segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Está crítico, em todos os campos

Convém ter em mente que os tempos são de trazer as iras à flor da pele, mas que o relativismo dá lugar à política do vale tudo, à supra-valorização estética do indivíduo e a conotações atabalhoadas entre legalidades, valores morais e conceitos como o de bem e de mal (ou o de certo e errado).

Um destes dias, ouvia-se alguém da plataforma 15 de Outubro dizer (aos media, claro) que qualquer atitude ilegal fazia pouco sentido (no final deste vídeo), suponho que com o intuito de delinear bem a barreira entre os piratas da web e o seu núcleo de acção. Vejo esta submissão como um autêntico disparate e aconselha-se, pelo menos, que da próxima que repetirem uma frase destas, coloquem uma preposição a seguir, ou então subentende-se que continuarão a agir em cumprimento com as políticas deste (e de outros) governos, independentemente do tipo de medidas em questão, e apesar da responsabilidade que lhe atribuem.

Do outro lado da barricada temos gente a produzir frases com um tal teor de ódio que de imediato saltam para o espaço da notícia sensacionalista à la diário de notícias, não deixando por isso de ser alarmantes per si. Veja-se o caso deste comentário atribuído a um elemento da Acapor, destacado aqui, em que vem a pérola "esses animais precisam de ser punidos exemplarmente", referindo-se aos hackers, ao tugaleaks e outros que tais. Resta saber a que ele se refere "exactamente", quando usa a palavra "exemplarmente".

Agora vejamos uma outra bem mais controversa: o apresentador da BBC Jeremy Clarkson, em tom jocoso, proferiu as seguintes palavras em relação aos grevistas "Eles deviam ser abatidos. Deviam ser levados para a rua e ser executados à frente das famílias. Como é que eles se atrevem a fazer greve quando têm pensões asseguradas enquanto o resto de nós tem de trabalhar para viver?!" Agora os britânicos discutem como hão-de aceitar isto, se contrapondo a esta irritação alguma empatia e tolerando o tilt ou se partindo para alguma tese, como aconteceu com os tumultos do Verão. Um artigo que levanta uma série de hipóteses (e de comentários) no Guardian, aqui.

E para terminar, no mesmo tom alarmante que pretende apenas chamar a atenção para o nível de resposta que pode vir a ser exigido a quem fizer questão de preservar valores estruturais dos direitos humanos, como a tolerância, a caridade e a sanidade mental,  este glimpse da marcha nacionalista russa que teve lugar no princípio de Novembro, exaltando a ideia de uma Europa branca:

1 comentário:

André Carapinha disse...

E a coisa vai-se adensando:

http://www.dn.pt/inicio/economia/interior.aspx?content_id=2172241

Um dia destes o direito à greve é passado, com o aplauso de todos, em nome da "eficiência" e do "bom governo". Tenho andado a ler umas coisas sobre isto do "bom governo", um dos conceitos mais perigosos neste momento, e conto escrever algo em breve.