quinta-feira, 31 de janeiro de 2008

Uma vez desertei
fiz-me todo de areia e esperei.

Grãos de areia eram meus olhos
e ansiavam um mar,
outros olhos.

Senti-me deserto
desperto a reflorir
em rosas, em dunas , recantos a descobrir.

Imensidão ensolarada,
grito laranja.

Desertei.
Sou quem não sei.

Sacode-me um vento com reflexos dourados.

No deserto cada uma se sente tão perto
que, num instante, encontra todas as palavras...

Sinais


Desenho Maturino Galvão

Os vinte e nove Sonetos de Amor de Étienne de La Boétie (5)

Soneto V

J´ai vu ses yeux perçants, j´ai vu sa face claire;

Nul jamais, dans son dam, ne regarde les dieux :

Froid, sans coeur me laissa son oeil victorieux,

Tout étourdi du coup de sa forte lumière.


Comme un surpris de nuit aux champs, quand il éclaire,

Étonné, se pâlit, si la flèche des cieux ,

Sifflant, lui passe contre et lui serre les yeux ;

Il tremble et voit, transi, Jupiter en colère.


Dis-moi, Madame, au vrai, dis-moi si tes yeux verts

Ne sont pas ceux qu´on dit que l ´Amour tient couverts?

Tu les avais, je crois, la fois que j´ai t´ai vue;


Au moins il me souvient qu´il me fut lors avis

Qu´Amour, tout à un coup, quand premier je te vis,

Débanda dessus moi et son arc et sa vue.



FAR

VII Encontros de Fotografia Africana (2)


Bamako. Mali. Nov./Dez. 2007

Foto Sérgio Santimano

Why Socialism?

Is it advisable for one who is not an expert on economic and social issues to express views on the subject of socialism? I believe for a number of reasons that it is.
Let us first consider the question from the point of view of scientific knowledge. It might appear that there are no essential methodological differences between astronomy and economics: scientists in both fields attempt to discover laws of general acceptability for a circumscribed group of phenomena in order to make the interconnection of these phenomena as clearly understandable as possible. But in reality such methodological differences do exist. The discovery of general laws in the field of economics is made difficult by the circumstance that observed economic phenomena are often affected by many factors which are very hard to evaluate separately. In addition, the experience which has accumulated since the beginning of the so-called civilized period of human history has—as is well known—been largely influenced and limited by causes which are by no means exclusively economic in nature. For example, most of the major states of history owed their existence to conquest. The conquering peoples established themselves, legally and economically, as the privileged class of the conquered country. They seized for themselves a monopoly of the land ownership and appointed a priesthood from among their own ranks. The priests, in control of education, made the class division of society into a permanent institution and created a system of values by which the people were thenceforth, to a large extent unconsciously, guided in their social behavior.
But historic tradition is, so to speak, of yesterday; nowhere have we really overcome what Thorstein Veblen called "the predatory phase" of human development. The observable economic facts belong to that phase and even such laws as we can derive from them are not applicable to other phases. Since the real purpose of socialism is precisely to overcome and advance beyond the predatory phase of human development, economic science in its present state can throw little light on the socialist society of the future.
Second, socialism is directed towards a social-ethical end. Science, however, cannot create ends and, even less, instill them in human beings; science, at most, can supply the means by which to attain certain ends. But the ends themselves are conceived by personalities with lofty ethical ideals and—if these ends are not stillborn, but vital and vigorous—are adopted and carried forward by those many human beings who, half unconsciously, determine the slow evolution of society.
For these reasons, we should be on our guard not to overestimate science and scientific methods when it is a question of human problems; and we should not assume that experts are the only ones who have a right to express themselves on questions affecting the organization of society.
Innumerable voices have been asserting for some time now that human society is passing through a crisis, that its stability has been gravely shattered. It is characteristic of such a situation that individuals feel indifferent or even hostile toward the group, small or large, to which they belong. In order to illustrate my meaning, let me record here a personal experience. I recently discussed with an intelligent and well-disposed man the threat of another war, which in my opinion would seriously endanger the existence of mankind, and I remarked that only a supra-national organization would offer protection from that danger. Thereupon my visitor, very calmly and coolly, said to me: "Why are you so deeply opposed to the disappearance of the human race?"
I am sure that as little as a century ago no one would have so lightly made a statement of this kind. It is the statement of a man who has striven in vain to attain an equilibrium within himself and has more or less lost hope of succeeding. It is the expression of a painful solitude and isolation from which so many people are suffering in these days. What is the cause? Is there a way out?
It is easy to raise such questions, but difficult to answer them with any degree of assurance. I must try, however, as best I can, although I am very conscious of the fact that our feelings and strivings are often contradictory and obscure and that they cannot be expressed in easy and simple formulas.
Man is, at one and the same time, a solitary being and a social being. As a solitary being, he attempts to protect his own existence and that of those who are closest to him, to satisfy his personal desires, and to develop his innate abilities. As a social being, he seeks to gain the recognition and affection of his fellow human beings, to share in their pleasures, to comfort them in their sorrows, and to improve their conditions of life. Only the existence of these varied, frequently conflicting, strivings accounts for the special character of a man, and their specific combination determines the extent to which an individual can achieve an inner equilibrium and can contribute to the well-being of society. It is quite possible that the relative strength of these two drives is, in the main, fixed by inheritance. But the personality that finally emerges is largely formed by the environment in which a man happens to find himself during his development, by the structure of the society in which he grows up, by the tradition of that society, and by its appraisal of particular types of behavior. The abstract concept "society" means to the individual human being the sum total of his direct and indirect relations to his contemporaries and to all the people of earlier generations. The individual is able to think, feel, strive, and work by himself; but he depends so much upon society—in his physical, intellectual, and emotional existence—that it is impossible to think of him, or to understand him, outside the framework of society. It is "society" which provides man with food, clothing, a home, the tools of work, language, the forms of thought, and most of the content of thought; his life is made possible through the labor and the accomplishments of the many millions past and present who are all hidden behind the small word “society.”
It is evident, therefore, that the dependence of the individual upon society is a fact of nature which cannot be abolished—just as in the case of ants and bees. However, while the whole life process of ants and bees is fixed down to the smallest detail by rigid, hereditary instincts, the social pattern and interrelationships of human beings are very variable and susceptible to change. Memory, the capacity to make new combinations, the gift of oral communication have made possible developments among human being which are not dictated by biological necessities. Such developments manifest themselves in traditions, institutions, and organizations; in literature; in scientific and engineering accomplishments; in works of art. This explains how it happens that, in a certain sense, man can influence his life through his own conduct, and that in this process conscious thinking and wanting can play a part.
Man acquires at birth, through heredity, a biological constitution which we must consider fixed and unalterable, including the natural urges which are characteristic of the human species. In addition, during his lifetime, he acquires a cultural constitution which he adopts from society through communication and through many other types of influences. It is this cultural constitution which, with the passage of time, is subject to change and which determines to a very large extent the relationship between the individual and society. Modern anthropology has taught us, through comparative investigation of so-called primitive cultures, that the social behavior of human beings may differ greatly, depending upon prevailing cultural patterns and the types of organization which predominate in society. It is on this that those who are striving to improve the lot of man may ground their hopes: human beings are not condemned, because of their biological constitution, to annihilate each other or to be at the mercy of a cruel, self-inflicted fate.
If we ask ourselves how the structure of society and the cultural attitude of man should be changed in order to make human life as satisfying as possible, we should constantly be conscious of the fact that there are certain conditions which we are unable to modify. As mentioned before, the biological nature of man is, for all practical purposes, not subject to change. Furthermore, technological and demographic developments of the last few centuries have created conditions which are here to stay. In relatively densely settled populations with the goods which are indispensable to their continued existence, an extreme division of labor and a highly-centralized productive apparatus are absolutely necessary. The time—which, looking back, seems so idyllic—is gone forever when individuals or relatively small groups could be completely self-sufficient. It is only a slight exaggeration to say that mankind constitutes even now a planetary community of production and consumption.
I have now reached the point where I may indicate briefly what to me constitutes the essence of the crisis of our time. It concerns the relationship of the individual to society. The individual has become more conscious than ever of his dependence upon society. But he does not experience this dependence as a positive asset, as an organic tie, as a protective force, but rather as a threat to his natural rights, or even to his economic existence. Moreover, his position in society is such that the egotistical drives of his make-up are constantly being accentuated, while his social drives, which are by nature weaker, progressively deteriorate. All human beings, whatever their position in society, are suffering from this process of deterioration. Unknowingly prisoners of their own egotism, they feel insecure, lonely, and deprived of the naive, simple, and unsophisticated enjoyment of life. Man can find meaning in life, short and perilous as it is, only through devoting himself to society.
The economic anarchy of capitalist society as it exists today is, in my opinion, the real source of the evil. We see before us a huge community of producers the members of which are unceasingly striving to deprive each other of the fruits of their collective labor—not by force, but on the whole in faithful compliance with legally established rules. In this respect, it is important to realize that the means of production—that is to say, the entire productive capacity that is needed for producing consumer goods as well as additional capital goods—may legally be, and for the most part are, the private property of individuals.
For the sake of simplicity, in the discussion that follows I shall call “workers” all those who do not share in the ownership of the means of production—although this does not quite correspond to the customary use of the term. The owner of the means of production is in a position to purchase the labor power of the worker. By using the means of production, the worker produces new goods which become the property of the capitalist. The essential point about this process is the relation between what the worker produces and what he is paid, both measured in terms of real value. Insofar as the labor contract is “free,” what the worker receives is determined not by the real value of the goods he produces, but by his minimum needs and by the capitalists' requirements for labor power in relation to the number of workers competing for jobs. It is important to understand that even in theory the payment of the worker is not determined by the value of his product.
Private capital tends to become concentrated in few hands, partly because of competition among the capitalists, and partly because technological development and the increasing division of labor encourage the formation of larger units of production at the expense of smaller ones. The result of these developments is an oligarchy of private capital the enormous power of which cannot be effectively checked even by a democratically organized political society. This is true since the members of legislative bodies are selected by political parties, largely financed or otherwise influenced by private capitalists who, for all practical purposes, separate the electorate from the legislature. The consequence is that the representatives of the people do not in fact sufficiently protect the interests of the underprivileged sections of the population. Moreover, under existing conditions, private capitalists inevitably control, directly or indirectly, the main sources of information (press, radio, education). It is thus extremely difficult, and indeed in most cases quite impossible, for the individual citizen to come to objective conclusions and to make intelligent use of his political rights.
The situation prevailing in an economy based on the private ownership of capital is thus characterized by two main principles: first, means of production (capital) are privately owned and the owners dispose of them as they see fit; second, the labor contract is free. Of course, there is no such thing as a pure capitalist society in this sense. In particular, it should be noted that the workers, through long and bitter political struggles, have succeeded in securing a somewhat improved form of the “free labor contract” for certain categories of workers. But taken as a whole, the present day economy does not differ much from “pure” capitalism.
Production is carried on for profit, not for use. There is no provision that all those able and willing to work will always be in a position to find employment; an “army of unemployed” almost always exists. The worker is constantly in fear of losing his job. Since unemployed and poorly paid workers do not provide a profitable market, the production of consumers' goods is restricted, and great hardship is the consequence. Technological progress frequently results in more unemployment rather than in an easing of the burden of work for all. The profit motive, in conjunction with competition among capitalists, is responsible for an instability in the accumulation and utilization of capital which leads to increasingly severe depressions. Unlimited competition leads to a huge waste of labor, and to that crippling of the social consciousness of individuals which I mentioned before.
This crippling of individuals I consider the worst evil of capitalism. Our whole educational system suffers from this evil. An exaggerated competitive attitude is inculcated into the student, who is trained to worship acquisitive success as a preparation for his future career.
I am convinced there is only one way to eliminate these grave evils, namely through the establishment of a socialist economy, accompanied by an educational system which would be oriented toward social goals. In such an economy, the means of production are owned by society itself and are utilized in a planned fashion. A planned economy, which adjusts production to the needs of the community, would distribute the work to be done among all those able to work and would guarantee a livelihood to every man, woman, and child. The education of the individual, in addition to promoting his own innate abilities, would attempt to develop in him a sense of responsibility for his fellow men in place of the glorification of power and success in our present society.
Nevertheless, it is necessary to remember that a planned economy is not yet socialism. A planned economy as such may be accompanied by the complete enslavement of the individual. The achievement of socialism requires the solution of some extremely difficult socio-political problems: how is it possible, in view of the far-reaching centralization of political and economic power, to prevent bureaucracy from becoming all-powerful and overweening? How can the rights of the individual be protected and therewith a democratic counterweight to the power of bureaucracy be assured?
Clarity about the aims and problems of socialism is of greatest significance in our age of transition. Since, under present circumstances, free and unhindered discussion of these problems has come under a powerful taboo, I consider the foundation of this magazine to be an important public service.

by Albert Einstein

This essay was originally published in the first issue of Monthly Review (May 1949).

quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

Sinais


Desenho Maturino Galvão

VII Encontros de Fotografia Africana (1)


Bamako. Mali. Nov./Dez. 2007

Foto de Sérgio Santimano

Da Capital do Império

Olá!

Agora que o Ted Kennedy - o velho leão do Senado - decidiu transformar o Obambi em Obamelot é talvez importante explicar-vos que isso aconteceu porque os dirigentes tradicionais do Partido Democrático estavam a ficar um pouco lixados com as clintonices dos Clintons.
Por exemplo o senador Patrick Leahy, um dos baluartes dos Democratas no Senado acusou os Clintons de “usarem truques baratos abaixo da dignidade de um antigo presidente”. O Senador John Kerry (que perdeu as últimas eleições para o Bush) acusou os Clintons de quererem “roubar as eleições com mentiras e distorções”. O proeminente Democrata Ed Schultz acusou os Clintons de “mentirem deliberadamente sobre Obama” e de serem “uma vergonha” para o Partido Democrático. O antigo dirigente dos democratas no senado Tom Daschle acusou os Clintons de “distorções descaradas” e o Bill de actuar “de forma não presidencial” enquanto o comentarista democrata William Geider acusou os Clintons de “jogarem sujo como é seu costume quando se sentem ameaçados”. O palhaço do reverendo Al Sharpton que ganha a vida a descobrir actos de racistas brancos (quase sempre inventados) foi mais directo: “cala a boca Bill!” disse ele numa estação de televisão embora eu tenha a dizer que mais Sharpton do que isso foi o Andrew Young (também reverendo) que apoia os Clintons e que disse que o Bill “é mais preto do que o Obama porque teve mais pretas que o Obama”! Verdade verdadinha.
Por esta altura vocês já devem estar a notar que pelo menos até agora quem tem estado a concorrer à presidência não é a Hilária. Também não é o Bill. É um novo candidato que se chama Billary Clinton
Antes de avançar tenho a explicar-vos que no vocabulário americano há um adjectivo único: clintoniano. Diz-se que uma acção ou declaração é “clintoniana” quando é uma desonestidade camuflada numa meia verdade ou numa mentira dita de forma tão sincera que só os Clintons conseguem-na fazer passar como verdade. O Bill é particularmente bom nisso. O antigo Senador Bob Kerry (não é família do outro Kerry) que os conhece bem disse noutro dia que o Bill é “um homem excepcionalmente bom …a mentir”.
Exemplos de “clintonices”: Quando a Hilária foi derrotada na Carolina do Sul na semana passada o Bill declarou que “o Obama ganhou muito bem tal como o Jesse Jackson ganhou em 1988”. A declaração foi clintoniana. Teve como objectivo mandar o Obama para o gueto da política racial, recordando a campanha de Jesse Jackson que teve como apelo quase único o eleitorado negro. Mais do que isso a declaração do Bill teve como objectivo tentar alienar o eleitorado branco do Obambi que está a tentar levar a cabo uma campanha em que a questão racial quase não é mencionada. Com essa declaração os Billary disseram adeus à maioria do eleitorado negro mas fizeram as contas e ficam a ganhar porque junto de muitos eleitores Obama é agora … Jesse Jackson, um preto sem qualquer possibilidade de ganhar.
E depois o Bill, numa finta clintoniana, disse à CNN que a campanha do Obama é que tinha introduzido a questão da raça na campanha e disse que os jornalistas deveriam “ ter vergonha” de engolirem as “distorções” do Obambi. “Vocês deviam ter vergonha,” disse ele numa performance clintoniana com a cara vermelha de irritação falsa a um grupo de jornalistas caloiros meio espantados com a clintonice.
Os Billary ficaram no entanto caladinhos quando um influente membro da sua campanha Sergio Bendixen declarou que o Obambi não vai ganhar na Califórnia porque “o eleitor hispânico não tem mostrado muita afinidade em apoiar candidatos negros”. Típico clintoniano. Como me disse um democrata do congresso: “Em qualquer outra campanha já teriam dito ‘hasta la vista’ ao Bendixen”
Ainda outro exemplo: O Obambi disse que Ronald Reagan tinha conseguido vencer duas eleições seguidas com grande apoio de Democratas porque na altura tinha sido o homem de ideias novas na cena política Americana. O que é verdade. Os Clintons puseram um anúncio na televisão a dizer que o Obambi apoiava as ideias do Reagan. Foi clintoniano. Tal como a declaração do Bill a dizer com um ar magoado, que a imagem de que o Obambi se tinha oposto à guerra no Iraque era “ o maior conto de fadas da minha vida” quando na verdade o “conto de fadas” é a historia que a Hilária se opõe à guerra. Aprovou, depois foi contra e depois a favor de uma retirada, agora é contra a guerra mas sem retirada, tendo em conta a situação “fluida” mas poderá ser a favor se não for contra. Clintoniano
Aparentemente o Ted Kennedy ficou bem lixado com o Bill e na semana passada telefonou-lhe para protestar contra as “clintonices” dos Clintons. Graças aos detalhes deliciosos de um membro do “staff” dos Kennedy toda a gente no mundo jornalístico sabe que o telefonema acabou aos berros e que o Ted decidiu então dar o aval da família real dos democratas ao Obambi.
Tenho a dizer-vos que eu gosto sempre de ouvir o Ted Kennedy discursar embora na maior parte das vezes não concorde com o que ele diz. Faz discursos à antiga daqueles capazes de trazerem lágrimas aos olhos. A sua voz é ainda forte e a sua pronúncia e cadência de Boston dão-lhe uma personalidade única
O Ted Kennedy no seu discurso a anunciar o apoio da família real ao Obambi começou por dizer que era amigo dos Clintons e que “eles” (Ted aqui já esta a juntar o Bill à Hillary!) eram colegas no senado e que a Hilária “tem estado na linha da frente no combate por questões como saúde e direitos da mulher”.
Mas depois disse apoiar o Obambi porque este é um líder que “não é cínico” e que “não demoniza aqueles que têm pontos de vista diferentes”.
“Desde o começo que se opôs à guerra no Iraque e não permitam que quem quer que seja negue essa verdade”, disse o Ted. O “tio Teddy” (como lhe chama em público a Caroline, filha do John) acrescentou que o Obambi será capaz de pôr termo “à velha política da distorção e falsidades”, da “velha política de por raça contra raça”.
E depois contrariando mas sem as mencionar as declarações dos Billary de que o Ombambi não tem experiência o velho leão do Senado - que está no Senado desde que descobriram a América - afirmou que “o que conta em termos de liderança não são os anos passados em Washington”.
Noutras palavras: “fuck you Billary”.
Que delícia!
Abraços,

Da capital do Império

Jota Esse Erre

E os Desertos?


O Rub' al-Khali
O Rub' al-Khālī = الربع الخالي)
"o quarteirão vazio"

Álvaro de Campos
Grandes
Grandes são os desertos, e tudo é deserto.
Não são algumas toneladas de pedras ou tijolos ao alto
Que disfarçam o solo, o tal solo que é tudo.
Grandes são os desertos e as almas desertas e grandes
Desertas porque não passa por elas senão elas mesmas,
Grandes porque de ali se vê tudo, e tudo morreu.

Grandes são os desertos, minha alma!
Grandes são os desertos.

Não tirei bilhete para a vida,
Errei a porta do sentimento,
Não houve vontade ou ocasião que eu não perdesse.
Hoje não me resta, em vésperas de viagem,
Com a mala aberta esperando a arrumação adiada,
Sentado na cadeira em companhia com as camisas que não cabem,
Hoje não me resta (à parte o incômodo de estar assim sentado)
Senão saber isto:
Grandes são os desertos, e tudo é deserto.
Grande é a vida, e não vale a pena haver vida,

Arrumo melhor a mala com os olhos de pensar em arrumar
Que com arrumação das mãos factícias (e creio que digo bem)
Acendo o cigarro para adiar a viagem,
Para adiar todas as viagens.
Para adiar o universo inteiro.

Volta amanhã, realidade!
Basta por hoje, gentes!
Adia-te, presente absoluto!
Mais vale não ser que ser assim.

Comprem chocolates à criança a quem sucedi por erro,
E tirem a tabuleta porque amanhã é infinito.

Mas tenho que arrumar mala,
Tenho por força que arrumar a mala,
A mala.

Não posso levar as camisas na hipótese e a mala na razão.
Sim, toda a vida tenho tido que arrumar a mala.
Mas também, toda a vida, tenho ficado sentado sobre o canto das camisas empilhadas,
A ruminar, como um boi que não chegou a Ápis, destino.

Tenho que arrumar a mala de ser.
Tenho que existir a arrumar malas.
A cinza do cigarro cai sobre a camisa de cima do monte.
Olho para o lado, verifico que estou a dormir.
Sei só que tenho que arrumar a mala,
E que os desertos são grandes e tudo é deserto,
E qualquer parábola a respeito disto, mas dessa é que já me esqueci.

Ergo-me de repente todos os Césares.
Vou definitivamente arrumar a mala.
Arre, hei de arrumá-la e fechá-la;
Hei de vê-la levar de aqui,
Hei de existir independentemente dela.

Grandes são os desertos e tudo é deserto,
Salvo erro, naturalmente.
Pobre da alma humana com oásis só no deserto ao lado!

Mais vale arrumar a mala.
Fim.

terça-feira, 29 de janeiro de 2008

"Um país de mal dizentes e de lambe-botas."

« "Um país de mal dizentes e de lambe-botas." Não partilho de uma visão derrotista relativamente ao Povo Português. Muito pelo contrário. Penso que o Povo Português tem um enorme bom senso e muita experiência acumulada ao longo dos quase nove séculos de história que tem atrás de si: uma cultura inata, que lhe faz escolher, normalmente bem, as opções a seguir, em especial nos momentos decisivos.

E, no entanto, há umas franjas, que às vezes se tornam muito visíveis, ainda que hiperminoritárias, de sinal contrário: os lambe-botas e os maldizentes. Os "lambe-botas" são os que estão atentos aos sinais do poder, sejam quais forem - político, económico ou cultural - para, em genuflexão, colherem umas migalhas que caiam do poder. Às vezes migalhas, outras grandes benesses, conforme o jeito e o estatuto dos artistas da genuflexão.

Por outro lado, os maldizentes profissionais, que se comprazem em dizer mal de tudo e de todos, em especial da Pátria. E dos governos, claro, sejam quais forem. Sem se importar com o que vem depois. É a política do quanto pior melhor. Por feitio, azedume, por estarem mal com a vida e com eles próprios.

Uns e outros são nefastos, naturalmente. Os lambe-botas mais do que os maldizentes. Mas deixemo-los falar, com a tolerância possível, enquanto a caravana passa
.
»
Mário Soares. Diário de Notícias 29/01/2008

Algumas conclusões mais simples

O fogo é invertebrado?
Então quero ser esse, no seu alvoroço laranja.
A pedra não tem desamparo?
Então desejo tanto no fundo, ficar ela.

A nuvem não tem dentes?
Então acolho essa nebulosa gotejante confundida em pássaro.
O medo volta sempre?
Então seriamente só estou morta, se não mais temer.

O mar convida à dança?
Então nesse azulento véu , tenho par com ele.
O homem é uma infância?
Então feliz guarido nele, nos carinhos do espanto.

O amor é ralharento com os limites?
Então, da imensidão acordada, desluto nele.



Sinais


Desenho Maturino Galvão

Táxi Bamako (6)


Bamako. Mali. Nov. 2007

Foto Sérgio Santimano

Alain Finkielkraut: pensar sem palas nem rede, s.f.favor!

Assinou com Pascal Bruckner aquele ensaio-romance, em volta da “Nova Desordem Amorosa”, que correu Mundo. Pertence à geração dos post-Mai 68, portanto, que fizeram o percurso musiliniano de estudar depois de protestar…B-H. Levy publicou-lhe alguns livros nas suas colecções da Edit. Grasset. Na crise política que antecedeu as presidenciais francesas de 2007, Finkielkraut pareceu tentado em apostar em Nicolas Sarkozy, como Bruckner, Max Gallo e Couteaux o fizeram. Esta entrevista, clicar aqui, publicada no Libé, fala de tudo que assalta o escritor/ filósofo, sobretudo em torno da Cultura e da Educação, pedras filosofais de base para tornar forte a democracia…

“O drama do nosso tempo, é a transformação de todas as coisas materiais e espirituais em Direitos do Homem. Mudámos, assim, de época e de ideal: a criança mimada sucedeu ao homem culto. Toda a gente, é verdade não é mimado- longe disso. Toda a gente não é consumidor , mas toda a gente o quer ser e o preconiza.(…) o ideal da criança mimada destroy a cultura sem eliminar as desigualdades”, aponta.

O filósofo torna-se Imprecator, de forma radical: “Há coisas novas no firmamento. O novo, nesta ocurrência, é o reinado sem partilha da TV sem complexos, o papel prescritor dos artistas-palhaços, e a transmissão das normas sociais pelas vedetas do show-business e do jet-set. O pequeno écran, que invadiu tudo, foi ele próprio invadido por uma nova casta dominante que se crê libertada dos espartilhos bugueses, ao mesmo tempo que se desembaraçou de todo o escrúpulo e cujos gostos, a linguagem, a conivência regressive, a risada perpétua, a obscenidade tranquila e o chafurdar na baixeza testemunham de um desrezo pela experiência das coisas belas que os professors têm o dever de transmitir.É cada vez mais dificil resistir a esta vaga invasora”.

Sobre as aventuras sexuais de Sarkozy, Finkielkraut, que abandonou a possível aliança com o PR, depois da viagem de yacht e do jantar de gala no Fouquet´s cometidos pelo novo presidente, 24 horas depois de ter sido eleito, assegura: “Jornalistas, esquecei Carla! E se disserem que Sarkozy vos instrumentaliza mostrando a sua vida sentimental, sejai adultos! Questionem o PR sobre o poder de compra, a Escola, o contraste entre a política de Civilização e a vontade não menos defendida de libertar o crescimento, isto é, o consumo, de toda a sobrecarga civilizacional”. Sequência muito gira em relação com a experiência existencial de Olivier Rolin, o enragé que se tornou grande escritor, onde Finkielkraut assegura que, a “revolta de 1968 contra o velho mundo, tinha de tocante o facto de ser realizada com os impressores, os livros, os instrumentos e a retórica dos velhos tempos. Mas os 68´s tiveram uma grande responsabilidade no desastroso repatriamento da grande ideia crítica de relativismo cultural no interior da nossa sociedade”.


FAR

Infância

Na cidade me puseram muito cedo.
Sempre gostei mais dos campos abertos,
das descobertas em pleno sol, sob o mistério das cigarras.

A medo caminhava pelas calçadas.
Gente, muita gente.
A mão que, por vezes, se via desacompanhada.
A lágrima, o desconforto.

Árvores, terra, o cantar da água nos regos...
A figueira sobre o tanque numa névoa de limos verdes pela manhã.
Os cheiros fortes e as imagens do estábulo com ecos de mugidos das vacas.

A cidade era hostil.
Com cheiros bons, no entanto; imagens ternas de mulheres.

Os meus olhos e os meus sentidos todos a render-se...

A recordação de uma terra cada vez mais distante,
do sol.

segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

Terra

Somewildwish/20 (06 Ilha de Luanda)
Foto:G.Ludovice

" (...) A água é amante incerta e vagueia sua eterna indecisão
entre duas residências: o chão e o céu (...)"
in: Cronicando, Mia Couto


"(...) A nossa vida deve surgir-nos à frente como um copo húmido
e cheio de água gelada,nas mãos de um homem cheio de febre;
este quer beber, e bebe tudo de um trago, embora saiba que devia
esperar; porém, não consegue afastar essa delícia dos lábios,
tão fresca está a água e tanto o altera o ardor da sua febre (...)"
in:Os frutos da terra, André Gide


"(...) Não sei explicar mas só me sinto no meu elemento quando
tenho o mar e as montanhas por perto. Em certa medida as
pessoas são um produto do sítio onde nascem e são criadas.
A maneira de pensar e sentir fica para sempre ligada ao traçado
da terra, à temperatura que se faz sentir, até mesmo aos
ventos dominantes. Onde nasceste? (...)"
in: Kafka à beira-mar, Haruki Murakami

Série: música boa como o c... (4)

Milton Nascimento e James Taylor interpretam "Vendedor de Sonhos".

A auto-censura no título é uma Praktische Umsicht a uma objecção levantada, sobre o carácter auto-anulante do título em nexo com si mesmo. Assim, na melhor tradição da Ontologia heideggariana, mudamos o referêncial, mudamos a realidade mesma.

Sinais


Desenho Maturino Galvão

domingo, 27 de janeiro de 2008

Terra

African Kids /14 (2006 Benguela)
Foto:G.Ludovice

"(...) Cada menino nascido faz nascer uma mãe de uma
respectiva mulher
(...) um filho afinal é que dá à luz a mãe (...)"
In:Cronicando, Mia Couto

Atmosferas (6)


Paris. Dez. 2007

Foto Sérgio Santimano

Sinais


Desenho Maturino Galvão

Itália: Prodi arrumou as botas…e Berlusconi certo da vitória

A Máfia, o Vaticano e a concorrência desleal entre os tenores da Grande Coligação de Centro-Esquerda, conseguiram pôr termo a 20 meses arrepiantes de Governo, chefiado por Romano Prodi, economista de gabarito e “equilibrista” de talento com aliados até nos colaboradores da sede do Papado. A heteróclita Coligação não resistiu à demissão por corrupção do ministro da Justiça, Clemente Mastella, também líder de um pequeno partido essencial para a manutenção da maioria de voto no Senado.

Enquanto Georgio Napolitano, o PR ex-comunista, quer formar um Governo de transição tecnocrático para reformar a Lei Eleitoral, herança de Berlusconi, o chefe de Forza Italia parece disposto a fazer os impossíveis para obrigar os italianos a irem às urnas. Em declarações ao NY Times ontem, Roberto D´Alimonte, um dos mais reputados Prof. de Ciência Política italianos, não hesitou em dizer, que Berlusconi “sabe que pode vencer, mesmo com um outro sistema eleitoral”. As sondagens dão a vitória à Coligação de Centro-Direita por 10 pontos percentuais de avanço…

A Itália é um dos países mais surpreendentes do Mundo. Charme imenso, estética industrial e comercial feita a golpes de audácia, sistema fiscal jamaicano sem controlo, desenvoltura e autoconfiança política inaudita (recordam-se que GW Bush enviou Karl Rove, o seu spin doctor para ajudar Berlu nas últimas legislativas?!?). Mesmo com a crise provocada pela Mundialização sanguinária, os surrealistas empresários da Moda, de Trevi e Ravena, resolveram “importar” chineses para tirarem partido da arte de bordar…Compram sapatos e lotes especiais de vinho em Portugal e Espanha, que depois engarrafam naquelas recipientes divinais e põem à venda nos aeroportos suíços por montantes astronómicos…O mesmo se passa com o café: Lavazza e Buondi, de aura universal!

Num texto muito bom do especialista franco-italiano, Marc Lazar, professor na Universidade Luiss de Roma, clicar aqui, é posta a tónica de que o “Centro-Esquerda italiano pagou muito caro as suas profundas divisões“. “Sim, o bicho estava no fruto desde o início. Havia desacordos ideológicos de fundo, por exemplo sobre o estatuto dos homossexuais. E existiam outros desacordos sobre as reformas, as políticas sociais, a política externa, etc. Depois, cada partido procurava defender os seus interesses. Prodi esfalfou-se em negociações, em reuniões sem fim", adianta o politólogo

Qual o balanço, para já, destes 20 meses de Governo Prodi, que assume retirar-se da política para sempre, depois da hecatombe no Senado? Segundo Marc Lazar, a Itália “recuperou a credibilidade internacional e europeia. As Finanças foram restauradas, a liberalização de certos sectores da economia foi iniciada, políticas, sociais avançadas tiveram lugar. Mas os eleitores do Centro-Esquerda acabaram por ficar muito desiludidos: nada foi feito verdadeiramente em prol do Ensino Superior e da Formação Científica, quando isso tinha sido apontado como uma das principais prioridades".

FAR

sexta-feira, 25 de janeiro de 2008

A visita

Doce e aflita, para desandar com os mosquitos da injustiça, pousa-lhe devagar junto onde descansa a cabeça bem trançada, no absoluto quase escuro da noite, um pequeno prato com guloseimas em jeito de biscoitos.
A mulher negra arqueia-se em curiosidade e pergunta-lhe, para que quer ela que ela coma na hora da sombra maior, e a mulher branca só resmunga algo, num furor amansado de pergunta que cresceu junto ao corpo.
– Onde estavas, que não brincaste comigo? Esperei muito no meu quarto largo, em tardes que se esticavam, enredada em brinquedos caros só para mim. Por que razão não vieste? Eu tanto queria fazer contigo as bonecas, que eram por ti começadas pelo enchimento de umas tiras de panos, com pano, até se formar mais acima aquela barriga e logo os braços, depois a cabeça no desafio final, com os olhos tesourados também em pano, cosicados no pano do rosto. Duravam menos que as loiras, que apesar de resistentes, já só chegavam se por acaso ao teu bairro, em estado de vítimas de abusada guerra, mutiladas de membros, zarolhas no seu azul de olhos de abrir e fechar, com a cabeleira amadoramente recortada, meias esfarrapadas a precisarem dos teus panos coloridos nos seus troncos cor-de-rosa já esfolados, sem nome nem aquele cheiro de loja, mas com aquele perfume dos usos.
Eram tão oxigenadas de natureza, que até para mim se tornava complicado criar uma árvore genealógica, em que elas pudessem ser minhas filhas. Um dia trouxe nas minhas elaborações femininas, um alemão bem loiro que vivia num submarino num filme de guerra e passou a ser o pai delas.
Todos os natais lá vinham, com mais uma nórdica deslavada importada para os trópicos e que por destino fácil de explicar, ia parar não à tua, mas à minha árvore ainda com pistas de resina, vestida ricamente de verdes agulhas, de onde pendiam ora anjos, ora sinos e bolas, onde me podia espreitar em deformação nas suas curvaturas brilhantes.
Dos teus anseios, nada me chegou inteiro.
Em que musseque saltitavas com os miúdos da mesma pobreza, por entre as poças de água da chuva, que não te pude oferecer nem uma nova boneca loira, ainda de pestanejo móvel em condições, com que inventava sozinha lares na minha casa grande? Haveríamos juntas de arranjar uma solução para que fossem tuas filhas também, como as tuas nascidas de pano, minha descendência.
Na minha casa existiam janelas de vidro do tamanho de paredes inteiras, mas nunca te vi passar sempre que me empoleirei para cheirar o mundo e, por isso, só me visitavas a imaginação através dos sons nocturnos dos tambores em noites de festa.
Agora temos de pôr no pano do coração, os mimos que não destrocámos na meninice.
A mulher negra fica só de olhos cogitantes, suspensa na delícia de outra bolacha enchapelada de creme, no exagero da branca já de carunchos como ela, a querer não perder mais do que já perdeu.

Sinais


Desenho Maturino Galvão

Atmosferas (4)


Les pères populaires (cantine/bar). Paris. Dez. 2007

Foto Sérgio Santimano

Quénia: o clash das oligarquias

A mediação de Kofi Annan no Quénia deve tentar o impossível: impedir o alastramento da guerra civil num dos países mais prósperos e estáveis da África Oriental. O poder das kalachk´s e as despudoradas ambições dos herdeiros de Jomo Kennyatta desvastaram a parte oriental do estado, onde agentes profissionais “acenderam” uma guerra tribal sem eira nem beira. Jean-Pierre Campagne assinou dois textos decisivos sobre a questão,, no Libé, clicar aqui, ultrapassando os relatos assimétricos de intelectuais quenianos dados à estampa pelo NY Times, nas duas últimas semanas.

J-P- Campagne, como no mesmo jornal o salientou Gérard Prunier, clicar aqui, apesar de sinalizar que existem cerca de 40 tribos no Quénia, o espaço politico da revolta tem claras motivações de tentativa de conquista do poder. Houve instrumentalização das rivalidades étnicas, “em casos pontuais”, releva. A marcha para a democracia pluralista data de 1992, pois, anteriormente, o fundador Jomo Kennyatta e o seu successor Daniel Moi, sendo de etnias diferentes e com falanjes desiguais tenderam a governar e a cumprir, via ditadura e oferta de privilégios inter-étnicos, sem limite para o oportunismo, claro.

Os actuais rivais, Mwai Kibaki (etnia kikuyus) e Raila Odinga (etnia Luos), associaram-se, numa coligação Arco-Iris, para derrotar Moi, em 2002. Conseguiram-no. Passados cinco anos, novas Presidenciais cavam a ruptura entre os dois líderes. Foi a ruptura na ruptura de uma prática política camuflada pela corrupção, o nepotismo e o abuso do poder. Prunier assinala e caracteriza essa situação,de facto: “(…) o Quénia é um desses países do Terceiro Mundo onde as „ elites “ políticas, tão ferozes como corruptas, adoptam superficialmente os slogans dao Banco Mundial para melhor praticarem as formas de exploração que o próprio Marx teria dificuldade em imaginar: uma mistura de acumulação capitalista primitiva, de saque burocrático, de neo-feudalismo rural e de roubo vergonhoso da ajuda internacional”.

Campagne, no referido texto, analisa o pulsar politico de alguns países vizinhos do Quénia. A Somália, que vive em estado de guerra larvar há mais de 25 anos, tem uma só etnia unificada pela mesma lingua e religião. Segundo a sua tese, “são clichés racistas que exploram as guerras tribais” - a Etiópia e a Eritreia, que se digladiam na Somália, são dirigidas por dois elementos da mesma confissão religiosa; e que estiveram aliados, em 1991, para afastar Megistu, antes de se iniciaram um processo de afrontamento por razões económicas e de hegemonia regional. O caso de Omar Bongo, do Gabão, é outro exemplo da fraca importância das raízes étnicas: está no poder há 40 anos, originário de uma tribo ultra-minoritária, que usa e abusa das novas formas de cooptação e sedução política corrompendo tudo o que se lhe oponha. No Senegal, na Costa do Marfim e, de há uns anos a esta parte, em Angola e Moçambique, as elites que controlam o poder estão em vias de se adaptar a melíflua e sediciosa forma de corromper…a democracia.

FAR

A bombordo

Descobrir.
Achar a enseada do teu sorriso,
a claridade dos teus olhos.

Amena enseada onde chegava na claridade da manhã.

Navego para chegar a ti.
Tonto, da jornada que me leva a ti.

Falta-me o remo da Palavra,
poder alcançar-te, falando.

A viva voz
O olhar...

quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

Sinais


Desenho Maturino Galvão

Atmosferas (3)


Les pères populaires (cantine/bar). Paris. Dez. 2007

Foto Sérgio Santimano

Os vinte e nove Sonetos de Amor de Étienne de La Boétie (4)

Soneto IV

C´était alors, quand, les chaleurs passées,

Le sale automne aux cuves va foulant

Le raisin gras dessous le ciel coulant,

Que mes douleurs furent encommencées.


Le paisan bat ses grebes amasses,

Et aux caveux ses bouillants muids roulant,

Et des fruitiers son automne croulant,

Se venge lors des peines avancées.


Serait-ce point um présage donné

Que mon espoir est déjà moissonné?

Non, certes, non, mais pour certain je pense.


J´aurai, si bien à deviner j´entends,

Si l´on peut rien pronostiquer du temps,

Quelque grand fruit de ma longue espérance.



FAR

quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

Rosa-dos- Ventos

Para ti...

Pensar mais a Sul e ficar desnorteado...

E o sol brilha, apesar de tudo.
Por dentro de mim, vai uma noite feita de silêncio.

Perder o Norte não é apenas a desorientação,
é também entender o siginificado de saudade.

Cai a noite


Praça central de Viana do Castelo. 2007

Foto Jota Esse Erre

Director do Figaro censura artigo sobre Sarkozy

Etienne Mougeotte, patrão das redacções do Le Figaro, o jornal liberal da Direita francesa, censurou um artigo de Eric Dupin sobre a queda da imagem de Sarkozy nas Sondagens (ler artigo do Libé aqui). Dupin, antigo jornalista no Libération, tinha-se reciclado no Jornalismo free-lance. Mas guardou sensibilidade de Esquerda. Razão tem Alain Badiou: não se pode pactuar com os patrões de Imprensa que apoiaram a eleição de Sarkozy! Assim se reconhecem as obsessões controladoras e repressivas da direita no poder.

FAR

Sinais


Desenho Maturino Galvão

Não há limites

terça-feira, 22 de janeiro de 2008

Atmosferas (2)


Les pères populaires (cantine/bar). Paris. Dez. 2007

Foto Sérgio Santimano

Uma campanha (muito) tristonha…

«A micro-política do desejo está a varrer tudo e todos. Os próprios “tenores” da actualidade, de todos os tipos e feitios, estão a ficar regularmente atrás dos acontecimentosF.Guattari

Categorias normativas do pensamento sociólogico desfeitas? Bom senso “moral” a meter água por todos os lados? Crescendo da especulação sem rede e apogeu da Sociedade do Espectáculo com efeitos letais e unidimensionais? Vamos puxar pelo pensar, sem ocultar nada: “O tempo é a alienação necessária, como o mostrava Hegel, o meio no qual o sugeito se realiza perdendo-se, tornando-se outro para se tornar a verdade de si mesmo. Mas o seu contrário é justamente a alienação dominante, que é suportada pelo produtor dum presente estranho,” (G. Debord, in La Société du Spetacle).

O semanário “Sexta” anunciava na sua última edição, que existe um regresso em força dos comentadores políticos às diferentes Televisões. António Barreto e Miguel de Sousa Tavares aparecem quase de acordo no diagnóstico: “Comentário político há muito na televisão. Por vezes até de mais. Debate de ideias, sério, construtivo, é que não há”. MST e Marcelo R. S. também tombam de acordo: “Comentadores não devem ser politicos no activo".

A questão da telegenia e do a-vontade frente às câmaras preocupa MR Sousa. Barreto fazia caretas medonhas na Sic, no tempo da Terça-Feira à Noite, emissão política pioneira na primeira TV independente portuguesa. E como profissional do Espaço Público de Informação, em todos os tabuleiros, MR Sousa alude aos comentadores que “operam” na Net, na TV e na Imprensa escrita. “É uma opção difícil a escolha de onde e a quem dar as declarações mais fortes”, frisa.

MR Sousa não perde o fôlego e atira: “O Pacheco Pereira é um caso invulgar de imaginação, ele é o único profissional do comentário em Portugal, e por isso pode estar em quatro sítios ao mesmo tempo e ter sempre assunto”. No entanto, a preferência de M R Sousa é outra.: “O que gosto mais é do Vasco Pulido Valente, que é o mais brilhante, mas tenho que reconhecer que o mais completo é o Pacheco Pereira-pesquisa, arquiva,digere, divulga”. Justamente, VP Valente está a fazer 30 anos de ininterrupta escrita/comentário politico nos jornais. FP Balsemão, aconselhado por certo por FS Carneiro, deu-lhe a primeira página do Expresso para comentário, a partir de 19 Setembro de 1977. Início de uma carreira fulgurante, singular e magistral: mesmo quando não se está de acordo com ele, a inteligência, a audácia e o timbre ou grão da escrita são superlativos e inconfundíveis. E eu participei com pseudónimo nas barricadas do blogue Espectro, em 2004, que VPV e CC e Sá realizaram durante algumas semanas memoráveis…

FAR

Sinais


Desenho Maturino Galvão

A culpa é tua e só tua

A propósito disto e destas brincadeiras deste sistema económico infalível, que peca só por não premiar devidamente o "mérito", lembrei-me disto:

"...tudo corre bem, a ver quem se vai abotoar com os 25 tostões de riqueza que tu vais produzir amanhã nas tuas oito horas. A ver quem vai ser capaz de convencer de que a culpa é tua e só tua se o teu salário perde valor todos os dias, ou de te convencer de que a culpa é só tua se o teu poder de compra é como o rio de S. Pedro de Moel que se some nas areias em plena praia, ali a 10 metros do mar em maré cheia e nunca consegue desaguar de maneira que se possa dizer: porra, finalmente o rio desaguou! Hão te convencer de que a culpa é tua e tu sem culpa nenhuma, tens tu a ver, tens tu a ver com isso, não é filho? Cada um que se vá safando como puder, é mesmo assim, não é?" - José Mário Branco, FMI




Um governo "socialista"

Leio no DN que, de acordo com os cálculos recém-aprovados sobre a "sustentabilidade" do sistema de pensões, os trabalhadores jovens terão, em muitos casos, e para não ser penalizados na reforma, de trabalhar até aos 68 anos.
Pressinto que não faltará muito tempo até começar a ler argumentos sobre a imoralidade e a insustentabilidade de as gerações jovens sustentarem sequer qualquer sistema de pensões às gerações idosas. Nesse tempo não distante, o que aparecerá como "justo" será cada um descontar para si, e receber apenas o que poupou, numa patética mascarada destinada a eliminar qualquer vestigio de solidariedade social e princípio redistribuitivo.
Nessa altura eu, pelo menos, não me esquecerei do grande impulso dado à "modernidade" do sistema de pensões por um governo "socialista".

segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

Lisboa


Sob o sol de Novembro, Lisboa de ângulo diferente. Lisboa. 2007

Foto Jota Esse Erre

Sinais


Desenho Maturino Galvão

domingo, 20 de janeiro de 2008

Atmosferas (1)


Café restaurante "Nation". Paris. Dez. 2007

Foto Sérgio Santimano

Sinais


Desenho Maturino Galvão

Moçambique


Música dos Gorowane, de Xtaca Zero, do GproFam


Moçambique sai do chão !
E vai no porão
Caiu a sombra, tombou no chão
Fica um buraco no pé da nação
Lá vai a tábua de um caixão
O morto é a floresta de uma nação
Toda a riqueza para exportação
Não fica nada para nós, não, não
Não fica nada para nós, não, não
Já está mais que na hora, põe a mão na cabeça
E vê agora como a terra chora
A moto-serra, serra, serra
Rouba o verde, numa outra guerra
Lá vai a umbila
Lá foi o jambirre
Caiu a chanfuta
Caiu pau-preto
E voa a mssassa
Voou a mbaúa
Quem canta agora
É a moto-serra
Quem canta agora é a moto-serra
Parando a árvore, despindo a terra
Roubando o verde, numa outra guerra
Quem toca agora é a moto-serra
A música que agora toca no mato
Não é xigubo, makwaela, nem campo adubado
Não é enxada, não, não, não
Não é nem fumo de xitimela, my brother
Oh Papá, oh Titio
Corta aqui, mas depois planta ali,
Oh!Oh Papá, oh Vovô
Corta aqui, mas depois planta ali, Oh!
A música, agora, não é a canção
É o simples ronco do camião
Lá vai o tronco, lá vai a madeira
Lá vai a riqueza sem algibeira.

Mia Couto

Com a devida vénia ao Ponte

Permitido Fumar



No Permitido Fumar, uma lista em actualização permanente dos locais em que ainda vamos podendo dar umas passas. Serviço público.

sábado, 19 de janeiro de 2008

Série: música boa como o caralho (3)

Lounge Lizards em 1989

GM Bobby Fischer (1943 - 2008)

Robert James Fischer foi o melhor jogador de xadrez de todos os tempos. Mais que isso, foi verdadeiro ícone do xadrez ofensivo, criativo e temerário. Excêntrico, e talvez mesmo louco, a sua vida foi tudo menos o que se poderia esperar de um desportista de sucesso. Após fazer furor tornando-se campeão norte-americano com 14 anos, e Grande Mestre com apenas 15 (o mais jovem de sempre à época), e assombrar o mundo do xadrez com alguns dos mais belos momentos da arte combinatória, torna-se campeão do mundo em 1972, no famoso match de Rejkavik com o soviético Spassky. Num clima de tensão empolado pela guerra fria, e pela possibilidade de finalmente os americanos terem um jogador à altura dos russos (que fizeram do xadrez o jogo nacional, para provar a superioridade do comunismo), Fischer vence claramente (12,5- 8,5), por entre acusações de batota de parte a parte, ficando famosa a sua alegação de que Spassky receberia bilhetes em código nas garrafas de água que lhe serviam. Dois anos depois, Fischer exigiu condições impossíveis para defender o título contra Karpov. Recusou jogar. Perdeu o título na secretaria. A partir daí, afirmando-se perseguido pelos serviços secretos americanos, fugiu dos EUA, passando incógnito por países como as Filipinas, a Hungria ou o Japão. Em 1992, em plena guerra da Jugoslávia, aceitou jogar um remake do match com Spassky em Belgrado; julgado à revelia no seu país, por quebrar o bloqueio económico imposto a Milosevic, acabou condenado a 2 anos de prisão. Fugiu novamente, mas em 2005 foi preso no Japão. A senhora atrás dele nesta foto, Myoko Watai, presidente da federação japonesa de Xadrez, casou-se com Fischer para que ele pudesse obter a nacionalidade japonesa, e escapar à extradição. Consta que acabaram por se dar bem. Acabou por obter antes a nacionalidade islandesa, tendo vivido em Rejkavik desde então. Antes, em 2001, reapareceu para dar uma entrevista em que apoiava os terroristas do 11 de Setembro. Há, ainda, a famosa história de um jogador incógnito, que desafiou o GM Nigel Short, um dos melhores jogadores de rápidas do mundo, para jogar umas partidas numa plataforma online, e jogando de forma mirabolante, com lances aparentemente absurdos, ganhou todos os 13 jogos: só podia ser o Fischer, disse-se. Num certo sentido, o seu fantasma pairava sobre o mundo do Xadrez, que buscava a sua genialidade, o seu perfeito domínio sobre todas as fases do jogo. O jogador perfeito, que para mais, como se de uma estrela pop se tratasse, desapareceu no auge da carreira.

Com apenas 13 anos Fischer jogou aquela que é conhecida como "a partida do século", contra o seu compatriota Donald Byrne, e gravou o seu nome na galeria dos imortais da nobre arte. Para os que sabem ler xadrez, aqui fica, agora que o seu autor se juntou a ela.

D. BYRNE x R. FISCHER
Def. Grünfeld.
1. Cf3 Cf6 2. c4 g6 3. Cc3 Bg7 4. d4 0 - 0 5. Bf4 d5 6. Db3 d x c4 7. D x c4 c6 8. e5 Cbd7 9.Td1 Cb6 10. Dc5 ?! Bg4 11. Bg5 ?! Ca4 !? 12. Da3 ! C x c3 13. b x c3 C x e4 ! 14. B x e7 Db6 15. Bc4 C x c3 !! 16. Bc5 Tfe8 + 17. Rf1 Be6 !!!! 18. B x b6 B x c4 + 19. Rg1 Ce2 + 20. Rf1 C x d4 + 21. Rg1 Ce2 + 22. Rf1 Cc3 + 23. Rg1 a x b6 24. Db4 Ta4 25. D x b6 C x d1 26. h3 T x a2 27. Rh2 C x f2 28. Te1 T x e1 29. Dd8 + Bf8 30. C x e1 Bd5 31. Cf3 Ce4 32. Db8 b5 33. h4 h5 34. Ce5 Rg7 35. Rg1 Bc5 + 36. Rf1 Cg3 + 37. Re1 Bb4 + 38. Rd1 Bb3 + 39.Rc1 Ce2 + 40. Rb1 Cc3 + 41. Rc1 Tc2 #

Sinais


Desenho Maturino Galvão

Bem escandinavo


Copenhaga. Dinamarca. 2007

Foto Jota Esse Erre

Jacques-Alain Miller: “A Psicanálise não é a Cientologia”

O Chefe de fila dos lacanianos deu hoje uma grande entrevista ao Libération. Todas as dúvidas e fantasmas sobre a força da psicanálise nela são abordadas. No interior de uma prática analítica extremamente dificil, que se demarca da psicologia americana e da ditadura dos psicotrópicos sem fronteiras, J-A-Miller faz a apologia da abertura e consulta da psicanálise para circunscrever os males da civilização tecno-industrial. A não perder, portanto: “A psicanálise não é a cientologia. O recurso aos psicotrópicos não lhe é interdito.”


«Se replier serait mortel pour la psychanalyse»

Gendre de Jacques Lacan. Personnalité très controversée, directeur du département de psychanalyse de l’université Paris-VIII, Jacques-Alain Miller, 63 ans, a créé en 1981 l’Ecole de la cause freudienne. En 1992, il a fondé l’Association mondiale de psychanalyse. C’est sous son autorité que les textes des séminaires de Jacques Lacan sont publiés, au compte- gouttes, regrettent certains. C’est aussi un polémiste. En pointe dans la lutte contre l’amendement Accoyer, qui entendait légiférer sur la psychothérapie, il repart au combat contre les cognitivistes, obsédés de l’évaluation. Il organise à la Mutualité, les 9 et 10 février, un «grand meeting pour que vive la psychanalyse», sur le thème : quelle politique de civilisation ?

On reparle de l’amendement Accoyer, qui cherche à encadrer l’usage du titre de psychothérapeute. Il avait provoqué la colère de tout le milieu analytique. Il revient, mais sous une forme atténuée. Et vous, vous repartez en guerre…
L’affaire de l’amendement est close. Il n’y a plus aucun contentieux depuis que Bernard Accoyer a renoncé à son premier texte, qui se risquait à définir les diverses psychothérapies. Son souci de réguler l’usage du titre de psychothérapeute a été entendu par le milieu psy, qui, depuis bientôt trois ans, est partie prenante de la concertation sur le décret d’application. En revanche, oui, pour moi le combat est devenu permanent.

Mais quel combat ?
Freud avait diagnostiqué jadis un «malaise dans la civilisation». Nous sommes bien au-delà : tout le monde ressent que la civilisation occidentale tend à devenir franchement invivable. Ça suscite des révoltes, une guerre civile, mais qui respecte les formes du débat démocratique.

Certes, mais quelle guerre ?
Il y a une guerre idéologique qui oppose, d’une part, les quantificateurs, les cognitivistes (1), avec leur prétention croissante à régenter l’existence humaine dans tous ses aspects et, d’autre part, tous ceux qui ne plient pas devant la quantification partout. Le fanatisme du chiffre, ce n’est pas la science, c’en est la grimace. Il n’y a pas si longtemps, l’administration, c’était encore des gratte-papier à la Courteline. Désormais, l’électronique met entre les mains des bureaucraties occidentales une puissance immense de stockage et de traitement de l’information. Elles en sont enivrées, elles en ont perdu le sens commun. Les plus atteintes sont celles de l’Union européenne, héritières des monarchies. Elles vont vers la surveillance généralisée, du berceau au tombeau. Elles aspirent au contrôle social total. Elles se promettent de remanier l’homme dans ce qu’il a de plus profond. Il ne s’agit plus seulement de «gouverner les esprits», comme le voulait Guizot, ni même de les suggestionner par des vagues de propagande massive.
Nos maîtres sont tellement tourneboulés par le progrès inouï des bio et nanotechnologies qu’ils rêvent de manipuler en direct le cerveau par implants et électrodes. Tant qu’à faire, pourquoi ne pas mettre au point une humanité hygiénique, débarrassée une bonne fois de ce que Freud appelait la pulsion de mort, une espèce humaine améliorée, transhumaine ? On en est réduit à se dire : heureusement, il y a le pape ! Car chez des débiles mentaux, quand ils ont le pouvoir, le progrès scientifique engendre des utopies autoritaires qui sont de vrais délires mégalomaniaques. Ça échouera immanquablement, mais en attendant ça fait des ravages. Il ne faut pas laisser faire, même si les clivages nouveaux que suscite cette démesure n’obéissent plus à la logique gauche droite.

Mais en quoi ces clivages concernent-ils la psychanalyse, qui est de l’ordre du domaine privé ?
Depuis le début du XXIe siècle, la bureaucratie a décidé que la santé mentale des populations relevait de ses attributions. Elle a envahi le domaine de l’écoute, des thérapies par la parole, elle s’emploie à le remanier de fond en comble. Dans la pratique, cela veut dire : s’attaquer à la psychanalyse. Chercher à l’éliminer au profit des techniques de persuasion, les thérapies cognitivo-comportementales, qui prétendent que leurs effets sont chiffrables, donc scientifiques. C’est l’imposture du cognitivisme. Le cognitivisme, c’est-à-dire la croyance que l’homme est analogue à une machine qui traite de l’information.
Dans cette optique, il s’agit de faire cracher du chiffre à l’âme. On mesure à qui mieux mieux, on compte tout et n’importe quoi : les comportements, les cases cochées des questionnaires, les mouvements du corps, les sécrétions, les neurones, leurs couleurs à la résonance magnétique, etc. Sur les données ainsi recueillies, on élucubre, on les homologue à des soi-disant processus mentaux qui sont parfaitement fantomatiques, on s’imagine avoir mis la main sur la pensée. Bref, on divague, mais comme c’est chiffré, ça a l’air scientifique. Tout un fatras de métaphores a ainsi infiltré le discours courant à force de produire et de manier des machines, l’homme contemporain aime à s’imaginer en être une.

Un exemple ?
On vous explique qu’être amoureux, c’est quand votre sérotonine baisse de plus de 40 %. Cela a été mesuré chez des cobayes assurant penser à l’être aimé au moins quatre heures par jour. L’amour fou ? Ça fait monter la dopamine. Donc, si vous avez une propension à l’amour fou, c’est sans doute que vous avez un petit manque de ce côté-là. En revanche, si vous restez avec la même personne, c’est en raison de votre taux d’ocytocine, dit l’hormone de l’amour… Bref, on retranscrit vos émotions en termes quantitatifs, et le tour est joué. Ce quantitativisme échevelé, qui est un pur simulacre du discours scientifique, s’étend partout. Ça fait le bonheur de l’administration, ça la justifie, ça la nourrit, ça l’incite à recouvrir tous les aspects de la vie.

Tout est à jeter dans le cognitivisme ?
Oh que oui ! C’est une idéologie qui singe les sciences dures, qui les parasite, qui offre une synthèse illusoire. Mais si elle s’est répandue si largement, c’est qu’elle exprime quelque chose de très profond, une mutation ontologique, une transformation de notre rapport à l’être. Aujourd’hui, on n’est sûr que quelque chose existe que si ce quelque chose est chiffrable. Le chiffre est devenu la garantie de l’être. La psychanalyse aussi repose sur le chiffre, mais au sens de message chiffré. Elle exploite les ambiguïtés de la parole. A ce titre, elle est à l’opposé du cognitivisme, elle lui est insupportable.

Vous notez également que cette idéologie du chiffre est en train de s’imposer dans l’université…
L’évaluation a fait son entrée dans l’université il y a vingt ans, mais il y a un saut qualitatif avec l’Agence d’évaluation de la recherche et de l’enseignement supérieur (l’Aeres). C’est tout récent : elle a été créée par la loi du 18 avril 2006 et installée le 21 mars. Depuis 1985, les organismes chargés de l’évaluation s’étaient multipliés, mais les universitaires et chercheurs étaient représentés dans leurs directions, et ils avaient appris à vivre avec. C’est fini. Tout a disparu au profit d’une agence unique, «autorité administrative indépendante», qui couvre le territoire national. Elle agit sous l’autorité d’un conseil assez bizarre, dont le ministère nomme les membres par décret. Aucun membre élu. De même, le «délégué» national, responsable de chaque discipline, n’est nullement l’émanation de la communauté des chercheurs, il est désigné par le président de l’agence. Le système a été conçu par le Pr Jean-Marc Monteil, éminent psychologue social cognitiviste. Il est chargé de mission au cabinet du Premier ministre, tandis que l’Agence est présidée par le Pr Jean-François Dhainaut, spécialiste de biotechnologie. Délégué national pour la psychologie : le Pr Michel Fayol, successeur du Pr Monteil à l’université de Clermont-Ferrand, la seule de cette taille d’où la psychologie clinique est rigoureusement bannie depuis des années. Le Pr Monteil m’a expliqué sans rire que c’était en raison de son incompétence notoire en la matière. L’Aeres est un monstre bureaucratique hypercentralisé et particulièrement opaque : rien à voir avec l’Amérique. Ça rappellerait plutôt la défunte Union soviétique.

Quel est le but ? Chasser la psychanalyse de l’université ?
Le but est de rentabiliser la recherche. Le résultat sera très différent. Au nom de la planification totale et de l’objectivité parfaite, on sadise les universitaires et les chercheurs. On répand les passions tristes - inquiétude, perte de l’estime de soi, dépression -, tout en disant d’une voix doucereuse : «Surtout, n’ayez pas peur !» Et en même temps, Sarkozy promet de faire des universités des lieux d’effervescence intellectuelle. Cette usine à gaz se cassera la figure, bien sûr, mais le plus tôt sera le mieux. A part ça, ce n’est pas seulement la psychanalyse qui est insupportable aux cognitivistes, c’est la méthode clinique, parce qu’elle vise le singulier, alors qu’eux ne jurent que par la statistique. Ils ont horreur du sujet, ils ne connaissent que «l’homme sans qualités», comme disait Musil.
Mais il y a toujours eu un combat entre les cliniciens et les cognitivistes…
Depuis toujours, les cliniciens avaient les étudiants, les cognitivistes avaient les titres universitaires. Ce qui a changé, c’est qu’aujourd’hui les cognitivistes, forts de leurs positions administratives, tentent d’éradiquer leurs compétiteurs. Et ils y arriveront, sauf si la tutelle politique reconnaît que l’unité de la psychologie est désormais un mythe. Alors, on mettra d’un côté la psychanalyse, la psychologie clinique, et la psychopathologie. Et de l’autre, la psychologie expérimentale et cognitiviste. Chaque domaine avec ses compétences propres. Faute de quoi, la psychanalyse disparaîtra très vite de l’université. C’est ce que j’ai expliqué à Valérie Pécresse à son invitation, et elle est assez intelligente pour ne pas vouloir rester dans les mémoires comme l’Attila de la psychanalyse.

La psychanalyse est-elle en état de se défendre ?
«Vivons heureux, vivons cachés», c’était la devise des psychanalystes. Ce n’est plus tenable. Se replier sur son pré carré serait en effet mortel pour la psychanalyse, car il n’y a plus de pré carré, tout simplement. Bref, les psychanalystes ne sauraient se dispenser de prendre part au débat public.
Il y a, de plus, les pratiques. Il faut innover. Déjà, de plus en plus de praticiens analysés reçoivent leurs patients dans des institutions. Le psychanalyste est en train de se réinventer. On constate que des effets analytiques peuvent se produire ailleurs que dans un cabinet privé. Voici quatre ans, l’Ecole de la cause freudienne a ouvert un centre psychanalytique de consultation et de traitements, dans le Xe arrondissement de Paris, qui accueille gratuitement le tout-venant. Cela s’est répandu comme une traînée de poudre : sur des initiatives locales, dix autres centres se sont ouverts en France. Quatre en Espagne, et aussi en Italie. Au vu des résultats, les pouvoirs publics soutiennent de plus en plus. Cela témoigne d’une étonnante évolution des mentalités. Ça rejoint ce que Freud avait voulu faire, des dispensaires gratuits.

Vous ne parlez pas de la menace de la psychiatrie biologique et du poids prépondérant des médicaments…
La psychanalyse, ce n’est pas la scientologie. Le recours aux psychotropes n’est pas proscrit par principe.

Qu’avez-vous pensé de la campagne nationale sur la dépression ?
C’est du Knock à la puissance mille. Un discours massifiant qui cherche à pénétrer au plus profond de chacun, pour remodeler le sens de vos émotions les plus intimes. La ministre de la Santé a dû s’apercevoir que quelque chose ne tournait pas rond puisqu’elle a donné son patronage à un colloque que j’organise sur le sujet.

Laissons les cognitivistes. Peut-il y avoir des regards d’évaluation sur les pratiques analytiques ?
La culture de l’évaluation est un leurre. On fait appel à elle pour accomplir ses basses besognes sous le couvert de l’objectivité. On fait comme si le savoir absolu posait son doigt sur vous et vous indiquait ce que vous valez : vous n’avez plus qu’à dire amen. Dans la pratique, l’évaluation est toujours aux mains d’une clique réglant ses comptes. C’est un procédé de type soviétique. C’est la dernière résistance à la loi du marché.

Vous préférez les règles du marché ?
S’il fallait choisir entre l’évaluation et le marché, je préférerais encore le marché. Pour évaluer le département de psychanalyse de Paris-VIII, qui est leader mondial pour la psychanalyse d’orientation lacanienne, on nous envoie quelques malheureux cognitivistes qui, eux, sont à la remorque de la psychologie américaine : ils nous tiennent pour des foldingues. Nous les tenons pour des nuls.

Le contrôle ou la passe, n’est-ce pas pourtant une forme d’évaluation ?
Une élucidation, ce n’est pas une évaluation. Il ne s’agit pas d’étalonner des valeurs sur une échelle préétablie, mais de se rendre disponible à la surprise de l’événement singulier. La psychanalyse, c’est du sur-mesure, pas de la confection de masse. Cela dit, en psychanalyse, on est jugé tous les jours sur ses résultats, mais pas par des experts : par les utilisateurs, par le consommateur.

Comment avez-vous réagi à la grille d’évaluation des ministres, suggérée par le président de la République ?
Folklorique. Personne ne prend ça au sérieux. C’est pour se débarrasser des ministres cossards, ou qui ont cessé de plaire. Cela étant, le sarkozysme est un bien curieux volontarisme, qui oscille entre étatisme et libéralisme. Napoléon ou Raymond Aron, Sarkozy n’a pas choisi, et ça vire à la confusion. Les socialistes, eux, ont choisi. Le PS a beau être morcelé en coteries, tous ses experts sont hyper-évaluationnistes. Il est devenu le parti de «l’homme sans qualités», le porte-parole des hauts fonctionnaires : «L’intérêt général ? Ça nous connaît, on va vous calculer ça.» Il n’est pas sûr que la gauche puisse faire l’économie de sa dissolution si elle veut renaître un jour.
(1) Le cognitivisme désigne un courant de recherche scientifique endossant l’hypothèse que la pensée est un processus de traitement de l’information.

Recueilli par ÉRIC FAVEREAU. Libération


FAR

sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

Sinais


Desenho Maturino Galvão

Táxi Bamako (5)


Bamako. Mali. Nov. 2007

Foto Sérgio Santimano

A recessão nos EUA pode degenerar em estagflação na Europa

Novo ano, crise velha: é o que apetece dizer sobre o rebimbar da “bolha” do imobiliário americano. Os grandes jornais do Mundo - com o Financial Times à cabeça -fornecem, desde o fim do Verão passado, diariamente notícias da louca corrida pelo abismo dos empréstimos hipotecados…sem caução de espécie nenhuma. Coleccionei umas dezenas de artigos, onde até os Prémios Nobel - Summers e Stieglitz - fazem parte do lote. Esta maravilhosa entrevista publicada, no Libé, sintetiza tudo aquilo que podiamos vir a enunciar. Dean Baker, economista, alerta sem dó nem piedade. E culpa Alain Greenspan, ex-boss da Fed, por ter “ignorado os conselhos de regulação do Mercado de crédito”. E ninguém vai escapar: economias como a portuguesa podem ficar seriamente abaladas. Só há, ou havia, recurso nos fundos soberanos das petro-monarquias do Próximo e Médio Oriente…

"Les signes d’une récession américaine se précisent-ils chaque jour un peu plus ?
Oui, sans aucun doute. L’impact du crash immobilier est énorme. Selon les dernières estimations, le prix des maisons s’effondrerait à un rythme annuel de 11,3 %, ce qui représenterait une perte virtuelle de 2 200 milliards de dollars et conduirait à une baisse de la consommation de plus de 100 milliards de dollars… Les oracles pensaient au départ que la crise serait circonscrite aux subprimes, ce fameux secteur des prêts hypothécaires. Mais on s’aperçoit qu’elle a désormais un impact sur la consommation, qui représente 70 % de notre économie. Les gens ne peuvent plus hypothéquer leur maison et emprunter pour consommer…

Quelle peut être l’ampleur de ce retournement et pourquoi n’a-t-il pas été anticipé ?
Les économistes ne prédisent jamais les récessions. Ils les reconnaissent quand elles sont déjà là. Celle qui se profile sera certainement la plus féroce depuis la Seconde Guerre mondiale. Parce qu’il est toujours plus difficile de récupérer d’une récession due à l’effondrement d’une bulle financière. La récession de 2001, celle de la bulle Internet, a conduit à une hausse du chômage, qui ne s’est atténuée qu’avec la création d’une autre bulle, celle de l’immobilier, histoire de booster l’économie. Les outils traditionnels qui consistaient à baisser les taux d’intérêt pour pousser les gens à emprunter de l’argent ne pourront plus marcher cette fois.
D’autant que l’inflation a atteint 4,1 % en 2007, un record depuis dix-sept ans…
C’est vrai. Et c’est ce qui va préoccuper et limiter la marge de manœuvre de la Fed [la banque centrale américaine, ndlr]. D’abord parce que c’est le double de l’hypothèse fixée par le patron de la Fed, Ben Bernanke. Ensuite parce qu’il va être difficile de baisser encore plus les taux d’intérêt pour tenter de relancer l’économie. Les taux d’intérêt à dix ans sont déjà en dessous de l’inflation…

Qui peut endosser la responsabilité de la crise ?
Le premier, c’est l’homme qui table aujourd’hui à 50 % sur une récession aux Etats-Unis. Et qui a lui-même contribué à la laisser arriver en encourageant la bulle : Alan Greenspan, l’ex-boss de la Fed. Il a ignoré les conseils de régulation du marché du crédit, qui aurait pu limiter les abus. Aujourd’hui, il réécrit l’histoire en tentant de s’exonérer. Il dit qu’il ignorait le scandale des subprimes ou qu’il n’a pas été prévenu. C’est faux. Il n’a pas d’excuse pour une telle négligence, un tel laisser-faire dicté par le seul souci d’enrichir les plus riches…

Les places boursières mondiales dévissent, les prévisions de croissances sont révisées à la baisse. Quelle sera l’étendue de la contagion ?Le reste du monde sera clairement affecté par ce qui se passe chez nous. D’abord, parce que les Etats-Unis restent le premier marché d’importation du monde. Ensuite, parce que d’autres régions connaissent aussi une bulle immobilière sans précédent. En France, même si elle est différente et moins importante qu’en Amérique. En Espagne et en Irlande, surtout. Et même si, à l’inverse des Etats-Unis, la crise à venir affectera moins la consommation, elle sera réelle. On le voit déjà. Les banques, qui ont perdu beaucoup, et vont encore perdre beaucoup, vont durcir plus que jamais les conditions du crédit."

Dean Baker pose un regard pessimiste sur l’économie mondiale :
Recueilli par CHRISTIAN LOSSON. Libération

FAR

quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

Sinais


Desenho Maturino Galvão

Tejo


Tejo visto de cima, perto do Largo Camões. Lisboa. 2007

Foto Jota Esse Erre

IV- Alain Badiou: O acontecimento e o ilimitado

O espantoso livro de Alain Badiou, “ De quoi Sarkozy est-il le nom?”, continua a agitar o espaço político e cultural mundial. E força os mediocratas e intelectuais engagés a optarem. O debate tem tido uma envergonhada repercussão em Portugal. José Pacheco Pereira, de forma elíptica e redundante, tem postado textos, in Público, vertidos no Abrupto, em seguida, onde, usando tese cara a Jean Baudrillard só se detecta a “ transparência do Mal”; pois, sublinha“o arbitrário é difuso", e os intelectuais tentam o impossível “para incarnar o integrismo do pensamento legítimo com todo o ardor do masoquismo". E do sadismo, acrescentamos nós…

1. “Existe apesar de tudo um problema acerca do Acontecimento, analisado por Badiou. Ele próprio mo confessou: há como que uma oscilação…acontecimento…Como o designer? Ele não quer dar o passo Derrideano (J.Derrida) de confessor, que, o Acontecimento, não se reconhece senão no seu traçado. Apesar de tudo, recusa-se a substancializar o Acontecimento. Ele di-lo, precisamente: “ O que conta não é o acontecimento, em-si, mas a Fidelidade. O problema não reside na separação que se pode verificar entre o Acontecimento e a sua apelação". in (Slavoj Zizek, etudes lacanienes)

Alain Badiou: “ Importa opor o ilimitado ao ideal científico. Adorno é um dos que apostaram no ideal do ilimitado, com e depois Bergson, Heidegger, Deleuze e outros, opostos a uma forma suposta fechada do ideal científico. A compreender como o que veicula que a negação da negação é a afirmação e encerra, por conseguinte, a negação. O ideal do ilimitado, pelo contrário, visa a ideia de uma negação tal que, mesmo a negação a não apaga; apesar de tudo, poder-se-ia negar a negação, mas não a conseguimos suprimir e toda a abertura será mantida. O ilimitado é o processo de substituir à forma a transformação da forma. O informal é, nesta perspectiva, a possibilidade de se confrontar ao informe. Na dimensão que faz com que toda a forma não se postula senão para ser imediatamente transformado, e esta transformação deve ser ela própria errática ou sem forma”. (Seminário da E.Normale.Sup.2005. Sobre a tese de Adorno in “Dialéctica Negativa“)


FAR

quarta-feira, 16 de janeiro de 2008