terça-feira, 31 de julho de 2007

Universidade de Verão

Como o tempo flui…qual Proust avec esteróides. Pois é, aí está novamente, em Setembro, a incontornável ‘Universidade de Verão’, uma iniciativa conjunta dos Viggis e do British Bar, ou, como agora se diz, uma PPP. Parceria Público Privado. NOTA: O governo de José Sócrates reconheceu utilidade pública aos Viggis e, fiquem sabendo, está na calha a constituição de uma fundação. Não se riam, outras há que começaram com menos, e a FV vai arrancar com uma forte dotação moral, algum entusiasmo e 1 (um) Euro.
Veremos. Esta edição, como é de su timbre, contém um programa mínimo, de referência, desenrola-se irregularmente, pode mesmo não se realizar- já tem acontecido. Seja como for, o segmento ‘temas livres’ ancora o evento e resguarda-o da imprevisibilidade dos participantes.
Assim, o capítulo ivre vai ser dominado constitucionalmente pela readmissão, ou não, de Gomes da Silva. Outrora, inquestionado secretário-geral, sei lá, numa fase mais leninista, GS, recordam-se, foi consensualmente expulso dos Viggis. Dá-se o caso que o seu substituto só aguentou um Concerto do Mad Dog e Los Santeros, pelo que ou se arranja outro pretendente ou recupera-se o Gomes da Silva. Veremos.
O subtema África será, este ano, dedicado, no campo das personalidades, à eleição dos Grandes Moçambicanos- uma atenção especial a um bando significativo de frequentadores deste blogue, alguns dos quais, como se tem visto, descobriram muito recentemente que viveram numa “colónia”. Sapristi.
Em jeito de mote, aqui vão algumas sugestões: Roy (esta só o Armando atina), Zeca Russo, Gungunhana, Gigante de Manjacaze, talvez o maior, Graça Mandela, Jovem Chissano, Chissano Jovem, colectivo, o nosso favorito, Luis Filipe “Ché”, Ângela Chin, Baboori, Dillon Ginje, José Henrique Barros, Kassiamatos e Fredmatos, Nicos Burro, Mão de Galinha, Mondlane, Aquino, Eusébio, Palma Pinto, Malangatana e Rosa do Incomáti.
No campo das ideias, e dependendo da qualidade da erva, será dissecada a problemática questão dos combustíveis verdes e culturas de substituição-eu próprio tenho uma ou outra ideia sobre isto- e a muito actual dúvida: Guebuza é filho de Putin? Ou não se lhe reconhece esta progenitura?
Bom, mas esta é uma secção especializada. Nós vamos apostar no programa de referência e há para todas as sensibilidades. John Twelve para os mais cacimbados, Programa de António Costa para Lisboa, um golpe radical no anátema “Lisboa es la promesa nunca cumplida de um pasado mejor”, uma introdução a Gerald Durrell “My Family and Other Animals”e, esperamos que o FAR esteja disponível, uma panorâmica sobre Philippe Sollers. Não faltem.

JSP

3 comentários:

Unknown disse...

Guebuza filho de Putin?
Tema interessantissimo. talvez a Kinder, softer, gentler versao de Putin...

Anónimo disse...

Grande texto. Parabéns.

Anónimo disse...

é imperdoávél teres-te esquecido da Amélia do Broche das Lagoas