domingo, 29 de julho de 2007

Durrruti sem esforço (1)

A decomposição do Imperialismo mundial na actualidade, sem apelo nem agravo, impõem-nos uma tomada de posição radical. Buenaventura Durruti, um dos heróis imortais do cerco de Madrid no Inverno de 1936 da Guerra Civil, lançou a gloriosa coluna indiciada sob o seu nome. Gesta exaltante que analisa deste modo iniciático: “A força principal da coluna (Durruti) reside na compreensão do sentido da luta. Os milicianos sabem porque se batem. Sentem que são autênticos revolucionários.
E não combatem com frases e palavras ocas. Não esperam que da Revolução venham leis e decretos, mas sabem que, com a vitória, terão a posse directa da terra, da fábrica, das oficinas, dos meios de transporte. É por isso que eles se batem. Isso obriga-nos a dizer que nós, na frente de guerra de Aragon, fazemos, ao mesmo tempo, a guerra e a revolução. Uma coisa é inseparável da outra; se nós as separássemos, matá-las-íamos a ambas, perderíamos a guerra, que não pode ganhar-se sem entusiasmo. Perderíamos, de igual modo, a revolução que não pode existir senão graças a uma constante prática revolucionária. Em cada aldeia conquistada por nós, os habitantes organizam a sua vida como uma comunidade de homens livres. Para nós, não há outra estratégia, para além desta. A mais pequena aldeia tem, para nós, um valor importante, porque aí vivem trabalhadores que têm o direito de realizarem a ideia pela qual lutaram toda a sua vida. Hoje, as circunstâncias exigem que se fale claramente, para que ninguém, fique com ilusões. As frases com duplo sentido devem ser deixadas para o uso exclusivo dos políticos e dos diplomatas. Nós somos revolucionários e declaramos que lutamos pela Revolução Social”.
In Abel Paz, O Povo em Armas, II vol., trad. Júlio Carrapato

FAR

4 comentários:

Ana Cristina Leonardo disse...

isto não é apropriado - de todo - à silly season

Anónimo disse...

Ana Cristina: Isto é uma infinitesimal provocação a todos os pescadores de águas turvas e escravos do pensamento mole. Capisco?!? Eu quero ser candidato a ir para a Praia do Meco ler Nietzche aos microfones frente às salsas ondas e corpos expostos. Quem quer participar?!? Vale? O Buenaventura Durruti é o maior revolucionário de todos os tempos, a sua gesta imortal e plena de desejo e erotismo. Guevara e o Carlos, ou Baader ou os coriféus da Primea Linea itliana, não lhe chegam aos calcanhares, de forma alguma e dêem as voltas que derem. FAR

Táxi Pluvioso disse...

Actualmente, a coluna do Durruti estaria inteirinha na bicha do casting para os “Morangos com Açúcar”. Manteriam atitudes revolucionárias, atirando cascas de laranja e embalagens vazias de Capri-Sonne uns aos outros, e fotografando as cuecas das raparigas com o telemóvel.

Piores dias virão!

Ana Cristina Leonardo disse...

Olá Táxi, acho que pior do que este calor é impossível.