sexta-feira, 20 de abril de 2007

A paranóia e os seus limites

Não é de espantar que os amigos se protejam. Nada melhor para desvalorizar a extrema-direita que fazê-la igual à "extrema-esquerda" (que, neste caso, é entendida como nada mais nada menos... que o PCP e o BE!). Aliás, o perigo dessa "extrema esquerda" para a democracia é ainda superior: é que estes tem votos, e os outros não (daí o perigo para a democracia, curioso, que vêm da legitamção democrática a que estes partidos se sujeitam).
Aqui há duas lógicas a convergir: por um lado, branqueia-se a extrema-direita: "também se aceita a extrema-esquerda, que até é representada no parlamento, e no fundo está integrada pela democracia, qual o problema de surgirem uns lunáticos do outro lado?"- esta é a lógica instrumental do argumento. Mas há também uma fobia subterrânea nestes senhores, que sentem tanto asco por tudo o que lhes cheire a "esquerda" que não se importam de desculpar os capangas que fazem os trabalhinhos sujos, assim como "devaneios da juventude".
Resta-lhes explicar, para que a comparação tenha o mínimo de honestidade intelectual, se os militantes do PCP e do BE andam armados; se participam em espancamentos daqueles que tem ideias, hábitos, ou simplesmente uma cor de pele diferente; se vivem numa lógica de violência e se sentem em estado de guerra; se têm treino militar; se utilizam actividades criminosas para se financiar.
E apetecia-me mudar o tom para explicar a alguns exaltados comentadores desse post a diferença entre "desobediência civil" - sim, a tal que faz parte do programa do campo de férias da juventude do BE - e violência. Que a "desobediência civil" é a resistência pacífica, e mesmo passiva, a uma autoridade que se contesta. Que foi o Gandhi que a inventou. Mas valerá a pena explicar estas coisas a certas alminhas atacadas da paranóia esquerdofóbica?
E apetecia-me mudar ainda mais o tom para perguntar a certos mentirosos cuja patologia ultrapassa em muito a paranóia onde é que eles viram essa "violência dos okupas" contra os pacatos cidadãos? Em frente de casa ocupada é que é inseguro passear? Porque razão é que, repetidamente, os habitantes dos bairros onde existem casas ocupadas se colocam do lado dos okupas contra os despejos destes?

1 comentário:

Táxi Pluvioso disse...

Quem inventou a "desobediência" foi a Eva, que depois se tornou "civil", quando ela e Adão vestiram as roupas. Mais perto do nosso tempo, o conceito vem de Henry David Thoreau, em 1849, muito antes do assexuado Ghandi.

Vou pensar numa resposta às perguntas.