quinta-feira, 26 de julho de 2007

«Sin tetas no hay paraíso»

Como o “2+2” pretende, também, ser um canal educativo, suplectivo, diria o nosso amigo “Pratinho de Couratos”, cá vai um alvitre para os intervalos na ubérrima reflexão sobre os destroços do comunismo e o legado bem-pensante do consulado giscardiano.
A “Telecinco” vai transmitir, a partir de meados de Agosto, o formato colombiano “Sin tetas no hay paraíso”- 13 capítulos de 70 minutos.
Trata-se de uma adaptação à sociedade espanhola, pese a universalidade das tetas, da estória de uma jovem colombiana de classe média que, por amor, ingressa no mundo do narcotráfico e da prostituição de luxo, que é dizer, é uma grande mula.
Estejam descansados, pois o contratante, Alberto Carullo, director de Antena da Telecinco, garantiu, ao diário ABC, que “não será moralista, embora mantenha uma posição crítica”. Que é o que isso seja, “además, la serie lleva implícito un fuerte mensaje social que hace hincapié en la importancia de tomar decisiones adecuadas y actuar de acuerdo a unos valores universales”. Cá está, melhor, cá estão as tetas. Entre as tetas, dizemos nós, surge um grande momento ético: Passar os junkies a barrote ou matar o Marques Mendes? Figuradamente, claro, que nos apraz, confessamos, ver o gebo passar e gritar-lhe: Dead Man Walking.
A NBC também já adquiriu o formato e o consuno da marijuana ainda é ilegal.

JSP

1 comentário:

Anónimo disse...

No hay!