quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Água (3)


Ilustração para Água na poesia. Edição da Câmara Municipal de Sintra


Ela sorve, enche e aspira


Agora é duma limpidez total. A lua inclina-se sobre a escuridão do mar,

atraindo a si caudais abundantes de água que as vagas do fundo

cobrem de uma placa de chumbo. À superfície do mar estende a lua

uma tela prateada brilhante que ela sorve e aspira. É disso que falo.

Amoz Oz, O mesmo mar, edições ASA


Ivone Ralha

4 comentários:

Joaquim Lucas disse...

Ivone, a Ivone...

Anónimo disse...

Roubaram o PC portátil ao Migual Sousa Tavares, jornalista e escritor. Casa assaltada na Lapa e roubo do leaptop com trabalho de escrita de um ano!

Poemas de amor e dor disse...

Ivone Ralha e restantes amigos, boa noite.
Quero agradecer o link para este poeta, velho poeta, que constrói a sua poesia com a alma. Por falar em mar, deixo um pequeno poema que nos conduz o Tejo e abraça Lisboa

Tudo de bom
Rogério


Maria do Tejo
Rogério Martins Simões

Estavas linda Maria,
do Tejo
Mulher amada
Cercada de um luar de Agosto
Enfeitavam os teus cabelos
A madrugada
E trazias o feitiço,
Por Lisboa, no teu rosto,
05-02-2007

Anónimo disse...

Não acredito nessa história
sobre o MST.