quarta-feira, 18 de agosto de 2010

O fogo

Eu adoro este país. Agora toda a gente descobriu de repente, que quase todos os incêndios são criminosos. A sério? E os outros anos todos, os anos 80, 90, 2003, 2005, não se lembraram disso? Nessa altura, quem o dissesse em voz alta era, no mínimo, apelidado de teorizador das conspirações, e o que nos explicavam, pacientemente, era para não fazer fogueiras na floresta, ter cuidado a assar bifanas no campo, ou não mandar beatas pelo vidro dos carros (a sério que sempre adorei a das beatas), já que a culpa era nossa, dos incures portugas. Bom, agora que já se pode dizer em voz alta o que toda a gente sempre soube, e milhares de hectares ardidos depois, talvez fosse altura de reinvestir na guarda florestal, em vez de mais uma tonelada de soluções mágicas.

2 comentários:

tugulês disse...

Eu também sempre achei montes de gracinha à das "beatas pelo vidro do carro". Talvez consiga ver alguém a mandar uma pirisca acesa através do vidro - não será antes pela janela aberta? - e igniçar um arraial de labaredas por montes e vales pejados de floresta suja, mal amanhada e sem cadastro. Que bom seria apanhar o incendiário e enfiar-lhe um tronco em chamas pelo cu acima até cuspir fogo como um dragão do lado das antas. Ou, já agora que estou no desemprego há mais de dez anos, chamarem-me para acabar com os incendiários que insistem em pôr este país a ferro e fogo - leia-se miséria! -
fechados em gabinetes, mas muito pedantes e cheios de grandes faladuras quando aparecem na televisão. O Horta é bufo, o Lima é sinistro, o Amândio está caquético, o Sócrates já mete nojo, o Laurentino é bimbo, o Villas Boas tem ar de quem gosta demasiado da pinga, o Pedro é betinho, o Roberto é um flop, os comentadores e analistas só pensam merda, o Aníbal é um pateta, etc, etc... e assim vai esta grandiosa e tão nobre pátria lusitana!

Táxi Pluvioso disse...

Para todos os problemas existem duas soluções: aumentar os impostos e proibir. O dinheiro resolve, e uma força policial robusta idem.