sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Da derrota da URSS

1.4.1.3. A caminhada da humanidade para o socialismo e o comunismo sofreu profundos reveses no findar do século com a destruição da URSS e as derrotas do socialismo no Leste da Europa.

1.4.1.4. O estudo das suas causas e consequências prossegue no movimento comunista e no campo progressista, e o PCP deverá consagrar-lhe ainda mais atenção para tirar todas as experiências e ensinamentos que comporte, a fim de prosseguir a luta com reforçada confiança. Temos muito de valioso já adquirido pela elaboração e reflexão colectivas do Partido desde o XIII e XIV Congressos. Revelou-se particularmente fecunda a tese avançada pelo PCP de que (ao contrário do que pretendeu a violenta campanha desencadeada pelos nossos adversários sobre a «morte do comunismo» e o «declínio irreversível dos partidos comunistas») o que foi derrotado não foram os ideais e o projecto comunistas mas um «modelo» historicamente configurado, que se afastou, e entrou mesmo em contradição com características fundamentais de uma sociedade socialista, sempre proclamadas pelos comunistas relativas ao poder dos trabalhadores, à democracia política, às estruturas socioeconómicas, ao papel do Partido, à teoria. Mas tendo como base as análises e orientações do XIII e do XIV Congressos, necessitamos de continuar a aprofundar a nossa reflexão.
Excerto do Projecto de Teses do XVIII Congresso do PCP

Quem ajuda o PCP a encontrar os culpados?

3 comentários:

Anónimo disse...

Quem enxerta- e para quê?- transcrever esta fraseologia acaciana e arqui-reaccionária do PCP? Será uma enviesada forma de " desvalorizar" os enteados lusitanos de Estaline? Ou será mesmo miséria moral e política em alto estado de degradação? Rui Simões

MFerrer disse...

No momento em que os herdeiros desta ideologia, sejam os mais ortodoxos, sejam os mais informais, se preparam para "unir esforços" para atacar eleitoralmente o governo do PS, é indispensável que os democratas se unam igualmente para denunciar o aventureirismo esquerdista e a cegueira ideológica responsáveis por tantos milhões de crimes.
MFerrer

Anónimo disse...

Who dunnit?


A ponto 1.4.2.1 deste inestimável documento esboça-se um naipe de culpados, negligência dolosa, diríamos, em abstracto e no puro concreto, pela derrocada da União Soviética. “Abandono de posições de classe e de uma estreita ligação com os trabalhadores...claudicação diante das pressões e chantagens do imperialismo...a penetração em profundidade da ideologia social-democrata...rejeição do heróico património histórico dos comunistas...TRAIÇÃO de ALTOS RESPONSÁVEIS do PARTIDO e do ESTADO”. Ainda de acordo com o mesmo ponto, os supracitados “desorientaram e desarmaram os comunistas e as massas para a defesa do socialismo, possibilitando o rápido desenvolvimento e triunfo da contra-revolução com a reconstituição do capitalismo”.

Ora, segundo o “Socialismo Traído”, Edições Avante, a deterioração começou em 1953, com a morte de Estaline e a ascensão de Kruschev. Mais quatro décadas de declínio e...nasdrovia.


PS: Alguns destes traidores refugiaram-se au Portugal. Medraram, medraram, tomaram nomes e hábitos kristang e hoje podemos encontrá-los, ou seus descendentes, nos mais diversos sectores, do mais rés ao mais alto patamar. Exemplo:Marques Mendel. Santo e Senha: Todos ao Russio. PQP.