terça-feira, 9 de outubro de 2007

Foi só um sonho estranho

Hoje tive um sonho muito esquisito. Sonhei que a polícia fazia visitas a quem se pretende manifestar, antes das ditas manifestações, para inspeccionar o material e aconselhar a malta a "portar-se bem".
O que vale é que era só um sonho, pois ao acordar lembrei-me que vivemos num estado de direito democrático.

6 comentários:

Jana disse...

Mas se te quiseres manifestar não te esqueças de avisar o governo civil... não vás ser preso por desobediêcnia civil! Também há sempre a hipótese de o governo civil não te autorizar a manifestação! Mas vivemos num estado democrático e com liberdade de expressão.... (mas espero não ter desses teus sonhos)

Gustavo M. disse...

Estranho!
Tivemos o mesmo sonho...

Deve ser o PCP... eh! eh! eh!
Está por todo o lado, esse malandro!

ana cristina leonardo disse...

É como no sonho contado por Borges. Há um imperador que sonha que é uma borboleta; quando acorda baralha-se: seria um imperador que sonhara ser uma borboleta ou é uma borboleta que sonha ser um imperador? Moral da história: nunca devemos dar o estado de direito democrático por garantido. Pode não passar de uma ilusão sonhadora.

Armando Rocheteau disse...

E lembro Borges.
"No sonho do homem que sonhava, o homem sonhado acordou."

Táxi Pluvioso disse...

O Estado só concederá liberdade absoluta aos cidadãos quando estiver instalada um câmara de video CCTV em cada lar.

Cabe ao polícia decidir como vivemos a nossa vida. É justo. Se as pessoas não interiorizaram o polícia tem que vir um externo metê-las na "ordem".

Polícia ou morte - gritam os novos revolucionários.

(Não conheço ninguém que não queira uma esquadra no seu bairro. E não concebo uma Universidade sem uma esquadra no seu interior).

Anónimo disse...

Quero ser polícia!