quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Enxobregas

Da Aroeira para a Costa de Caparica está projectada uma estrada (cujas obras terão começadp às escondidas!?).
Ao que parece, actualmente, a Câmara Municipal de Almada e o Instituto de Conservação da Natureza estão de acordo quanto à implementação do projecto. Todavia, há uns poucos anos atrás, a situação era diferente, tendo-se vencido a guerra contra tal crime ambiental.
Mas, agora, aí estão de novo os olhões da especulação imobiliária. Ávidos, como sempre.
Alinda-se a frente de mar da Costa de Caparica com o POLIS, contudo, a seu coberto, destrói-se uma das mais importantes áreas verdes da Área Metropolitana de Lisboa.
Não teremos de, mais uma vez, dizer NÃO?
Não temos tempo a perder.

Assim vai o mundo!



HORTAS DA COSTA DE CAPARICA

“Polas hortas d ´Enxobregas”
Nos falaste, ó Miranda,
De “rousinos asoviadores”. (1)

E pelas hortas da Costa
Eu te digo, Maria Emília,
(E a muitos outros),
Que não vai passar a pista
Que desejas, na tua visão,
De desenvolvimento sustentado.

Não, não vai ficar parado,
Isso te garanto eu,
O pessoal acordou.

Por lá não há rouxinóis
Mas há outra bicharada.
E couves, cenouras e nabos
E muitas outras plantinhas:
Umas já domesticadas
Outras reles, daninhas,
Que tu nem sequer conheces.

Mas eu à beira delas nasci. E cresci.
Mais longe, não foi por aqui.

Enquanto houver uma só cana ao vento
Não dormes, Maria Emília, em sossego.
Também nós não dormiremos:
Muitos já bem acordados,
Daremos as mãos, te asseguro,
Contra ventos e marés.

Não, não vais ganhar esta guerra.
Que vai ser dura, muito dura,
Mas não penses que ela vai ser
Como a do MST. (2)

A pista nem é largota
E é obra do (des)Governo.
Mas não vais estar ao lado
De qualquer pândego corta-fitas
Batendo palmas, contente,
Com o desenvolvimento sustentado.

Não vai haver infiltrados
Para estragar o estrugido
Nem outros feitos patetas.
Porque, se aparecer algum,
Logo será reconhecido.
E mandamo-lo assobiar
Como os rouxinóis de Enxobregas.

Rouxinóis de Enxobregas
Peço-vos, a sério, perdão,
Porque os vossos assobios
Nada têm de comum
Com os dos rouxinóis dos patetas.

Não, ninguém vai fugir de medo.

Meditando a pensar a perda e o ganho
Com o tempo acabamos por descobrir
Que valeu a pena não fugir:
Tu… aos trambolhões; eu… cá me amanho.

Amen.

Almerinda Teixeira
Costa da Caparica, praia da Cabana do Pescador, 21 de Julho de 2008

(1) Sá de Miranda – Carta a António Pereira, senhor de Basto, quando partiu para a corte.

Enxobregas: Xabregas, pois claro.

(2) Metropolitano ligeiro da margem sul do Tejo.

Sem comentários: