o de microfísica", diz Deleuze citado pelo biógrafo.""

Bem se vê que estes gajos não leram o livro do Sokal e do Bricmont, acerca das imposturas intelectuais.

Quanto ao "novo espaço filosófico francês", pelos vistos é preciso estar a mil anos-luz de Paris para se poder apreciar tamanha maravilha.
a) Hari Seldon

Anónimo disse...

Sr. anónimo das 9.05 PM: Vocês sao tao bons, tao pariso-dependentes e tao informados, que, com franqueza,espero pelo dia em que, de cara destapada, escrevam q.chose.Só para se ver, como diria o Outro!?! FAR