terça-feira, 4 de novembro de 2008

Água (6)


Ilustração para Água na poesia. Edição da Câmara Municipal de Sintra

Agora, és o rio e as margens e a nascente; és o dia, e a tarde dentro do dia, e o sol dentro da tarde; és o mundo todo por seres a sua pele. Pai. Nunca envelheceste, e eu queria ver-te velho, velhinho aqui no nosso quintal, a regar as árvores, a regar as flores. Sinto tanto a falta das tuas palavras. Orienta-te, rapaz. Sim. Eu oriento-me, pai.
José Luís Peixoto, Morreste-me, Temas e Debates

Ivone Ralha

Sem comentários: