sábado, 3 de abril de 2010

Amor - O Beijo


Brighton Beach, Nova Iorque

Foto Jota Esse Erre

5 comentários:

Táxi Pluvioso disse...

A mão (dele) está no sítio errado. Boa Páscoa, que não falte sangue para pintar as portas, ou lá que tradição seja seguida na (festiva) quadra.

Teresa disse...

Pegando nas palavras do Táxi Pluvioso, gostei da ideia de informar, para quem não conhece, a origem do “sangue para pintar as portas”. Gosto de pesquisar tradições e, tinha em ficheiro, alguma informação sobre esse assunto. Mesmo que contenha alguma imprecisão, aqui vai.

O nome Pessach (a passagem) é associado à festa que celebra e recorda a libertação do povo de Israel do Egipto, conforme narrado no Velho Testamento da Bíblia, no livro Êxodo. A celebração de Pessach começou a ocorrer, depois de Deus ter enviado as dez pragas sobre o povo do Egipto. Antes da décima praga, o profeta Moisés foi instruído a pedir para que cada família hebraica sacrificasse um cordeiro e molhasse os umbrais das portas com o sangue do cordeiro, para que os primogénitos não fossem acometidos pela morte. Chegada a noite, os hebreus comeram a carne do cordeiro, acompanhada de pão ázimo (pão sem fermento) e ervas amargas. À meia-noite, um anjo enviado por Deus, feriu de morte todos os primogénitos egípcios, desde os primogénitos dos animais até mesmo os primogénitos da casa do Faraó. Então o Faraó, temendo a ira divina, aceitou libertar o povo de Israel, o que levou ao Êxodo.
Fugindo do Egipto, os hebreus fizeram a passagem pelo Mar Vermelho, conduzidos por Moisés. O cordeiro passa a representar a salvação operada por Deus que livrou os hebreus do extermínio pois o seu sangue assinalou as casas que haveriam de ser poupadas e a refeição com a carne do cordeiro é o memorial desse acontecimento libertador; os pães ázimos recordam que o povo de Israel teve de fugir à pressa e que o pão não teve tempo de fermentar.


Então Boa Páscoa! Principalmente com boa comida, de preferência tradicional, bom vinho e família, ou amigos à volta!

Teresa disse...

Já agora, só mais uma informação, para os curiosos.
Entre os primeiros cristãos, e ainda hoje, a Páscoa é festejada no domingo seguinte à primeira lua cheia posterior ao equinócio da Primavera (21 de Março).

Calendário das fases da lua em Março de 2010:

Dia 07 - Quarto Minguante
Dia 15 - Lua Nova
Dia 23 - Quarto Crescente
Dia 30 - Lua Cheia

Logo o domingo da Páscoa, este ano, é em 4 de Abril.

Teresa disse...

Um poema de Alexandre O’Neill em sintonia com este sensual momento, captado pelo fotógrafo. Haveria gaivotas naquele céu?

O Beijo

Congresso de gaivotas neste céu
Como uma tampa azul cobrindo o Tejo.
Querela de aves, pios, escarcéu.
Ainda palpitante voa um beijo.

Donde teria vindo! (Não é meu...)
De algum quarto perdido no desejo?
De algum jovem amor que recebeu
Mandado de captura ou de despejo?

É uma ave estranha: colorida,
Vai batendo como a própria vida,
Um coração vermelho pelo ar.

E é a força sem fim de duas bocas,
De duas bocas que se juntam, loucas!
De inveja as gaivotas a gritar...

Alexandre O'Neill, in 'No Reino da Dinamarca'

Táxi Pluvioso disse...

É verdade. A palavra Páscoa vem do hebreu e não do latim, donde vem a base desta bela língua que todos querem falar (presidente Báráque incluído).

As tradições ficariam muito melhores se o Evangelho de Eva tivesse encontrado o seu caminho para a compilada Bíblia. As missas seriam muito mais animada. Damn you Epifânio!!