domingo, 11 de janeiro de 2009

Um Imenso Adeus

Termino com este post a minha participação aqui.
Diverti-me muito nestes meus três anos de blogosfera, quer a fazer isto, quer a visitar os blogues que constam da nossa lista. Fiz novos amigos, reencontrei velhos amigos e, para ser verdadeiro, também perdi amigos.
Agradeço aos que colaboraram neste projecto colectivo. Agradeço a quem nos linkou e a quem nos visitou.
Não vou apagar o blogue. Tenciono continuar a clicar nos links que temos. Publicarei ainda partes do vídeo do concerto do 10º Aniversário de Los Santeros. O André ficou com a tarefa de republicar os melhores posts que por cá apareceram. Tomei esta decisão ontem no jantar comemorativo dos 60 anos do João Carapinha. Foi com eles, André e João, que esta coisa começou.
Não tenho jeito para dizer mais.

Beijinhos e abraços

sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Letra para um blues

DJOM PÓ-DI-PILOM


Mi própi qu’ê Djom,
Djom Pó-di-Pilom,
qu’ê dono di tchom,
tamanho, largom,
co midjo, rolom,
mandioca, fijom,
batata, mamom,
barnela, cimbrom
co pé di polom!

Mi própi qu’ê Djom,
Djom Pó-di-Pilom,
fadjado, roscom!
Casa, quintalom,
co pato, pintom,
galinha, frangom,
tchiquêro, litom
co roda fogom,
co tcheu calderom
ê‘Nhor Deus qui pô!

Mi própi qu’ê Djom,
Djom Pó-di-Pilom,
qui djunta tistom
contado na mom,
tó qu´intchi cerom,
saco, garrafom,
caxa papelom
co três balaiom,
pa mi co nh’irmom!

Mi própi qu´ê Djom,
Djom Pó-di-Pilom,
fadjado, roscom,
qu´ê dono tchom,
qui tem tcheu tistom
má qui ca ladrom!

Jorge Pedro Barbosa. 1958

(Poema musicado por Mad Dog & Los Santeros)

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

10º aniversário de Los Santeros

Concerto na sexta-feira, 9 de Janeiro, às 22:00h, no Alburrica Bar - Barreiro


10 anos "bêbados, a cuspir e a tocar tudo menos música"!!!


Grandioso concerto de Los Santeros com milhões de convidados especiais. Foi no dia 9 de Janeiro de 1999 que A Banda tocou pela primeira vez em Portugal, curiosamente no Barreiro. Dez anos depois, abençoados pela passagem destes verdadeiros colossos do Black-Blues, Death-Rock, Novo-Riquismo-Mariachi e Surf Pontilhista, teremos uma noite memorável, se todos tiverem juízo.


Mad Dog associa-se ao evento homenageando La Santeria com o seu Cabo Verde Blues

Sinais


Desenho Maturino Galvão

Perú (10)




Lima. 2008

Fotos Joana Ralha

segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

Como engordar os obesos

A obesidade financeira passa por não ser doença. Bem vistas as coisas talvez seja, porque também ela se constrói por toxicidade acumulada. Como a original, hambúrguer/ketechupe e pipocas, viabiliza uma meteórica ascensão ao porcino triunfo. Diversa, a Ob. do tipo financeiro, é completamente SPA: banho turco com esguicho escocês pela frente e nas costas altas.
Entretanto a OBFIN (léxico dos paraísos fiscais) é identicamente mórbida como a Ob. proteica. Não da morbidez da toxicidade específica do dinheiro, mas daquela da finta ao fisco e outras magias tácticas, próprias da toxicidade específica dos processos de adquiri-lo, e também daquela, mais específica ainda, que é a do dinheiro falso que, como se sabe, é de dois tipos: o contrafeito a gosto e o dos outros que é nosso, jogado no Casino global em sede de virtude própria. Quem pode dizer agora que Dona Branca não era de imaculada seriedade gestora?
A gestão – sempre se soube que a dos proventos e suor alheios faz as fortunas -, é a via mais frequente do sucesso e acontece aos falsos magros. Por exemplo, o muito a pulso Dr. Oliveira e Costa é um falso magro, de tal modo que a sua receita para a obesidade financeira atraiu muitos outros também falsos magros, como o insuspeito Dr. Loureiro que todos os santos protegem, mesmo os laicos.
É também óbvio que os falsos magros da Opus deles, banqueiros e peregrinadores a Rolls-Royce – não as do pecado para arrependimento catártico, o recurso a São Viagra remete a traição para a intangibilidade da química –, também são obesos financeiros, mas neste caso, fazem mais facilmente o papel de criaturas morais porque, vá-se lá a saber como, são eles que ditam a lei da moralidade que baseia o tal poder independente da justiça idêntico ao poder dependente da justiça. E dependente de quem? Da hidra, de rosto multiforme e sucessivo poder global com delegados locais, cabecitas anãs da serpente.
Como se sabe juiz em causa própria é hoje a regra e receita. Para tal vende-se a mentira mantida fresca na rede de frio espectacular enquanto o facto novo necessitar de se impor (reputações de seriedade, por exemplo) até à saturação – aí já ninguém lhe resiste. Os ecrãs privados públicos e públicos privados cumprem as ordens de quem, de cima, não necessita de as exibir. Não há aliás mecanismo de exposição crua da verdade que sobreviva às camadas de publicidade ideológica cuja potência de branqueamento do ilícito jogado são a regra, o que estrutura o sistema, dos bancos ao governo, das empresas ao governo, das empresas aos bancos, do publico ao privado e das polícias à própria lei e parlamentos. A rede tece as suas malhas de modo multipolar e não necessita de um centro. Os centros são plurais, plutocratas e igualmente mafio-democráticos. Todos nós conhecemos o modo como os gangs geram e gerem os seus territórios lucrativos. O ponto a que chegámos torna indistinta a fronteira entre os verdadeiros e os supostamente virtuosos. De acordo com a lei de facto, a do poder no presente e do presente, obviamente que todos os que mexem com dinheiro ungido por um qualquer baptismo legal são virtuosos, tanto os do tráfico da cocaína, como os do tráfico do dinheiro especulado. A virtude compra-se como qualquer outro produto e compra-se obviamente nas lojas do Estado – o Estado, é a especialidade dos tribunais e das polícias, vende virtude(s) a preços obviamente proibitivos para as pessoas comuns, há cauções que são quase Pibes –, nessas que ainda jogam algum poder. Alguma dúvida? De Porto Rico ao Iraque só não vê quem não tira a cabeça da areia por amor do ilógico e do breu.
Em síntese: tudo como a fruta calibrada, custa mais que a outra e é legal. Mas de facto é feita de ração para maçã e é muito mais bela do que a verdadeira. Quem não lhe corre atrás? Os obesos financeiros - falsos magros, são como estas maçãs, cheios de virtude por fora e fedem por dentro, não do bicho mas da química de casta.
A fim e ao cabo coitados, de tão obesos, aos falsos magros há que engordar. É o que faz quem manda seguindo o alto espírito laico da caridade igualitária. E secretamente, a alma do negócio, com o ruído necessário à diversão táctica em fundo, mesmo na face.


Fernando Mora Ramos

Ainda o Novo México (9)


Nuvens.

Foto Jota Esse Erre

domingo, 4 de janeiro de 2009

Sinais


Desenho Maturino Galvão

Em viagem de férias (19)


Nova pintura/T.Magnusson. 2008


Foto Sérgio Santimano

"A grande explicação desse emaranhado"

O estrangeiro, um empresário ocidental, sentou-se ao meu lado durante um almoço da Asia Society em Hong Kong e me fez uma pergunta que, digo honestamente, jamais tinha sido feita até então: “Até que ponto a América está corrompida?” A pergunta veio a propósito da prisão do gestor de recursos e investidor Bernard Madoff, acusado de dirigir um chamado esquema Ponzi que lesou investidores em bilhões de dólares, mas não foi só por isso.

É toda essa maldita confusão que se verificou em Wall Street - o centro financeiro que os financistas de Hong Kong sempre admiraram. E eles se perguntam como nomes de marca do porte de um Bear Stearns, Lehman Brothers e AIG puderam acabar com os pés na lama? Onde, eles perguntam, estava a nossa Comissão de Valores Mobiliários e os rígidos padrões que nós pregamos para eles durante todos estes anos? Um dos mais respeitados banqueiros de Hong Kong, que pediu para não ser identificado, disse-me que a empresa de investimento americana onde trabalha fez fortuna na última década colocando ordem em bancos asiáticos enfermos. E isso foi feito importando as melhores práticas americanas, particularmente o princípio do “conheça o seu cliente” e os rígidos controles de risco. Mas agora, ele perguntou, para onde olhar em busca de uma liderança exemplar? “Antes havia os EUA”, disse ele. Supunha-se que os investidores americanos tinham um conhecimento melhor e agora o próprio país está em dificuldades. Para quem vão vender seus bancos? É difícil para a América adotar os próprios remédios prescritos com sucesso para outros. Já não há mais médicos. O próprio médico está doente.

Não simpatizo com Madoff. Mas o fato é que o seu alegado esquema Ponzi foi apenas ligeiramente mais vergonhoso do que o esquema “legal” que Wall Street conduziu, alimentado pelo crédito barato, parâmetros medíocres e uma enorme ganância. Que nome dar para o fato de se dar a um trabalhador que ganha US$14 mil por ano uma hipoteca sem entrada e sem prestação por dois anos, para comprar uma casa de US$750 mil e depois transformar essa hipoteca em bônus - que a Mooddy’ s ou a Standard & Poors classificam como títulos AAA - vendendo-os depois para bancos e fundos de pensão pelo mundo todo? Era isso o que o nosso setor financeiro estava fazendo. Se não se trata de um esquema de pirâmide, então o que é? Longe de estar fundamentado nas melhores práticas, este esquema Ponzi legal teve por base os corretores hipotecários, pacotes de bônus, as agências de classificação, os vendedores de títulos e os proprietários de imóveis, todos trabalhando segundo o princípio IBG (“I’ll be gone” - já terei partido) quando os pagamentos vencerem ou a hipoteca tiver de ser renegociada.

É revelador e deprimente observar a nossa crise bancária a partir da China. É difícil evitar a conclusão de que Estados Unidos e China estão se tornando dois países e um único sistema.

Como assim? Fácil: diante do enorme pacote de ajuda aos bancos, pode-se agora olhar para os dois e dizer: “Bem, a China tem um enorme setor bancário estatal ao lado de um privado e os EUA hoje têm um enorme setor bancário estatal ao lado de um privado. A China tem grandes setores estatais, juntamente com setores privados e, tão logo Washington preste sua ajuda financeira a Detroit, os EUA terão um enorme setor estatal ao lado de setores privados.

Pode parecer exagero, mas a verdade é que as diferenças começam a ficar menos claras. Por duas décadas, autoridades americanas desfilaram por Pequim, pregando sobre a necessidade de a China privatizar bancos, disse Qu Hongbin, economista chefe do HSBC na China. “Assim, lentamente nós assim o fizemos, e agora, repentinamente, vemos todo mundo nacionalizando os seus bancos”.

É deprimente porque a China, sob vários aspectos, sente-se mais estável do que os EUA hoje, com uma estratégia mais clara para superar a crise. E embora os dois países pareçam mais semelhantes, também parecem estar em trajetórias muito diferentes. Enquanto o capitalismo salvou a China, o fim do comunismo parece ter perturbado os EUA que perdeu os dois maiores concorrentes ideológicos : Pequim e Moscou. Quando o capitalismo americano não precisou mais se preocupar com o comunismo, parece ter enlouquecido.

Os bancos de investimento e os fundos de hedge se endividaram em níveis insanos, pagando para si mesmos salários absurdos e inventando instrumentos financeiros que desconectaram os credores dos tomadores de empréstimos, sem nenhum responsável. É por isso que não precisamos de um pacote de ajuda financeira; precisamos de uma ajuda ética, restabelecer o equilíbrio básico entre nossos mercados.

Thomas Friedman, THE NEW YORK TIMES

Com a devida vénia ao Ladrões de Bicicletas

quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

Perú (9)




Trujillo. 2008

Fotos Joana Ralha

POEMA

Mil países que

yo no conozco,

mil estrellas y

túneles,

mil países y pueblos,

mil y un puentes

incontables.

Desconocido país:

en tus puertas ya

me siento torturado,

en tu boca ya me

siento masticado,

en tus ríos ya

me siento ahora

y siempre y nunca

ahogado.


JAVIER HERAUD

POESÍAS COMPLETAS Y HOMENAJE. Lima: Ediciones de La Rama Florida, 1964

Sinais


Desenho Maturino Galvão