quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

Amerigo Vespucci

Cagliari. Sardenha. 2007

Foto Francesca Pinna

1 comentário:

zemari@ disse...

Ciao Francesca.

O teu Mediterrâneo é sempre fascinante e convidativo, sobretudo se puder ser visto e contado por quem sabe lê-lo como tu.

Mas a propósito deste “post”, queria acrescentar uma informação tipo “Readers’s Digest” ou para concurso de televisão sobre esse caro Amerigo Vespucci (Florença, 1454-Sevilha, 1512)

É um dos padrinhos deste mundo.
Foi ele que, após umas viagens costeiras de reconhecimento dos lugares transatlânticos já encontrados, (uma delas, de 2 anos, financiada por Portugal) baptizou esses continentes segundo o seu nome: a América!
À grande Amerigo!

Nessa altura, as potências europeias (ingleses, holandeses, espanhóis, franceses e, vá lá, alemães) ainda ponderavam setinham chegado à Índia e chamavam-lhes as Índias Ocidentais (ainda hoje chamam índios aos indianos e vice-versa…)

E a indefinição sobre o topónimo a adoptar era tão grande que o cartógrafo alemão Martin Waldseemüller (c. 1470-c.1521), ao desenhar o seu mapa Universalis Cosmographia (1º mapa-mundi) e onde aparece pela primeira vez a palavra América, hesitou em chamar-lhe “Terra Desconhecida”, “Novo Mundo”, “Columbia”, “Isabella” (de Inglaterra) ou “Manuela”, em honra do rei de Portugal, Manuel I.

E mesmo assim, escreveu esta ressalva:
«ab Americo Inventore ...quasi Americi terram sive Americam.
Digamos: «from Amerigo the discoverer ...as if it were the land of Americus, thus America».


Para ti, Francesca: Chita e eu desejamos-te um 2008 com mini-negativas e muitas maxi-positivas.
Tanti(?) baci!