sexta-feira, 25 de junho de 2010

Dez meses sem Biblioteca Nacional...


Petição Contra o Encerramento da BNP 

No passado dia 8 de Junho de 2010 a direcção da Biblioteca Nacional de Portugal [BNP] anunciou que os serviços de Leitura Geral da Biblioteca encerrarão durante dez meses (de 15-11-2010 a 01-09-2011) e os Reservados durante cinco meses (01-04-2011 a 01-09-2011). Como cidadãos e utilizadores da BNP, embora conscientes das inequívocas vantagens inerentes à ampliação do edifício de depósitos da biblioteca, consideramos o planeamento dos trabalhos estipulado inaceitável e solicitamos que seja repensado.
O encerramento durante quase um ano de uma instituição que detém colecções sem alternativas (Secção de Reservados, espólios do Arquivo de Cultura Portuguesa Contemporânea, Secção de Periódicos por exemplo) é incompatível com o prosseguimento da actividade científica de largas dezenas de estudantes e investigadores que necessitam desse material.

A indisponibilização dos acervos da BNP comprometerá a viabilização de projectos em curso, muitos deles com financiamento do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior ou de outras instituições, e porá em causa o cumprimento de calendários e compromissos académicos estabelecidos. O encerramento de uma instituição como a Biblioteca Nacional teria, no mínimo, que ser publicamente comunicado com um ano de antecedência para que as várias partes envolvidas (universidades, instituições de financiamento, estudantes, investigadores) pudessem planear o seu trabalho em função desses dados. É inadmissível que uma determinação deste género seja comunicada apenas com cinco meses de antecedência.

Por outro lado, acreditamos que seja possível levar a cabo os trabalhos de transferência dos fundos de forma faseada, de modo a evitar um encerramento integral tão longo. Independentemente de existirem outras bibliotecas com Depósito Legal, é do conhecimento geral que para uma parte substancial do acervo bibliográfico e documental da BNP não existem alternativas nem em Lisboa nem em nenhuma outra biblioteca ou arquivo do país. Pelo que é absolutamente incompreensível que se proponha que este acervo único permaneça inacessível durante 10 meses.

Solicitamos pois que se proceda a uma reconsideração do plano de transferência, no sentido de:
1) se atrasar o encerramento da BNP para depois de Junho de 2011, para dar um mínimo de um ano de antecedência ao anúncio
2) fasear os trabalhos de modo a reduzir o tempo de encerramento integral dos referidos núcleos da BNP.

Não deixe de assinar aqui. Via Entre as Brumas da Memória.

4 comentários:

Táxi Pluvioso disse...

"Actividade científica"??? em Portugal? não há cientistas em Portugal, apenas uns marmanjos inúteis - viu-se alguns no funeral de Saramago pra botar cultura - que não dão duas para a caixa, e confundem vaidade com erudição.

Hoje Portugal vai esmagar o poderoso Brasil, o povo com melhor boca para a vuvuzela vai fazer História para esses tais de cientistas cientificarem.

André Carapinha disse...

Tendo ou não actividade científica, o certo é que vai prejudicar muita gente. Por exemplo, a mim, por uma unha negra não me vai impedir o acesso ao Cícero e ao Séneca, que só há lá no acervo geral, e de que preciso para sabe-se lá o quê, se é ciência, ou cultura ou filosofia ou whatsoever,

bibliotecário disse...

Ó Táxi Pluvioso... então não há cientistas na Tugulândia? As maiores e mais recentes façanhas científicas operadas por cérebros lusos foram o heróico e suado empate da seleção do futebol frente ao Brasil e a tremenda e violenta carga da bófia sobre os adeptos brasileiros no parque das nações em Lisboa já no fim do jogo.
Acções altamente estudadas e desenvolvidas em laboratórios tacanhos e fortemente apetrechados de bimbalhada. Nem a uns nem a outros fazem falta bibliotecas. É que quanto menos souberem sobre essa coisa da ciência mais cegos e irracionais serão na obediência aos sequazes do roubo, da chulice e do "quero-posso-e-mando". E viva Portugal!!!

Táxi Pluvioso disse...

É, é mesmo whatsoever, não é filosofia, não é ciência, nem muito menos é cultura...

No caso da bófia, aí sim! há cultura, filosofia e ciência, é a única profissão de futuro pra jovens lusos com a 4ª classe e ambiciosos.

E, graças ao nosso mister, sem mister não somos nada, agora, vamos esmagar a poderosa selecção espanhola. Obrigado, obrigado Salazar que nos deste o chão filosófico (lusitana filosofia) que pisamos...