quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Um saboroso fracasso


Declaração de intenções: sou angolano.

Esta "cimeira" foi uma grande vitória para nós, africanos. Em primeiro lugar, e talvez pela primeira vez, os poucos líderes democraticos no nosso continente deram de si. Fizeram-se ver. O Abdoulaye Wade, presidente do Senegal e meu novo herói, fez-nos a todos o favor de abandonar a palhaçada prevista, os "Acordos de Parceria Económica". Esses "acordos" seriam, bem o sabemos, mais uma etapa desse percurso traçado em Lomé e Cotonou, isto é, o caminho do neo-colonialismo, e mais uma vez, qual ironia macabra, ratificados por quem nós próprios africanos temos a infelicidade de nos representar. Ou seja, o "livre comércio" unilateral: a destruição das possibilidades de criação de uma economia minimamente sustentável, a pura importação dos produtos em troca da exportação das matérias-primas, como sempre com as mais-valias delas a escaparem-se por entre os nossos dedos e a fugirem para as contas astronómicas das "empresas civilizadas". Alguém lhe escapa a equação? Quando se diz "neo-colonialismo" não é por capricho.

Pois bem: ao contrário do que se possa supor lendo os títulos dos jornais, finalmente uma cimeira UE-África foi um fracasso, e graças à resistência de poucos líderes africanos, desta vez, curiosamente?, democratas. Agora restará uma dúvida nas cabeças bem pensantes, "liberais", "democratas" e etc. aqui na nossa Europa: porque é que são os ditadores africanos que anseiam pelas "receitas de liberdade" do "mercado livre", e porque é que os poucos democratas africanos as rejeitam.

Ficará para a consideração "teórica" entre o valor da "democracia" e do "mercado", e muito bem comparado com a "questão do Pinochet".

2 comentários:

Anónimo disse...

Estamos juntos, CAMBA !!
Gabriela

ana cristina leonardo disse...

Só em Portugal, os jornais falaram de sucesso. Lá fora, ainda há gente na imprensa que não se deixa levar pelo marketing e publicidade. Quanto à vitória, já não sei. Os chineses também não são flor que se cheire. e ainda por cima são muitos.