segunda-feira, 16 de julho de 2007

Inter... calares - Lisboa

O que resta de Lisboa está de férias ou não esteve para aí virada...

É o que eu sempre disse:
- Evito ir a Lisboa ao fim – de – semana... Aquilo parece deprimente. Não se vê ninguém pelas ruas. As lojas estão fechadas, não há praticamente cafés e quanto a restaurantes nada, nem pensar...

Ganhou quem tinha que ganhar porque isto é mesmo assim. Era escusada, é claro, aquela vergonha de arrebanhar as boas gentes de Famalicão, Cabeceiras de Basto e Alandroal, entre outras, exaurir os dinheiros do Partido em excursões – dinheiros que nos saem dos bolsos...
Cabe aqui uma pergunta: e onde é que andava a malta da JS?...
Ah, está bem.
Estavam num seminário de bufaria especializada, organizado pela MOSSAD...
Certo.
São as chamadas “novas oportunidades”...

Então, está bem: já que havia pouca malta disponível para dar ar de festa importaram-se uns quantos reformados (boa gente, claro...) dos sítios mais díspares e ala para Lisboa com promessa de excursão. Nem nos tempos da União Nacional... Lembram-se das manifestações a Salazar?... Tudo muito espontâneo.
Isto foi apenas um ensaio e, para a próxima, garanto-vos que não hão-de aparecer repórteres a armar ao pingarelho...

Um PR entrevistado pelos ‘media’ a tropeçar estrondosamente no Português e um PM a dar uma monumental ‘gaffe’.

A ‘pobressa’ chegou, caros amigos.

O pior é que traz um aparelho policial consigo: olhos, ouvidos e bocas dispostas a tudo.
A delação, a bufaria, a repressão...
Estejamos atentos.

Os lisboetas não votaram porque estavam de férias.

Os restantes é bom que fiquem atentos...

1 comentário:

Armando Rocheteau disse...

Fernando:
Gosto da tua escrita, mas não estou de acordo com as tuas análises políticas.
Se votasse em Lisboa o meu voto teria sido para António Costa. Ontem lancei foguetes.
Abraço

P.S. Não estou à vontade para defender o PS. Como sabes não sou militante, mas reconheço que é o partido que alargou, como diria MS, as fronteiras da minha liberdade.