segunda-feira, 5 de novembro de 2007

Ph.Sollers: Cecília e Sarkozy irão aparecer juntos na garden-party de 2011

O autor de "Femmes" atira com uma previsão bombástica para o futuro do ex-casal. Durante seis meses, os recém-divorciados "suportaram-se" para que Sarko tivesse hipóteses de ganhar as presidenciais. Sollers tira partido da mise-en-scène e prolonga-a para a véspera da recandidatura do actual PR francês em 2011. A política-espectáculo é, sem mais rodeios, obscena e fatal...

Num texto muito empertigado, publicado no JD Dimanche clicar aqui, o grande "papa" das letras gaulesas torna ainda mais audaciosa a revelação publicada pelo Le Canard Enchainè, há algum tempo, sobre a representação assumida por Cecília ao lado do seu ex-marido, putativo candidato presidencial vencedor, durante mais de seis meses da campanha que o elegeu. Sollers diz, preto no branco, com ironia e desplante "Não consigo acreditar no verdadeiro divórcio entre Cecília e Nicolas Sarkozy. É um filme, mais um, conduzido por mão de mestre, com as reviravoltas, o suspense e as surpresas, como é preciso".

O escritor de "Uma curiosa solidão", romance inicial que já não surge na longa lista dos seus romances e ensaios, assegura presto e sem ponta de ingratidão: "Sou levado a apostar que, em 2011, a 14 de Julho (Dia Nacional da França), uma Garden-Party de alta voltagem terá lugar no palácio presidencial, com todos os personagens reunidos numa reconciliação geral. No entretanto, talvez aconteçam novos casórios, alguns bebés apareçam, peripécias, mas vejo a festa desta maneira: toda a gente será esplendorosa, uma reeleição irá surgir no ano seguinte. Ségolène e Hollande estarão lá, também eles, fazendo boa figura". E remata com suprema argúcia, sem ponta de fel e vinagre: "Que é que importa as famílias destruídas, reconstruídas, de novo destruídas e recompostas, isso é a vida, a abertura, uma lição de humanidade para todos".


FAR

11 comentários:

Anónimo disse...

Errata: Sollers continua a considerar " Uma curiosa solidão", com que ganhou o seu primeiro prémio, com a aprovação de Mauriac e Aragon, nos anos 60.

Gostei muito do " Femmes", que considero um romance da viragem pró-Roth da moderna Literatura Frnacesa nos anos 80. Claro, tinha a colecção inteira da Tel-Quel, revista e livros, onde chegou a publicar o Foucault e onde textos do Deleuze estiveram anunciados...FAR

ana cristina leonardo disse...

FAR, isto são coscuvilhices, tout-court. Nem chegam a ter sequer aquele charme discreto da burguesia

Anónimo disse...

Ana Cristina: O " truc" e a desfacatez de " obrigar a esposa-em-instância-de-divórcio, ainda por cima apaixonada já por colega da Publicidade,a " desempenhar" o papel de cara-metade durante a terrível campanha presidencial, pode ser tudo o que existe de mais reaccionário ou abstruzo,mas, Ana Cristina, é tudo menos coscuvilhice....tonta. Aliàs, o Sollers nao embarca nisso,como é por demais evidente e curial testemunhar, desde a sua juventude girondina...O que eu estou determinado a comprovar, por outro lado,é que a Blogosfera é muito melhor/rápida e acutilante que outro tipo de Médias. Li, o que o Pedro Mexia escreveu no Público, uns dias depois( ou semanas...) de nós, o colectivo errante e alegre, o ter referido em profundidade.Salut! FAR

Anónimo disse...

Salvo erro, foi na revista Sábado, no pino do Verão, que o Miguel Esteves CARDOSO(mec),falou das imensas possibilidades da Blogosfera. Ou foi no DN?. Ele ainda escreve no Expresso,agora? Li há meses uma referencia no NYTimes ao uso dos Blogues, que ultrapassaram a importância táctica daos outros Médias. Disso deu conta no Blogue! O MM Carrilho acordando de um longo sono,referiu-se também naquela série de 3 artigos no DN, ao uso indispensável da Blogosfera como campo de luta ideológica...mesmo depois da devastação post-moderna!!! Há alguém que queira discutir ou adicionar opiniões abalizadas sobre tal matéria? Salut! FAR

Att. Ana Cristina Leonardo: Hoje,tenho tido muita dificuldade em frequentar a sua Meditação na Pastelaria!!! O que se passa?- Salut! FAR

Armando Rocheteau disse...

Penso que na tradução portuguesa se chamava "Uma Estranha Solidão". Li, gostei muito, ofereci anos depois.
Começo, à semelhança do Táxi, a ficar incomodado com alguns dos intelectuais franceses.

Táxi Pluvioso disse...

Digo-te que não me lembro de um intelectual francês dizer algo útil (ou no mínimo interessante) nos últimos cem anos (de companhia, pensam eles, mas afinal de solidão... intelectual).

Talvez o Bernard Stiegler, que trocou os assaltos pela filososia, mas não sei se ganhou com a troca, só o FAR o poderá dizer.

Da Wiki:
Between 1978 and 1983 Stiegler was incarcerated for armed robbery, first at the Prison Saint-Michel in Toulouse, and then at the Centre de détention in Muret. It was during this period that he became interested in philosophy, studying it by correspondence with Gérard Granel at the Université de Toulouse-Le-Mirail. His transformation in prison is recounted in his book, Passer à l’acte (2003).

Anónimo disse...

Se o Sollers é "o grande "papa" das letras gaulesas", converto-me imediatamente ao protestantismo!

Anónimo disse...

Meus caros: Leio, releio Sollers.Há dezenas de anos. Fiz-lhe duas grandes entrevistas: uma ainda na Rue Jacob e outra já na Gallimard. Ele ficou siderado com os portugueses-intelectuais-precários. Depois fui falar com o B-H.L, de grande simpatia e a gostar muito de uma lusa que me acompanhava, a seguir,o Viveret, o Pierre Nora e o secretário-geral da fabulosa Le Débat,o castoriadiano Marcel Gauchet, de alto nível. Isto quer dizer alguma coisa. E eu só gosto de falar do que pretendo conhecer minimamente. Ando a reler o Guattari e o Néri, nas horas de inspiração. Tenho que ir a Franca comprar, de novo, a biografia sobre o Deleuze e o Guattari.

Sollers faz parte daquele circulo muito refinado da Alta Cultura francesa. Matemático de alto coturno abandonou, no entanto, a sua carreira profissional para se lançar- de uma forma muito violenta e iconoclasta- à conquista da República das Letras. Fundou oa revista Tel Quel e uma colecção de Romances e Ensaios que triunfou nos USA, nos anos 70. Foi o " descobridor " de Derrida, Foucault, Genette, Ricardou, Eco-ensaista, Kristeva, and so on.

Sobre Steigler: farisquei e acheio-o um pouco " clássico"... Faça um artigo sobre ele, mister TP, se achar por bem.

O artigo do Sollers, que devem ler na íntegra, foi dado à estampa no Blogue para se " confortar " o dossier Sarkosy/ Cecília, de uma forma profissional e abrangente, exaustiva e gongórica. Salut! FAR

Armando Rocheteau disse...

FAR:
Gongórica?
Com essa não me "conforto". Talvez tenha de me confrontar com a rolha da próxima garrafa de vinho.
Bebe vinho português do bom e perdoa-me a brincadeira e a inveja.
Salut!

Armando Rocheteau disse...

Para FAR o confronto é conforto. Para que fique claro, sem mal-entendidos, o meu comentário anterior.

Anónimo disse...

Ando muito preocuado, Armando. Isto sem efeitos colaterais maiores. O mundo está a ficar terrível. E a Europa a envelhecer. Cada vez mais. E os fundos de saldo dos bancos centrais asiáticos e medio-orientais, a rondarem os 2,2 triliões em cash. E Portugal preso de uma teia de medíocres, que estão por sua vez agrilhoados a marionetas-canibais, tipo Angela Merkel e Nicolas Sarkosy, com Bush a abanar a cabeça. A coisa está a ficar mesmo muito complexa e difícil, convenhamos. Depois, há as leituras que se devem fazer na perseguição de Hegel: Schopenhauer e Kierkgaard! E o preço do vinho, cada vez mais caro. Se for barato, dá te cabo da cabeça, tipo Lidl ou Vale do Rio...FAR