segunda-feira, 4 de julho de 2011

Automatic for the people

Agora, a estória é outra, a cara despudorada, a solidão imersa em carinho, as luzes, os néons, a supremacia inquieta de um beijo, a fuligem da língua, o sal nos teus olhos semicerrados. Cresce a aparência do horror, a putrefacta   fonte dos afectos balbuciando a carcomida prece da inveja e eu, no sétimo andar de um sétimo selo a enviar para a tua rotunda do amor. Traço a negro o olhar desmesurado, corro em direcção a Marte, sublinho a ausência de sentidos na respiração ofegante de um sorriso. Paro, escuto e olho a diatribe do tempo imundo. Há sarcasmo e cuspo na esfera do mundo. Calcorreio a nuvem colorida de Plutão em abrigos e dedadas sem fim. Agito-me na impostura do tempo. Sei que morro, mas quero um segundo de vitalidade. Pareço um elefante peripatético na carestia da contradança. Olhares singulares, doidos e aviões parecem dizer-me a quanta velocidade vais e resignar-me perante a estranheza das horas mortas e dos dias ensimesmados.  Lambo a língua e a gota de chuva, na relação directa das águas e dos silêncios. Agradeço-te a missiva ensolarada e cântaros de animais a pastar na atalaia do medo. O riso dos vermes afugenta a fuga e os pássaros a cantar dão-me insónias de dor na alma. Fresco, o caminho do arbusto mais leve na paisagem olorante e náufraga. Muitos acentos para pontuar na profissão de fé dos argonautas e corifeus do pensamento. As palavras tornam-se difíceis quando escritas em demasia porque a sinopse do labor deve estar remetida para as rotas do alvor. E mais reminiscências seriam necessárias compilar para sufragar no mundo as algas da exaustão. Pertenço-te na colónia infame e desatenta da vida. Bondes e eléctricos, é tudo a mesma coisa. Chama-se desejo, a isso. Trocas e tintas no armário dos afectos. Os trocos para a viagem, as tintas para a boca e as trocas de pares de sapatos para a evasão dos sentidos. Dizer-te que gosto da tua presença é pouco, é socorrer-me da ausência em que me encantas e sempre os ruídos a indagarem as tertúlias do vento. Hoje foi uma festa breve dos sentidos...

3 comentários:

asmodeux disse...

oje foi ....ou oje é

hontem fui

Festa Sem Sentidos disse...

1984 já foi

2084 inda não chegou

Banda in barbar disse...

isto também tá de férias...pois

os blogues do funcionalismo