terça-feira, 21 de outubro de 2008

Democracia Económica

Ladislau Dowbor é brasileiro, doutorado em Ciências Económicas, em Varsóvia, professor titular da PUC de S. Paulo. Não vou aqui escrever todo o seu curriculum, até porque nem virá completo na contracapa de uma obra sua admirável. Não se pode dizer isto, mas apetece fazê-lo: ESTÁ LÁ TUDO. Trata-se de Democracia Económica. Alternativas de Gestão Social e a edição que conheço e da qual vou transcrever um pequeno excerto, é da Editora Vozes, de 2008.
Declaração de interesses: adoro o Brasil, só conheço quatro estados, gostava de conhecer melhor esse “mundo” do qual temos andado muito, infelizmente, arredados, conheço e tenho bons amigos em S. Paulo, mas ninguém, sequer um empregado, da Editora Vozes eu conheço.

Difícil a escolha, mas aí vai a minha:

“Continua a ser muito actual nesta área (1) o livro de Joel Kurtzman, A morte do dinheiro. Como o dinheiro passou a ser uma notação electrónica, que viaja na velocidade da luz nas ondas da virtualidade, o mundo se tornou um casino global. Mais importante para nós, o lucro e o poder gerados pela especulação financeira fizeram com que a ciência económica se concentrasse de maneira obsessiva nessa área. A lista dos prémios Nobel de economia constitui essencialmente, com raríssimas excepções como Amartya Sen, uma lista de especialistas em comportamento do mercado financeiro. A situação é agravada pelo fato do Nobel de economia não ser realmente um Prémio Nobel, mas um prémio do Banco da Suécia. Peter Nobel, neto de Alfred Nobel que instituiu o prémio, explicita a confusão voluntariamente criada por um segmento particular de economistas:
Nunca na correspondência de Alfred Nobel houve qualquer menção referente a um Prémio Nobel de economia. O Banco Real da Suécia depositou o seu ovo no ninho de um pássaro, muito respeitável, e infringe assim a “marca registada” Nobel. Dois terços dos prémios do Banco da Suécia foram entregues a economista americanos da escola de Chicago, cujos modelos matemáticos servem para especular nos mercados de acções – no sentido oposto às intenções de Alfred Nobel, que entendia melhorar a condição humana.”

(1) financeirização da ciência económica.


Almerinda Teixeira
Cacilhas, 20 de Outubro de 2008

Se livro existe, e que seja um dos da minha vida, é este.

9 comentários:

Anónimo disse...

Vale mais tarde do que nunca!Aleluia! Enfim, um pequeno artigo no Blogue a levantar o véu da terrível Crise Económico-Financeira que mergulhou o Mundo- a Economia Global- numa situação altamente perigosa para todas as Democracias.

Como assinalou Krugman, o Nobel 2008 da Economia,"esta crise quase sistémica combina um conjunto heterógeneo de factores e uma recessão de tipo novo! Irá ser longa e, como não existe gouvernance economica mundial há mais de 20 anos, isso pode gerar consequências dramáticas ".

A polémica sobre as rivalidades entre os neo-keynesianos e os liberais de Chicago, os boys neófitos de Milton Friedman está ultrapassada, há muito, para lá do bem e do mal que isso pode acarretar. Quer Summers, quer Stieglitz ou mesmo Krugman servem-se de conceitos do rival de Samuelson e Galbraith, torcendo pela conotação social das fórmulas,como é evidente!

Anónimo disse...

Parabéns. Excelente a abordagem. Continuem!

Carlos Gil disse...

linkado. com medalha e tudo

Anónimo disse...

Oh, mister Carlos Gil, discuta e mostre o que vale, sff.Não paga nada por isso,é evidente.

Carlos Gil disse...

ná... não tenho troco para notas de cinco... eu sou um simples arrumador de carr... digo, posts (alheios)
mas se V. Exª Revª pretender qualquer coisinha em concreto não se acanhe diga: logo se vê o que se arranja. só não discuto: faz-me mal à vesícula e até estou de baixa ab eternum.
....
(tentando fazer cara séria): onde é que se preenche a ficha e se pagam as quotas para um gajo não se sentir na versão 'campus' do Clube do Bolinha_sem ofensa aos lulus e às lulus? é que de vez em quando um gajo - já esquizofrénico como eu, ainda por cima - lê merdas e põe-se a pensar se está num condomínio da Qtª da Marinha, no Clube dos Pensadoresou no Grémio Literário! eu gosto é de TASCAS, cervejolas ou tintol, e petingas com molho à espanhola! e pouco, mesmo muito pouco, de me armar ao pingarelho.
peace. ouve uma modinha de quando eras puto (ou pitinha, sei lá) que faz-te bem à carola. com ou sem devoção botânica_facultativo e cada um sabe de si

:(

Anónimo disse...

Oh, mister Carlos Gil, discuta e mostre o que vale, sff.Não paga nada por isso,é evidente.
FAR, a malta até pagava para tu te calares

Anónimo disse...

Oh, mister Carlos Gil, discuta e mostre o que vale, sff.Não paga nada por isso,é evidente.
FAR, a malta até pagava para tu te calares

L' Emmerdeur disse...

Este FAR que não sabe nem fazer uma regra de três simples e que só ouviu vagamente falar de taxas de juros, vem aqui armar ao pingarelho. Deve ser da escola de Estugarda...Ainda por cima não dá liberdade aos outros, sempre a invadir, sempre autoritário. Cabrão fascista!

Anónimo disse...

Ninguém arma ao pingarelho! Deixo esse tipo de " poses " para quem se diverte a dar de si retratos avulsos de indigência, mediocridade e despassaramento fatal e letal.Seis meses depois da Cartomante ter " tomado de trespasse " o Blogue, viu-se bem o estado calamitoso atingido. Porquê? As pessoas nem o DN percebem que citam por dá cá aquela palha... O nosso grande líder publicou e destacou, de há muito, os trabalhos de Krugman. Como aconteceu com a singular divulgação do pensamento revolucionário de Alain Badiou, um exemplo entre muitos. Comité Pro-FAR