terça-feira, 10 de julho de 2007

Vejo lábios, olhos, dentes

Se eu nunca disse que os teus dentes
São pérolas,
É porque são dentes.
Se eu nunca disse que os teus lábios
São corais,
É porque são lábios.
Se eu nunca disse que os teus olhos
São d´ónix, ou esmeralda ou safira,
É porque são olhos.
Pérolas e ónix e corais são coisas,
E coisas não sublimam coisas.
Eu, se algum dia com lugares-comuns
Houvesse de louvar-te,
Decerto que buscava na poesia,
Na paisagem, na música,
Imagens transcendentes
Dos olhos e dos lábios e dos dentes.
Mas crê, sinceramente crê,
Que todas as metáforas são pouco
Para dizer o que eu vejo,
E vejo lábios, olhos, dentes.

Reinaldo Ferreira

2 comentários:

Anónimo disse...

Como diz um amigo meu: "Há poemas... palavra de honra"

Ana Cristina Leonardo disse...

Isto é muito bom! E eu detesto pontos de exclamação.