quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

Segredo desvendado

Caros Josina MacAdam e irmão:

A verdade tão perto e vós que não atinais. Terão talvez de reforçar a dose de Fósforo Ferrero... a droga de eleição noutros tempos.
Não têm quaisquer motivos para se sentirem “desonrados” com o comportamento do pater familia. Muito pelo contrário.
Ao contrário dos outros superheróis cuja proeminência decorre de acidentes estranhos- por exemplo, Spiderman é o Peter Parker mordido por uma aranha radioactiva-, fortuitos e involuntários, o ethos vigilante do SuperViggi é deliberado e construído. Coloca-se uma ‘pedra’ na boca e aguarda-se pelo início da ronda. Vigiando e punindo camisas negras e de outras cores, comunistas e outros inimigos da liberdade, entre os mais recentes e daninhos os ‘Chavistas’, novos filhos da puta, “Putinistas”.
Quanto à benigna rusga dita “socrática”, estou certo que o seu propósito era o de promover os Direitos, Liberdades e Garantias. Pelo que não estranho o sorriso de beatitude- também dito ‘agostiniano charrado’- do SuperViggi.
Cara Josina, comungo da sua saudação à Democracia, mas pode pousar os Grandes Códigos. O Direito não se aplica aos SuperHeróis. Veja o que diz Aristóteles sobre o Batman: “There are men so godlike, so exceptional, that they naturally, by right of their extraordinary gifts (no caso, ter ido ao Café Central da P…) transcend all moral judgment or constitutional control”.
Portanto, minha cara, quando deparar com uma operação policial, lembre-se que eles estão sujeitos à lei e ignoram que estão presos. Nosotros, os SuperViggis gozamos de uma ordem mais elevada de legitimidade.
“There is no law which embraces men of that calibre: They are themeselves the Law”. A propósito, não há aí nada para fumar?

JSP

Sem comentários: