terça-feira, 25 de maio de 2010

Mundo cão da cultura

Parece que o mundo da cultura reuniu há tempos com o Papa. Creio que, quem o nomeia assim, refere certamente aquele “mundo” que estará disponível para reunir com o Papa – os VIPES da corte instante - e fazer a parte de que está disponível para continuar a ilustrar os dogmas da Igreja com as suas pinceladas, os seus filmes monocromático/lentos e de plano fixo, colaborar nas diversas manhas do arrependimento espectacularizado, ajudar a ocultar o cortejo de atrocidades identificador da instituição – Inquisição, colaboracionismo com os nazis e pedofilia - num perdão redentor que abra portas a recomeços que pisarão os mesmos caminhos que, de novo, levem a outro perdão, num ciclo mesmo infernal – os ciclos da história são isso mesmo (e a Igreja não é imune à história, mesmo como máquina milagreira, Fátima sem os diabólicos bolcheviques seria um falhanço): regressos que nunca são idênticos mas que mantêm a humanidade aquém da promessa da igualdade, da fraternidade e da paz.

O funcionário de Deus não pode mais do que gerir as crises e como Estado que é, correr atrás dos fogos que se ateiam nos âmbitos recônditos das violências que eram seladas e que não cessarão, agora que é impossível esconder as verdades atrás dos muros de pedra ancestral que formam as paredes das Igrejas, dos Mosteiros, dos Conventos, das Casas Paroquiais – é isso que a viajem em cena há pouco realizou: um grande espectáculo capaz de preparar uma sondagem mais favorável ao magistério deste Papa, uma sondagem branqueadora face à dimensão do crime mais recente.

A era do vídeo e este reality show constante do espectáculo do mundo alimenta-se de drama permanente em clímax de histeria e apocalipse, e o drama, negativo, faz mais jeito porque preenche de modo mais intenso emocionalmente, ocupa mais eficazmente a totalidade do cérebro, gera sentimento de impotência e oculta o que se passa mesmo: uma regressão da democracia, da transparência, do poder do voto e uma acumulação da riqueza, por via especulada, branqueadora, tóxica e traficada, nos bolsos de meia dúzia de Estados Particulares e das suas Tropas – um mundo cada vez mais o mesmo.

Todos sabemos que a diversidade não são discursos, mas sim uma consequência das estruturas do real em movimento conformando a vida e as vidas – a Igreja e os imigrantes, o Estado e a Igreja, a Igreja e Berlusconi, a Igreja e a pedofilia, a Igreja e a Escola em que a Igreja continua a ineficácia das catequeses, impossível que é de a fazer coincidir – à escola - como qualidade ética, dinâmica de aprendizagem e qualificação profissional, com a esfera da produção e das profissões, dependente das deslocalizações assassinas e do negócio dos despedimentos apoiado nas leis que o executam – quem duvida que as indemnizações servem os donos e não os empregados, que uns mantêm fortunas e que outros ao fim de um tempo esgotam as reservas? Desemprego, horizonte produtivo?

Tudo isto, como admirador de Cristo e das liberdades, me enoja. Tanto lixo para debaixo do tapete revela uma disposição, mesmo quando se repete que o crime aconteceu já não dando para escondê-lo nenhuma sábia ocultação. Estratégia mais inteligente e dizem que este Papa o é. Será? Necessitará? Não basta sê-lo, papa, mito e santidade?

O mundo da cultura, desculpem-me, não é representado pelo velho Oliveira nem por nenhuma estrela do nosso pequeno firmamento, sempre disponível para a medalhinha, a comenda, a homenagem, consenso apaziguador e paroquial – rectangulozinho reconfirmado nas medidas, por muitas águas internacionais que o multipliquem. O mundo da cultura é mundos de culturas.

O que chocou nesta coisa foi o desejo de absoluto e a disponibilidade todo o terreno das tropas de choque da campanha mediática, agindo com cio de primas donas e o “dar a anca” dos culturais do costume e do sistema – o poema é do Mário Henrique Leiria.

Que seja claro que aqueles que cedem nestas circunstâncias ao espectáculo do “diálogo” mostrado – o exemplo pela imagem tem um fundo milenar -, não o continuam no resto do ano, nem todos os dias, a fazê-lo, e a maior parte daqueles que trabalham culturalmente com as populações raramente se encontram com a Igreja pois ela não está lá, está de guarda ao bafio das sacristias e ao vício militante da hierarquia burocratizada e estanque – os missionários é outra história. Aí estou de acordo com o Papa: metam-se na política, metam-se na economia, metam-se nas artes e sejam tão capazes disso como a mais rica tradição artística, a dos Leonardos e dos grandes pintores e escultores de temas mítico-religiosos. Nada mais comovente que a Pietá, tão diferente desta Igreja de bugigangas, plástico fluorescente e vídeo convertida. E tão longe dos sapatos Prada (é assim que se escreve?)

Fernando Mora Ramos

Sem comentários: