sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Olhar

Quando uma Crise sai para a rua nunca se sabe o que pode acontecer.
Aparentemente, tudo está bem: os carros circulam, os pombos coçam as penas à beira do passeio, os velhos do costume estão pelos bancos do costume, amparados às bengalas cada vez mais decrépitas e vergadas. Aparentemente, todo o Universo está conforme.
Se olho para tudo isto, como quem se fica pelas aparências, e estou aqui, parado, a fumar o meu cigarro, é apenas uma aparência.
Estou a olhar por baixo do tapete e a ver o que ali se esconde.

2 comentários:

Anónimo disse...

não me digas

comite pro far disse...

isto é que vai praqui um refresh! este rapaz com tanto jeito pras letras não tinha ido por água abaixo num cacilheiro...?