terça-feira, 3 de abril de 2012

The End

Quem segue este blogue, e sei que são alguns, não pôde deixar de reparar na ausência de produção destas últimas semanas. A verdade é que outros afazeres, projectos que temos em mãos, e também, confessemo-lo, algum desinteresse, acabam por tornar inevitável esta decisão: está na hora de terminar.
É certo que não é a primeira vez que isto acontece; mas quer-me parecer que agora será mesmo de vez. Por isso, apetece-me fazer um balanço, já saudoso e de lagriminha ao canto do olho, sobre esta aventura que começou no verão do já distante 2005, depois de umas conversas alcoolizadas no Cais do Sodré, entre mim, o Armando Rocheteau, o João Carapinha, meu pai, e o Luis Palácios: "Vamos fazer um blogue"!
No princípio foi a extraordinária sinergia entre este que humildemente vos escreve, com as suas divagações político-teóricas, o Armando e as suas embirrações, o António Oliveira sempre em cima da agenda, o talento da Ivone Ralha, discussões infindáveis na caixa de comentários que terminavam tantas vezes em jantares regados na Palhota, um estranho Frade de Alvalade, os "Diálogos do Cais do Sodré" com o nosso saudoso TZA, o não menos saudoso Zé Maria que era mais que um comentador. Para mim, os melhores momentos do blogue.
Mais tarde, o Fernando Almeida Ribeiro, esse nosso inesquecível FAR, a teoria político-literária a entrar a mata-cavalos, artigos traduzidos de todas as revistas burguesas em modus operandi revolucionário-Castoriadis; os movimentos anti e pró-FAR; as primeiras chatices a sério, e as primeiras dissidências. Foi divertido, mas também deixou marcas, ou isto de ter um blogue eram só coisas boas? Também a Gabriela e a melancolia, o Fernando Rebelo e a poesia, o Pinto Sá a chatear o Guebuza (engraçado isso de ter visitas da secreta moçambicana), o Manuel Neves a arrumar os "liberais". Eramos um grupo giro e heterodoxo, mas a separação era inevitável, como naqueles amores demasiado intensos.
Depois, as magníficas colaborações do Fernando Mora Ramos, do Jota Esse Erre, do JSP. Gente que sabe escrever, e que o fez, orgulho-me tanto disso, aqui no 2+2=5.
Também por aqui andou uma mosca na sopa. Há coisas que eu não perdoo, e nunca perdoarei. Essa é uma delas. Foi a fase da peixeirada, a única da qual não guardo saudades, mas aprende-se com tudo. Ao menos serviu para testar os meus limites, sei que demasiadas vezes perdi as estribeiras. Aprendi com isso.
Nesta última fase, os resistentes Maturino, Santimano, João de Azevedo; o Luiz Inácio verrinoso; a Laura Nadar e o seu extraordinário olho para a imagem; dois óptimos bloggers em potência, cuja aventura terminará talvez cedo demais: o António Bizarro e o Tiago Sousa.
Todos os outros, os que estão ali, na coluna da direita, mas não foram mencionados neste post, foram também autores de momentos magníficos que fizeram o blogue (mesmo a mosca na sopa, pronto, antes de se tornar mosca na sopa). Perdoem-me se não os destaquei aqui, mas não podia falar de todos, não é?
Um balanço? Como disse uma vez o Armando numa das suas despedidas, fiz amigos e perdi amigos (felizmente fiz muitos mais do que os que perdi). Escrevi muito, desenvolvi-me muito na escrita, refinei muitas ideias, evoluí intelectualmente e como pessoa, aprendi sobretudo muito; foi, em 99% dos momentos, um grande, grande, prazer. Mesmo os outros 1% valeram a pena.
Até sempre camaradas!