terça-feira, 8 de março de 2011

A manifestação de 12 de Março e o PCP (2)

Esta decisão do PCP em participar na manifestação também me fez matutar sobre a atitude que esse partido teve quando da recente manifestação anti-NATO. Nessa altura foi ver os comunistas a distinguir entre a "sua" manifestação e a "dos outros": "nada temos contra fazerem manifestações, mas façam-nas noutro sitio, não parasitem a nossa manifestação". Era muito engraçado ver este raciocínio agora aplicado à manifestação de 12 de Março.

3 comentários:

Táxi Pluvioso disse...

Espero que apareçam 100 mil, que é para no dia seguinte... estar tudo na mesma.

André Carapinha disse...

As coisas nunca ficam exactamente na mesma quando aparecem 100 mil. Especialmente numa coisa deste género, que não mete CGTPs e afins. Não quer dizer que obtenha os resultados que os mais entusiasmados almejam, mas é uma outra ilusão achar-se que fica tudo na mesma.

Anónimo disse...

ilusão é achar que juntar uns qtos mil, vejamos se chega a 100, tenho dúvidas, que prtestam contra não se sabe bem o quê, uns contra a justiça, outros contra os partidos, outros contra a falta de emprego, outros até contra o excesso de educação, ilusão, dizia, é achar que numa coisa deste género vai alguma coisa resultar.

Gostava que fossem todos a favor duma medida concreta, em vez de serem do contra tudo o que mexe e que está parado, fizessem uma só e singela proposta.

Veríamos quantos ficavam. O problema desta manifestação é que é só anti.

E enjoa, que depois de umas eleições em que o cavaco ganhou por maioria absoluta à primeira volta, venham agora indignar-se sabe se lá com o quê.

Não tenho nada contra os gritos de dor, mas prefiro os que tentam curar a doença, aos que gritam que muito lhes dói.