sexta-feira, 16 de abril de 2010

Conferência por Stephen Greenblatt: Cultural Mobility: The Strange Travels of Shakespeare's Cardenio


21 de Abril, às 18 horas, no Auditório 1 da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Av. de Berna


Stephen Greenblatt introduziu em 1982 o conceito de New Historicism, e continuou a ser uma figura chave na viragem dos estudos literários para a “poética cultural”, da interpretação textual para a contextual: não no sentido de a arte “espelhar” a sociedade, mas numa reflexão, inspirada por Foucault, sobre “o processo pelo qual algumas obras notáveis estão ao mesmo tempo mergulhadas num mundo da vida altamente específico e parecem erguer-se dele com liberdade”. São notáveis os seus estudos sobre o Renascimento, em especial sobre Shakespeare: a sua biografia do poeta inglês esteve nove semanas na lista de Best Sellers do New York Times, em 2004.

Professor na Universidade de Harvard, os estudantes batalham por conseguir um lugar nas suas aulas. Tem também ensinado em universidades como as de Berlim, Florença, Oxford, Kyoto e Pequim. Vem a Portugal integrado no curso de doutoramento em Ciências da Comunicação da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

A sua conferência relaciona-se com os estudos sobre mobilidade (de pessoas, de ideias, entre centro e periferia, entre fé e cepticismo, ordem e caos, exterioridade e interioridade, numa tensão entre enraizamento e mobilidade, que uns vêm com avidez, outras com medo). Vai dar exemplos a partir da peça que em 2008 estreou, Cardenio. Cardenio é uma personagem do capítulo 24 de Dom Quixote, publicado em 1605 e traduzido para o idioma inglês em 1612. Em 1613 há registo da estreia da peça Cardenio, assinada por Shakespeare e pelo seu jovem assistente John Fletcher. No mesmo ano há um incêndio no Globe Theatre. O manuscrito é dado como perdido, mas no século XVIII Theobald Lewis afirma tê-lo em mãos e adapta-o no espetáculo Double Falsehood. Diz ter entregue o original à biblioteca do Covent Garden Theatre… que um incêndio veio a destruir. Greenblatt, sempre interessado nas reciclagens de material cultural como Shakespeare e o Renascimento tanto fizeram, em conjunto com o dramaturgo norte-americano Charles Mee reescreveu Cardenio, a partir de uma triangulação entre o original de Quixote, a adaptação de Lewis e elementos recorrentes na dramaturgia de Shakespeare.

1 comentário:

André Carapinha disse...

Este texto não foi escrito por mim, é o da divulgação da conferência, onde, já agora, estarei presente.