domingo, 25 de novembro de 2007

Mambo 30

O objecto

A desfiguração também é na coisa.
Consolada por ter sido leito de acordes, ainda ilude com brilho volumoso, resiste a estar rompida, mas já se abaula em escurecimentos.
Nesse enjaulamento pelo silêncio permanece em trajecto de morte, a coisa numa fidelidade visceral ao rosto, que a embelezou em demasias.
Vorazmente incendeio-me sem ser por partes, com o desprazer do mudo objecto, mas sempre incompletamente.
Há o rosto.

(Por ti, Pai)

Sem comentários: