quarta-feira, 12 de maio de 2010

O dia em que meu pai foi Ringo Starr


(Desenho João Neves)

Quando o JSP aqui homenageou o Roberto Carlos e o Barroca, fez referência ao Clube Roberto Carlos da Mafalala e lembrei-me de mais esta história. Por inabilidade minha, da qual não são culpados, para a entenderem ajudaria, para quem não viveu esses tempos, ler A Curva do Rio, do Naipaul, e qualquer dos Coetzee, que descreva a África do Sul.
O Barroca era um português de gema. Um Oliveira da Figueira na figura e na capacidade adaptativa. Era um bravo. Na adolescência tinha sido mandado, de castigo, para a metrópole, fazer o equivalente ao 9º ano, num internato de padres, no Norte de Portugal. Não o vergaram. Na tropa (só dois do grupo do meu pai lá foram parar) perdeu a arma durante a recruta. Foi mandado noutro castigo, agora não familiar, para a guerra no Norte de Moçambique. Debaixo de um ataque, ganzado e bêbado, foi o único a responder ao ataque inimigo. Apocalypse Now avant la lettre. Nestas andanças cafrealiza-se. Recusa a cultura do colonizador. Celebra a vida onde ainda ela faz sentido. Entra pelos compound e descobre que há uma grande festa moçambicana enquanto o caldeirão não rebenta. Arrasta os amigos e leva-os a essa enorme descoberta. Uma espécie de Os últimos dias de Saigão. Um dia desafia-os para irem a uma festa no Clube Roberto Carlos. Música do melhor. Dilon Djindji , rock e claro, música do patrono. Mal saíram do carro foram muitíssimo bem recebidos. Com tombazanas e tudo. Todos, eram seis, ficaram com os nomes de um dos Beatles, mesmo que repetido. Mesmo o meu pai, i.e. o Ringo, o Ninito, i.e. o George, e o Luís Filipe. Esse mesmo Luís que entrava, em 1978, sem camisa, nas tascas da Almirante Reis, em Lisboa, a berrar que era o Sandokan e a passar por cigano (e que na Mafalala era o Paul). Essa festa, com muito de tudo e do bom, acabou com uma carga da brigada da polícia montada que se desviou dos Beatles e varreu os outros à bastonada. Penso que terem vivido isso implicou escolhas fortes. Não terá sido o primeiro momento, também não foi o último, mas foi um dia decisivo na conversão deles à democracia e ao multiculturalismo em liberdade. O Barroca, como vos disse o JSP, morreu no Brasil. Os outros andam por aí no samba-rock. É do fado. Gilberto Freire tinha razão.

Josina MacAdam




(Fotos dos Beatles da Mafalala)

6 comentários:

Ivone Ralha disse...

Olá Josina, gosto quando voltas (apesar da censura)! Não desistas!

Anónimo disse...

ó ralha, sobretudo que não desistas tu da dieta que tanta falta de faz, ao corpo e à alma. no entretanto, cá ficamos à espera do striptease do teu glorioso passado e mais ainda do teu glorioso presente. se não conseguires escrever, faz um boneco.

Armando Rocheteau disse...

Olá Ivone. A Josina agradece o incentivo.
Anónimo:
Estamos habituados a teasers. Dispensamos é o streap. Há que ter corpo e alma para isso. E o anonimato visto deste lado é uma coisa reles.
Nas fotos postadas quatro dos amigos já foram. Morreram em combate. Restam, desse grupo, quatro. Oxalá não desmereçam o património herdado. A luta contínua continua!

Anónimo disse...

comove-me a forma como se defendem os gordos neste blogue...

Anónimo disse...

Eu também gosto muito das postas da Josina! e desta em particular!AJ

Anónimo disse...

quem és tu, anónimo das 6.35 e das 5.35? NINGUÉN??? VÁ, ASSINA LÁ POR BAIXO...Mostra lá que tens coluna vertebral!!!...Ou não tens? AJ