segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Da Capital do Império

Olá,

Desculpem lá o silêncio mas afazeres, viagens e trabalho reduziram-me a vontade de escrever. Vai aqui uma nota para vos dizer o seguinte: O Barack Obláblá vai ser o próximo presidente dos Estados Unidos.
Não percam tempo a seguir as eleições na Terça-feira à noite. Eu já fiz as contas por vocês e o Obláblá não tem possibilidades de perder.
Contudo se quiserem ficar com a certeza fiquem apenas acordados até à uma da manhã (vossa hora) e aí ficarão mesmo com a certeza. Até essa hora encerram as urnas de alguns estados entre eles Virgínia (vossa meia noite) Florida, New Hampshire e Pensilvânia.
Se o Obláblá vencer os dois primeiros já nem vale a pena esperar mais. Podem-se abrir as garrafas de champanhe à vitória do candidato “trans-pós-racial”, já que a partir daí será preciso um super milagre para salvar o McCain.
Como eu expliquei anteriormente as eleições presidenciais americanas são disputadas estado a estado. Cada estado nomeia delegados a um Colégio Eleitoral de 538 membros pelo que um candidato precisa de 270 delegados para vencer.
Quanto a mim o Obláblá já tem garantidos no saco 227 delegados. E tem outros 64 praticamente garantidos. Entre os estados que não estão garantidos contam-se a Florida, Virgínia e Pensilvânia. Tendo em conta que a Florida tem 27 delegados, a Virgínia 13 e a Pensilvânia 21 quando ouvirem os canais de televisão a dar a vitória a Obláblá nesses estados então podem ir dormir na certeza que se vai iniciar a era pós Bush com uma “descompressão” (como me dizia um diplomata) a nível internacional que contudo se vai transformar gradualmente em desilusão. Isto porque em política externa mesmo o Obláblá vai ter que tomar decisões que a malta daí desse lado do charco não vai gostar. Grandes poderes significam grandes responsabilidades, já dizia o Spiderman e quem não tem responsabilidades pode mandar pecos mas quando se tem que se assumir essas responsabilidades há muitas vezes que tomar medidas. E como em politica externa de super potência as escolhas geralmente não são entre o bom e o mau mas sim entre o mau e o pior é óbvio que mesmo o Obláblá vai desagradar a muita gente que está com a ideia que o dito cujo é um messias que vai por toda a malta em redor do mundo a cantar Grândola vila morena terra da fraternidade na versão iraniana, norte coreana e do Hamas e que vamos todos viver em felicidade da era pós Bush.
É uma nova era histórica que se abre. Sem dúvida. O país que muitos aí desse lado do charco acusam de super racista, onde a população negra é apenas 12 ou 13 por cento da população elege um candidato negro. É como ver a França a eleger um presidente com o nome de Barack Hussein Obama. Embora a França seja a terra da Egalité e fraternité … ça ce n’est pas possible. Os imigrantes lá sabem muito bem que o seu lugar é no gueto a queimar carros.
Dá para analisar. Fica para uma próxima ocasião. Entretanto abram as garrafas de champanhe para celebrar a vitória do Obláblá. Os Democratas vão também aumentar a representação no Congresso dando-lhes controlo total da legislatura e executivo. O que vai ser interessante. Tendo em conta a tendência dos Democratas para exagerarem eu espero que o Barack seja mesmo a versão americana em termos políticos do Tony Bláblá de Inglaterra. Caso contrário não quero nem pensar.

Abraços,
Da Capital do Império,


Jota Esse Erre

7 comentários:

L'emmerdeur disse...

“O país que muitos aí desse lado do charco acusam de super racista”

Ora, ora, balelas…Uma coisa que deste lado se sabe é que “É preciso que alguma coisa mude para que tudo fique na mesma”. Prepare o champagne e durma descansado.

Anónimo disse...

Barack Obama sósia do Tony Blair? Só se fosse antes do mega-crash!

Táxi Pluvioso disse...

Agora só falta, dentro de anos, o mais perto possível, para encher de efectivo orgulho os europeus, um casal alternativo na Casa Branca.

Luís Carlos Galvão disse...

o racismo subliminar dos comentários

L' emmerdeur disse...

Onde vê racismo nos comentários, meu caro?
Falemos de política, pode ser?
Acho que as pessoas estão com expectativas muito altas deste lado do Atlântico, muito emocionadas com a vitória de Obama. Wait and See!
Parabéns, Obama.

Táxi Pluvioso disse...

Tudo é racismo. Mesmo ver subliminares é racismo.

Anónimo disse...

A vitória do Obama- do seu programa, das suas convicções e ética- projecta o Mundo para a Revolução Democrática, mais trabalhada, mais estrutural e, sobretudo, de alto nível teórico e estratégico. BR