terça-feira, 31 de julho de 2007

Julio Cortázar

Casa tomada
Nos gustaba la casa porque aparte de espaciosa y antigua (hoy que las casas antiguas sucumben a la mas ventajosa liquidación de sus materiales) guardaba los recuerdos de nuestros bisabuelos, el abuelo paterno, nuestros padres y toda la infancia.
Nos habituamos Irene y yo a persistir solos en ella, lo que era una locura pues en esa casa podían vivir ocho personas sin estorbarse. Hacíamos la limpieza por la mañana, levantándonos a las siete, y a eso de las once yo le dejaba a Irene las ultimas habitaciones por repasar y me iba a la cocina. Almorzábamos al mediodía, siempre puntuales; ya no quedaba nada por hacer fuera de unos platos sucios. Nos resultaba grato almorzar pensando en la casa profunda y silenciosa y como nos bastábamos para mantenerla limpia. A veces llegábamos a creer que era ella la que no nos dejo casarnos. Irene rechazo dos pretendientes sin mayor motivo, a mi se me murió María Esther antes que llegáramos a comprometernos. Entramos en los cuarenta años con la inexpresada idea de que el nuestro, simple y silencioso matrimonio de hermanos, era necesaria clausura de la genealogía asentada por nuestros bisabuelos en nuestra casa. Nos moriríamos allí algún día, vagos y esquivos primos se quedarían con la casa y la echarían al suelo para enriquecerse con el terreno y los ladrillos; o mejor, nosotros mismos la voltearíamos justicieramente antes de que fuese demasiado tarde.
Irene era una chica nacida para no molestar a nadie. Aparte de su actividad matinal se pasaba el resto del día tejiendo en el sofá de su dormitorio. No se porque tejía tanto, yo creo que las mujeres tejen cuando han encontrado en esa labor el gran pretexto para no hacer nada. Irene no era así, tejía cosas siempre necesarias, tricotas para el invierno, medias para mi, mañanitas y chalecos para ella. A veces tejía un chaleco y después lo destejía en un momento porque algo no le agradaba; era gracioso ver en la canastilla el montón de lana encrespada resistiéndose a perder su forma de algunas horas. Los sábados iba yo al centro a comprarle lana; Irene tenía fe en mi gusto, se complacía con los colores y nunca tuve que devolver madejas. Yo aprovechaba esas salidas para dar una vuelta por las librerías y preguntar vanamente si había novedades en literatura francesa. Desde 1939 no llegaba nada valioso a la Argentina. Pero es de la casa que me interesa hablar, de la casa y de Irene, porque yo no tengo importancia. Me pregunto qué hubiera hecho Irene sin el tejido. Uno puede releer un libro, pero cuando un pullover está terminado no se puede repetirlo sin escándalo. Un día encontré el cajón de abajo de la cómoda de alcanfor lleno de pañoletas blancas, verdes, lila. Estaban con naftalina, apiladas como en una mercería; no tuve valor para preguntarle a Irene que pensaba hacer con ellas. No necesitábamos ganarnos la vida, todos los meses llegaba plata de los campos y el dinero aumentaba. Pero a Irene solamente la entretenía el tejido, mostraba una destreza maravillosa y a mi se me iban las horas viéndole las manos como erizos plateados, agujas yendo y viniendo y una o dos canastillas en el suelo donde se agitaban constantemente los ovillos. Era hermoso.
Cómo no acordarme de la distribución de la casa. El comedor, una sala con gobelinos, la biblioteca y tres dormitorios grandes quedaban en la parte mas retirada, la que mira hacia Rodríguez Peña. Solamente un pasillo con su maciza puerta de roble aislaba esa parte del ala delantera donde había un baño, la cocina, nuestros dormitorios y el living central, al cual comunicaban los dormitorios y el pasillo. Se entraba a la casa por un zaguán con mayólica, y la puerta cancel daba al living. De manera que uno entraba por el zaguán, abría la cancel y pasaba al living; tenía a los lados las puertas de nuestros dormitorios, y al frente el pasillo que conducía a la parte mas retirada; avanzando por el pasillo se franqueaba la puerta de roble y mas allá empezaba el otro lado de la casa, o bien se podía girar a la izquierda justamente antes de la puerta y seguir por un pasillo mas estrecho que llevaba a la cocina y el baño. Cuando la puerta estaba abierta advertía uno que la casa era muy grande; si no, daba la impresión de un departamento de los que se edifican ahora, apenas para moverse; Irene y yo vivíamos siempre en esta parte de la casa, casi nunca íbamos más allá de la puerta de roble, salvo para hacer la limpieza, pues es increíble como se junta tierra en los muebles. Buenos Aires será una ciudad limpia, pero eso lo debe a sus habitantes y no a otra cosa. Hay demasiada tierra en el aire, apenas sopla una ráfaga se palpa el polvo en los mármoles de las consolas y entre los rombos de las carpetas de macramé; da trabajo sacarlo bien con plumero, vuela y se suspende en el aire, un momento después se deposita de nuevo en los muebles y los pianos.
Lo recordaré siempre con claridad porque fue simple y sin circunstancias inútiles. Irene estaba tejiendo en su dormitorio, eran las ocho de la noche y de repente se me ocurrió poner al fuego la pavita del mate. Fui por el pasillo hasta enfrentar la entornada puerta de roble, y daba la vuelta al codo que llevaba a la cocina cuando escuché algo en el comedor o en la biblioteca. El sonido venia impreciso y sordo, como un volcarse de silla sobre la alfombra o un ahogado susurro de conversación. También lo oí, al mismo tiempo o un segundo después, en el fondo del pasillo que traía desde aquellas piezas hasta la puerta. Me tire contra la pared antes de que fuera demasiado tarde, la cerré de golpe apoyando el cuerpo; felizmente la llave estaba puesta de nuestro lado y además corrí el gran cerrojo para más seguridad.
Fui a la cocina, calenté la pavita, y cuando estuve de vuelta con la bandeja del mate le dije a Irene:
-Tuve que cerrar la puerta del pasillo. Han tomado parte del fondo. Dejó caer el tejido y me miró con sus graves ojos cansados. -¿Estás seguro? Asentí. -Entonces -dijo recogiendo las agujas- tendremos que vivir en este lado.
Yo cebaba el mate con mucho cuidado, pero ella tardó un rato en reanudar su labor. Me acuerdo que me tejía un chaleco gris; a mi me gustaba ese chaleco.
Los primeros días nos pareció penoso porque ambos habíamos dejado en la parte tomada muchas cosas que queríamos. Mis libros de literatura francesa, por ejemplo, estaban todos en la biblioteca. Irene pensó en una botella de Hesperidina de muchos años. Con frecuencia (pero esto solamente sucedió los primeros días) cerrábamos algún cajón de las cómodas y nos mirábamos con tristeza.
-No está aquí.
Y era una cosa mas de todo lo que habíamos perdido al otro lado de la casa.
Pero también tuvimos ventajas. La limpieza se simplificó tanto que aun levantándose tardísimo, a las nueve y media por ejemplo, no daban las once y ya estábamos de brazos cruzados. Irene se acostumbró a ir conmigo a la cocina y ayudarme a preparar el almuerzo. Lo pensamos bien, y se decidió esto: mientras yo preparaba el almuerza, Irene cocinaría platos para comer fríos de noche. Nos alegramos porque siempre resultaba molesto tener que abandonar los dormitorios al atardecer y ponerse a cocinar. Ahora nos bastaba con la mesa en el dormitorio de Irene y las fuentes de comida fiambre.
Irene estaba contenta porque le quedaba mas tiempo para tejer. Yo andaba un poco perdido a causa de los libros, pero por no afligir a mi hermana me puse a revisar la colección de estampillas de papa, y eso me sirvió para matar el tiempo. Nos divertíamos mucho, cada uno en sus cosas, casi siempre reunidos en el dormitorio de Irene que era más cómodo. A veces Irene decía:
-Fijate este punto que se me ha ocurrido. ¿No da un dibujo de trébol?
Un rato después era yo el que le ponía ante los ojos un cuadradito de papel para que viese el mérito de algún sello de Eupen y Malmédy. Estábamos bien, y poco a poco empezábamos a no pensar. Se puede vivir sin pensar.
(Cuando Irene soñaba en alta voz yo me desvelaba en seguida. Nunca pude habituarme a esa voz de estatua o papagayo, voz que viene de los sueños y no de la garganta. Irene decía que mis sueños consistían en grandes sacudones que a veces hacían caer el cobertor. Nuestros dormitorios tenían el living de por medio, pero de noche se escuchaba cualquier cosa en la casa. Nos oíamos respirar, toser, presentíamos el ademán que conduce a la llave del velador, los mutuos y frecuentes insomnios.
Aparte de eso todo estaba callado en la casa. De día eran los rumores domésticos, el roce metálico de las agujas de tejer, un crujido al pasar las hojas del álbum filatélico. La puerta de roble, creo haberlo dicho, era maciza. En la cocina y el baño, que quedaban tocando la parte tomada, nos poníamos a hablar en vos mas alta o Irene cantaba canciones de cuna. En una cocina hay demasiados ruidos de loza y vidrios para que otros sonidos irrumpan en ella. Muy pocas veces permitíamos allí el silencio, pero cuando tornábamos a los dormitorios y al living, entonces la casa se ponía callada y a media luz, hasta pisábamos despacio para no molestarnos. Yo creo que era por eso que de noche, cuando Irene empezaba a soñar en alta voz, me desvelaba en seguida.)
Es casi repetir lo mismo salvo las consecuencias. De noche siento sed, y antes de acostarnos le dije a Irene que iba hasta la cocina a servirme un vaso de agua. Desde la puerta del dormitorio (ella tejía) oí ruido en la cocina; tal vez en la cocina o tal vez en el baño porque el codo del pasillo apagaba el sonido. A Irene le llamo la atención mi brusca manera de detenerme, y vino a mi lado sin decir palabra. Nos quedamos escuchando los ruidos, notando claramente que eran de este lado de la puerta de roble, en la cocina y el baño, o en el pasillo mismo donde empezaba el codo casi al lado nuestro.
No nos miramos siquiera. Apreté el brazo de Irene y la hice correr conmigo hasta la puerta cancel, sin volvernos hacia atrás. Los ruidos se oían mas fuerte pero siempre sordos, a espaldas nuestras. Cerré de un golpe la cancel y nos quedamos en el zaguán. Ahora no se oía nada.
-Han tomado esta parte -dijo Irene. El tejido le colgaba de las manos y las hebras iban hasta la cancel y se perdían debajo. Cuando vio que los ovillos habían quedado del otro lado, soltó el tejido sin mirarlo.
-¿Tuviste tiempo de traer alguna cosa? -le pregunté inútilmente. -No, nada.
Estábamos con lo puesto. Me acordé de los quince mil pesos en el armario de mi dormitorio. Ya era tarde ahora.
Como me quedaba el reloj pulsera, vi que eran las once de la noche. Rodeé con mi brazo la cintura de Irene (yo creo que ella estaba llorando) y salimos así a la calle. Antes de alejarnos tuve lástima, cerré bien la puerta de entrada y tiré la llave a la alcantarilla. No fuese que algún pobre diablo se le ocurriera robar y se metiera en la casa, a esa hora y con la casa tomada.

Universidade de Verão

Como o tempo flui…qual Proust avec esteróides. Pois é, aí está novamente, em Setembro, a incontornável ‘Universidade de Verão’, uma iniciativa conjunta dos Viggis e do British Bar, ou, como agora se diz, uma PPP. Parceria Público Privado. NOTA: O governo de José Sócrates reconheceu utilidade pública aos Viggis e, fiquem sabendo, está na calha a constituição de uma fundação. Não se riam, outras há que começaram com menos, e a FV vai arrancar com uma forte dotação moral, algum entusiasmo e 1 (um) Euro.
Veremos. Esta edição, como é de su timbre, contém um programa mínimo, de referência, desenrola-se irregularmente, pode mesmo não se realizar- já tem acontecido. Seja como for, o segmento ‘temas livres’ ancora o evento e resguarda-o da imprevisibilidade dos participantes.
Assim, o capítulo ivre vai ser dominado constitucionalmente pela readmissão, ou não, de Gomes da Silva. Outrora, inquestionado secretário-geral, sei lá, numa fase mais leninista, GS, recordam-se, foi consensualmente expulso dos Viggis. Dá-se o caso que o seu substituto só aguentou um Concerto do Mad Dog e Los Santeros, pelo que ou se arranja outro pretendente ou recupera-se o Gomes da Silva. Veremos.
O subtema África será, este ano, dedicado, no campo das personalidades, à eleição dos Grandes Moçambicanos- uma atenção especial a um bando significativo de frequentadores deste blogue, alguns dos quais, como se tem visto, descobriram muito recentemente que viveram numa “colónia”. Sapristi.
Em jeito de mote, aqui vão algumas sugestões: Roy (esta só o Armando atina), Zeca Russo, Gungunhana, Gigante de Manjacaze, talvez o maior, Graça Mandela, Jovem Chissano, Chissano Jovem, colectivo, o nosso favorito, Luis Filipe “Ché”, Ângela Chin, Baboori, Dillon Ginje, José Henrique Barros, Kassiamatos e Fredmatos, Nicos Burro, Mão de Galinha, Mondlane, Aquino, Eusébio, Palma Pinto, Malangatana e Rosa do Incomáti.
No campo das ideias, e dependendo da qualidade da erva, será dissecada a problemática questão dos combustíveis verdes e culturas de substituição-eu próprio tenho uma ou outra ideia sobre isto- e a muito actual dúvida: Guebuza é filho de Putin? Ou não se lhe reconhece esta progenitura?
Bom, mas esta é uma secção especializada. Nós vamos apostar no programa de referência e há para todas as sensibilidades. John Twelve para os mais cacimbados, Programa de António Costa para Lisboa, um golpe radical no anátema “Lisboa es la promesa nunca cumplida de um pasado mejor”, uma introdução a Gerald Durrell “My Family and Other Animals”e, esperamos que o FAR esteja disponível, uma panorâmica sobre Philippe Sollers. Não faltem.

JSP

Mónica e o Desejo


Sinais


Desenho de Maturino Galvão

Tachos - Chapeau, Almerinda...

Eu sempre gostei de púcaros
E de arroz de caçarola
Faço cada cozinhado
De se lhe tirar a cartola.

Tão caros cozinhados são
Aqui por Beverly Hills
Que a grafia se deforma
Até o tão tem dois “tiles”.

Mas cozinhados sublimes
Não em tertúlias reumáticas
Essas – por si morrerão
Por força de doenças asmáticas.

Cozinheira diplomada
Com sete canudos na mão
Cada qual o mais honroso!
Era preciso ser tapada
Tendo eu tão grandes mestres
Não sair da pucarada
Cozinhado que se visse
Se cheirasse, se provasse
Se comesse... até mais não.

E quando mexo a tachada
Com aquela colher de metro
Com o chapéu de bruxa
Como diz uma velha amiga
E que me fica a matar
É a festa desbragada
Tal é a algaraviada.

segunda-feira, 30 de julho de 2007

Outra vez...

Nos teus olhos nasce o dia...
A tua gargalhada
é um prenúncio de alegria...
Teus lábios aonde começa a alvorada...

Há olhos e lábios onde me apetece morar,
onde me dá vontade de ficar...

Mão quente, macia...
A tua mão a tocar na minha.

Os teus olhos cheios de um sol que nos convida
O meu desejo de neles pousar um beijo...

Imagino
a manhã a romper na luz bonita e brilhante dos teus olhos
abrir meus olhos ao lado da tua gargalhada

Imagino tudo ainda por descobrir...

Espérame en cielo

Mina

Com a devida vénia a O Regabofe

EPITÁFIO A UM CAPRICHO MORTO

Amei,
Não QUEM busquei,
Mas o que achei.
O mesmo acaso
Que nos cruzou,
Nos separou.
Assim
O fim
Estava em mim,
Túmulo e berço
Do sempre engano
Par'onde vou.

Reinaldo Ferreira

Sinais


Desenho de Maturino Galvão

domingo, 29 de julho de 2007

Durrruti sem esforço (1)

A decomposição do Imperialismo mundial na actualidade, sem apelo nem agravo, impõem-nos uma tomada de posição radical. Buenaventura Durruti, um dos heróis imortais do cerco de Madrid no Inverno de 1936 da Guerra Civil, lançou a gloriosa coluna indiciada sob o seu nome. Gesta exaltante que analisa deste modo iniciático: “A força principal da coluna (Durruti) reside na compreensão do sentido da luta. Os milicianos sabem porque se batem. Sentem que são autênticos revolucionários.
E não combatem com frases e palavras ocas. Não esperam que da Revolução venham leis e decretos, mas sabem que, com a vitória, terão a posse directa da terra, da fábrica, das oficinas, dos meios de transporte. É por isso que eles se batem. Isso obriga-nos a dizer que nós, na frente de guerra de Aragon, fazemos, ao mesmo tempo, a guerra e a revolução. Uma coisa é inseparável da outra; se nós as separássemos, matá-las-íamos a ambas, perderíamos a guerra, que não pode ganhar-se sem entusiasmo. Perderíamos, de igual modo, a revolução que não pode existir senão graças a uma constante prática revolucionária. Em cada aldeia conquistada por nós, os habitantes organizam a sua vida como uma comunidade de homens livres. Para nós, não há outra estratégia, para além desta. A mais pequena aldeia tem, para nós, um valor importante, porque aí vivem trabalhadores que têm o direito de realizarem a ideia pela qual lutaram toda a sua vida. Hoje, as circunstâncias exigem que se fale claramente, para que ninguém, fique com ilusões. As frases com duplo sentido devem ser deixadas para o uso exclusivo dos políticos e dos diplomatas. Nós somos revolucionários e declaramos que lutamos pela Revolução Social”.
In Abel Paz, O Povo em Armas, II vol., trad. Júlio Carrapato

FAR

Diferenças entre Benfica e Sporting



Com a devida vénia ao Random Precision e abraços ao André Carapinha, Fernando Rebelo e Manuel Neves.

Sinais


Desenho de Maturino Galvão

Eu, morreu

 
Posted by Picasa

Reinaldo Ferreira

sábado, 28 de julho de 2007

Tinha como almofada um homo sapiens, ansioso nos seus picos de vida por ser um borboto das novas tecnologias,
o que conduziria a formatar a sua criatividade se de súbito não estremece e vai passear os olhos, com o resto todo do corpo atrás.
As savanas e a alma devem ser interrompidas por gritos de aves roxas.
É isso, a mulher de Ícaro.

Caixinha com rodas, ed. Geic

Terra


Somewildwish/ 11

Sinais


Desenho de Maturino Galvão

sexta-feira, 27 de julho de 2007

Contra a Silly Season

De um livro em preparação, extraio estes fragmentos de uma longa entrevista realizada em Paris com Philippe Sollers, um dos mais iconoclastas dos intelectuais franceses da actualidade. O texto foi publicado nos anos 80 em Portugal, e M.M. Carrilho fez tudo para silenciar o FAR nos jornais portugueses. O palhaço do Manuel da Silva Ramos, um escritor equivocado, queria agora “recuperar” estes textos, com o propósito de “ salvar “ a sua deriva para divertir os intelectuais do PSD...

1.”A escrita deve ser praticada como uma partida de ténis. Isso pode constituir uma forma de criticar as inefabilidades dos escritores, as posições subjectivas e psicológicas sobre a dificuldade de escrever, sobre o facto irremediável de que um escritor está sempre a falhar o essencial. Escrevo contra as clivagens, tentando subvertê-las, do espaço social imaginário. Insurjo-me imenso contra todas as imposturas, sobretudo com as daqueles que afirmam já ter ultrapassado o romance."

2.”A contradição entre os filósofos e os escritores foi sempre radical. O mesmo se passa entre os escritores, os políticos e os intelectuais. Constato que o filósofo tem sempre a necessidade de clientelas. O escritor deve bater-se contra a filosofia e a política, as politiquices. Recuso o tribunal filosófico, sob todas as suas formas. Não justifico nunca as ideologias."

3.”O ignóbil vai tornar-se dominante
.De certa forma, pretendo homenagear Georges Bataille, de quem fui amigo e confidente. Bataille é um pensador hoje de novo esquecido por causa da vaga puritana dos últimos dez anos.
“ Contra essa vaga puritana, esta pulsão de morte, achei necessário retomar a tradição libertária do século XVIII, isto é, esse enorme momento que precede a queda do filosofismo. Hegel assume contudo uma posição distinta, no meio de toda esta empresa de controlo e sujeição. Leio, repetidamente, muitos dos seus textos, cada vez com maior prazer. Espinosa também é muito importante: foi um lusitano revolucionário."

4. “O século XIX, ao contrário dos precedentes, foi o século da grande derrota sexual. Bataille disse: é cuspindo sobre o próprio limite que o ser goza. É isso o erotismo“.

FAR

Canários, leituras e outros passatempos a começar no Verão (2)




Posted by Picasa

Sinais

Desenho de Maturino Galvão

Canários, leituras e passatempos a começar no Verão (1)



quinta-feira, 26 de julho de 2007

Sinais


Desenho de Maturino Galvão

«Sin tetas no hay paraíso»

Como o “2+2” pretende, também, ser um canal educativo, suplectivo, diria o nosso amigo “Pratinho de Couratos”, cá vai um alvitre para os intervalos na ubérrima reflexão sobre os destroços do comunismo e o legado bem-pensante do consulado giscardiano.
A “Telecinco” vai transmitir, a partir de meados de Agosto, o formato colombiano “Sin tetas no hay paraíso”- 13 capítulos de 70 minutos.
Trata-se de uma adaptação à sociedade espanhola, pese a universalidade das tetas, da estória de uma jovem colombiana de classe média que, por amor, ingressa no mundo do narcotráfico e da prostituição de luxo, que é dizer, é uma grande mula.
Estejam descansados, pois o contratante, Alberto Carullo, director de Antena da Telecinco, garantiu, ao diário ABC, que “não será moralista, embora mantenha uma posição crítica”. Que é o que isso seja, “además, la serie lleva implícito un fuerte mensaje social que hace hincapié en la importancia de tomar decisiones adecuadas y actuar de acuerdo a unos valores universales”. Cá está, melhor, cá estão as tetas. Entre as tetas, dizemos nós, surge um grande momento ético: Passar os junkies a barrote ou matar o Marques Mendes? Figuradamente, claro, que nos apraz, confessamos, ver o gebo passar e gritar-lhe: Dead Man Walking.
A NBC também já adquiriu o formato e o consuno da marijuana ainda é ilegal.

JSP

quarta-feira, 25 de julho de 2007

terça-feira, 24 de julho de 2007

Flor



Foto de Jota Esse Erre

Não sei nada

No princípio, só a vida existia;
O mundo era o que havia
Ao alcance da vida ...
E mais nada.

Tudo era certo, simples, claro.

Quando o passado passar
(E passará, porque o passado é hoje),
E o futuro vier
(E há-de vir, porque o futuro é hoje),
Então, sim; há-de saber-se tudo
E tudo será certo, simples, claro.

Eu, porém, não sei nada.

Reinaldo Ferreira

Sinais


Desenho de Maturino Galvão

segunda-feira, 23 de julho de 2007

Boas férias!


E até ao meu regresso.

Flor que chora...ou não


Parecia uma flor a chorar. Engano, estava no cume do prazer.

Foto de Jota Esse Erre

Sinais


Desenho de Maturino Galvão

Da Capital do Império

Olá,

Hoje quero escrever-vos sobre algo que me aconteceu há mais de 40 anos e ficou-me gravado na memória para sempre.
Tenho no entanto em primeiro lugar dizer-vos que ao contrário de muitos eu não sou daqueles que tem grandes recordações da meninice. Sempre me espanta (e fico cheio de inveja!) quando ouço pessoas a recordarem coisas que se passaram quando tinham dez, oito ou mesmo cinco anos de idade. Eu praticamente não me lembro de nada do que se passou quando tinha essa idade, à parte marcos importantes como escola, casa, nomes de alguns colegas (da escola primária creio que só um!) e pouco mais. Dos professores da escola primária só me lembro do nome da Dona Deolinda, a professora porreira da terceira classe para onde fui transferido depois de ter apanhado um enxugo da palmatoadas da outra professora da terceira classe onde estava inicialmente, enxugo esse que me deixou as mãos inchadas que não pude esconder do meu pai que – para meu embaraço – foi à escola protestar junto do Professor Renato que era director, tinha pança grande e de quem toda a malta tinha um cagaço dos diabos. Eu ainda mais cagaço tinha dele porque um dia tinha sido levado à sua presença por estar a atirar pedras à mangueira frondosa que ficava na parte detrás da escola. Sei que fiquei acagaçado mas já não me lembro porquê.
O compromisso entre o Renato e o meu pai foi mandarem-me para a classe da Dona Deolinda. Não me lembro do nome da professora que me deu o enxugo de palmatoadas e já não me lembro também porquê. Tenho no entanto a dizer-vos que eu era assim um pouco pró burro com dificuldades em aprender tudo o que fosse com números e penso que foi isso que a irritou.
O facto de pouco ou nada me recordar da minha vida nessa altura pode ser um indicativo da importância que para mim teve o incidente aos 10 anos de idade e que sempre quis contar e que agora tenho a oportunidade e (penso eu) audiência para tal. Um dia estava sentado no passeio à beira da estrada, em frente à escola técnica Joaquim de Araújo à espera da boleia para casa que nesse dia o meu pai me tinha prometido.
É um passeio estreito esse, numa rua que sobe vinda dos bairros operários e da lata e caniço da cidade onde nasci, ali perto aliás do hangar dos machimbombos encarnados e brancos que não sei lá porquê me fascinavam e de onde eu já tinha aprendido para meu grande orgulho a saltar em andamento nos dias em que não tinha boleia do meu pai. E em que não usava a bicicleta, a que toda a malta chamava “burra”. A minha era uma Robin Hood, um pouco mais abaixo em categoria das Ralleighs mas sem dúvida uma “burra” bem boa. E além disso esta tinha mudanças. Três velocidades o que na altura era um luxo. Durou-me anos.
Pois nesse dia de nem “burra” nem machimbombo, creio que ao princípio da tarde de um Sábado, eu tinha deixado a minha pasta carregada de livros e cadernos que nunca abria, no passeio de cimento aos quadrados simétricos, afastada da berma da estrada e um pouco mais abaixo de onde eu estava sentado.
Lembro-me de ter olhado para baixo e de ver que um homem negro - que eu na altura considerei velho - a subir a avenida, um pouco vergado pelo calor e humidade da cidade pouco após a uma da tarde.
Corri para tirar a pasta do passeio a pensar que o “velho” ainda podia tropeçar na mesma. Cair. Magoar-se. Levantei a pasta. Vi o homem a olhar para mim. Corri de novo para o local onde estava sentado, agora com a pasta bem ao meu lado., a aconchegar-me a perna no meu assento à beira do alcatrão. Sem perigo de poder causar um acidente qualquer a uma qualquer pessoa menos prevenida.
Passaram-se uns segundos. Ou talvez um minuto. Não sei. Sei que o homem negro parou ao meu lado, olhou para mim com um ar de semi-irritado mas resignado e disse: “O menino tem muitos maus pensamentos”.
Eu pasmado, sentado à beira da estrada, agarrado à pasta, a olhar para cima para a cara irritada do homem. “Não vou roubar a sua mala,” acrescentou. Virou-me as costas e foi-se embora, chateado, talvez mesmo magoado.
Eu fiquei ali, nos meus 10 anos, ainda agarrado à pasta, sem palavras na boca. Espantado. Sem poder explicar.
Ainda hoje penso regularmente neste pequeno incidente. Não sei porquê.

Abraços,
Da capital do Império

Jota Esse Erre

domingo, 22 de julho de 2007

Mare


Sardenha. 2007

Foto de Francesca Pinna

"Cidadania de miséria"

"(...) não é crível que, entre tantos candidatos e propostas diferentes, os lisboetas abstencionistas não encontrassem um voto à sua medida. Simplesmente, decidiram encostar-se àquele analfabeto lugar-comum dos mimados da democracia, que reza assim: 'Os políticos são todos iguais'. Esta frase é falsa, injusta e profundamente antidemocrática. (...)"
Inês Pedrosa, Única, Expresso de 21 de Julho de 2007

Sinais


Desenho de Maturino Galvão

sábado, 21 de julho de 2007

Lucy in the Sky with Diamonds


Washington. 4 de Julho de 2007

Foto de Jota Esse Erre

Mistérios

Quanto mistério na semente
Que ergue ao sol o pulmão de uma folha;
Quanto mistério em mim, que a vejo;
E quanto, quanto mais mistério em mim,
Que vejo nisto um mistério!

Reinaldo Ferreira

Sinais


Desenho de Maturino Galvão

Terra


Somewildwish/10 -Lisboa

sexta-feira, 20 de julho de 2007

Micro-causas


Seis ministros do governo de Gordon Brown admitiram já ter fumado erva. Numa das reacções a estas revelações, e de acordo com a notícia do Público, um analista da BBC comentou sabiamente: "o facto de um político, ou qualquer outra pessoa, ter fumado cannabis ainda interessa realmente?" Interessa porque, de acordo com a mesma notícia, o governo Brown prepara-se para voltar a penalizar o cannabis (que tinha sido despenalizado por Tony Blair), fazendo assim com que o consumo da substância passe a ser, novamente, punido com pena de prisão.

Portico


Sardenha. 2007

Foto de Francesca Pinna

Sinais


Desenho de Maturino Galvão

Esplendor na Relva

Nós é que produzimos a riqueza, e que pensamos como deve ser

A esquerda é uma cambada de ignorantes e preguiçosos (nos comentários):

«É de resto uma constante nas esquerdas (e nalgumas direitas) a pronúncia pública sobre assuntos que não dominam. Veja como sendo contra o capital (o dos outros, já que nunca produziram nenhum) sobre ele abundantemente escreveram. Veja como sendo contra o estado (o dos outros, porque o que herdaram, delapidaram em poucos anos - o caso da URSS sendo o mais evidente), sobre o mesmo tanto discorreram. Veja como sendo contra a propriedade privada (a dos outros, porque nunca foram capaz de ganhar honradamente alguma) tanto contra ela escreveram e se assanharam. Veja adicionalmente como alarvemente se pronunciaram sobre a família, o papel da violência, a ditadura do proletariado.... Um bom esquerdista pronunciar-se-á sobre tudo e em abundância. O que nunca fará é ficar calado.»

quinta-feira, 19 de julho de 2007

Sinais


Desenho de Maturino Galvão

It's fire in the sky


Washington. 4 de Julho de 2007

Foto de Jota Esse Erre

Ponte

Da margem esquerda da vida
Parte uma ponte que vai
Só até meio, perdida
Num halo vago que atrai.

É pouco tudo o que eu vejo,
Mas basta, por ser metade,
P’ra que eu me afogue em desejo
Aquém do mar da vontade.

Da outra margem, direita,
A ponte parte também.
Quem sabe se alguém ma espreita?
Não a atravessa ninguém.

Reinaldo Ferreira

quarta-feira, 18 de julho de 2007

Sinais


Desenho de Maturino Galvão
Os leitores notarão as diversas alterações efectuadas na barra aqui à direita. Destaque para o novo grupo de links, "Informação Livre".

P.S: Alguém que perceba um bocadinho desta merda do html me explica porque é que este grupo ficou com o dobro do espaçamento dos outros, quando o template é igualzinho?

P.S2: Situação resolvida graças aos bons préstimos do Hugo.

Sole


Sardenha. 2007

Foto de Francesca Pinna

terça-feira, 17 de julho de 2007

O socialismo e o estado

Esta polémica é muito esclarecedora, para que se entenda uma coisa: os "liberais" não fazem a mais pálida ideia do que seja o socialismo. Como as palavras são preciosas, e como determinadas mistificações tendem, infelizmente, a fazer escola, passo a esclarecer: "socialismo" e "estatismo" não são a mesma coisa. Há socialismos profundamente anti-estatistas e individualistas, tanto historicamente, por exemplo o socialismo libertário, o comunismo conselhista, ou o anarquismo social, como no presente, e cada vez mais no presente. Claro que não estou à espera que eles entendam isto. Como tive oportunidade de esclarecer aqui, nós, os socialistas, sabemos muito bem que o estado moderno é o estado capitalista, contra o qual nos batemos. Portanto, se o socialismo não é o estatismo, outra coisa será. A meu ver, é antes de mais a única filosofia política que se bate pela Liberdade. Mas para que os "liberais" entendessem isto, teriam de avançar um passo à frente da sua concepção redutora e minimalista de liberdade, e entender o que são relações assimétricas de poder entre os homens, e como estas são coarctoras da liberdade individual. Enquanto não se resolver este problema, de uma forma que permita a que cada homem se possa realizar individualmente, e plenamente fruir a sua liberdade, sem os constrangimentos que só os miopes não percebem, o maior dos quais a crescente assimetria na distribuição da riqueza, o estado é um mal necessário. Porque a alternativa "liberal" é ainda pior.

Mambo 22


Quantos caroços tenho? Ainda tenho um buraco entre as costelas, tenho espaço para mais duas, diz-me. Por que tenho o que resta destes frutos, na concha da mão? São para pôr no prato, é aí o sítio exacto onde deixá-los, diz-me. Tenho de comer coisas vermelhas, não me quer com anemia. Nada de puxar pelo enorme babete, tem os desperdícios que tenho deixado cair durante todo o almoço. Admito que a pontaria já não é a mesma. Mas quem é que é igual para sempre? Não me posso sujar, dá trabalho aos outros, emporcalhar-me. Podem ver-me de calças. Agora tenho de usá-las, não me quer de saias, diz-me. Odeio isto, tanto quanto deve detestar ver-me as varizes escuras. Vivo num tempo de perdas. Tenho a minha casa muito arrumada, tudo está organizado como num hospital. Os objectos têm um destino que já não é o da minha vontade, pouco decido. Tudo funciona mas tudo é meu como se o não fosse. A mulher dorme no quarto ao lado, cuida de mim como se fosse o seu bebé, embora me chame a sua avozinha. Deve ter quase a minha idade, mas está boa das pernas, da cabeça, dos braços, da língua, da vida. É o meu sargento, diz-me. Usa uma bata larga que lhe fica justa. Manda e desmanda nos meus mais inocentes gestos - Gostas de andar descalça, mas tens de pôr as chinelas, minha querida, o chão da cozinha é perigoso. Perigoso? Perigoso é perder a identidade e ficar aprisionada dentro da teia dos raciocínios dos outros, desses que sabem quem são e o que sou, porque o meu quem está em desuso. Tenho de viver sob o meu íntimo tecto, com esta estranha que tem duas grandes mãos que me dão banho quando lhe apetece a ela e não propriamente a mim. Noto com tristeza, como ela fotografa com um olhar caridoso as minhas últimas cicatrizes e esfrega-me e esfola-me, sem que me deixe nova. Compra-me em branco favado, soutiens e cuecas. Vou habituar-me a gostar de coisas bonitas, diz-me. Uso simplesmente fardos, já não tenho direito à minha subjectividade. Gostam por mim. Obriga-me a repetir as frases da velha cabeça dela, sim, porque eu já não tenho discurso que seja razoável e ela não me quer muda. – Vá, diga comigo: Que tenha um bom dia! – Baralho-me. Salto palavras e ela desgosta-se, como uma eterna professora. Diz-me de novo uma por uma, até que eu emita por fim aqueles sons que ela julga interessantes. Quando consigo, junta aquelas mãos que me invadem e aplaude-me. Há-de levar-me pela sombra da tarde, para apanhar ares, diz-me. Talvez um dia destes, ao teatro. A realidade da irrealidade?
Tive uma visita. Seguia-a pela casa. Tento do modo mais concreto possível, abeirar-me da liberdade. Trazia esse cheiro ainda na alegria dos olhos. Acho que a minha visita feriu-se nos cacos do que deve ser o mundo, para mim. Mas deixou-me ficar. Mostrei-lhe com os mais arrojados arranjos dos músculos da cara, o meu desejo de descer fulminantemente a escadaria toda até à rua e não regressar, absolutamente. Perder-me de vez!
Mas a minha visita é sem coragem. Serve inutilmente, para me dizer até breve.
Por que razão não posso ter o tempo que me apetecer os caroços de cerejas, na mão que segura nada?


P.S. – Ela (destituída de si) nunca lerá este blogue!

Sinais


Desenho de Maturino Galvão

Da Capital do Império


À saída do enclave hippy/anarca de Cristiana em Copenhaga o aviso é bem claro. Copenhaga. Dinamarca

Olá!
Hoje escrevo para vos avisar de algo sinistro. Os dirigentes da UEtupia estão a preparar se para – como diria Brecht - dissolver o povo e eleger outro para o seu lugar.
Digo isto porque no outro dia fui a uma conferência de imprensa dada pelo embaixador de Portugal aqui na Capital do Império convocada para explicar aos yankees o papel dos lusitanos na chefia da UE e fiquei com a certeza que esses dirigentes perderam a confiança no povo, não tendo qualquer intenção de voltar a repetir o erro.
Antes de explicar o porquê das minhas certezas tenho a dizer-vos que a conferencia de imprensa tinha tantos ou mais diplomatas que jornalistas e alguns dos (poucos) jornalistas presentes eram de publicações que ninguém nunca ouviu falar e com grande “pancada” na cabeça. Um desses jornalistas mostrou-me com orgulho um livro muito antigo para turistas de frases em Português em que no capítulo para “frases no táxi” tinha a seguinte: “por favor não me leve a lugares grosseiros”. Valeu o dia…
Na conferência de imprensa uma dessas jornalistas com “pancada” (e sem livro de frases em português) queria saber o que é que Portugal pensa sobre as acusações do Papa de que a filosofia dos dirigentes europeus é “relativista”. O embaixador ficou à rasca meteu os pés pelas mãos e felizmente a tal jornalista não lhe perguntou o que é que a Lusitânia pensa da missa em Latim. Logo a seguir no entanto outro jornalista com “pancada” com um sotaque estranhíssimo queria saber o que é que Portugal pensa do Cazaquistão e da Ásia central. Ainda outra jornalista, daquelas que acredita que vai mudar o mundo, fez um discurso sobre Darfur e teve que ser interrompida perante o ar verdadeiramente estupefacto do diplomata tuga. Enfim…
Mas o que eu queria saber é se após as negociações sobre o tratado em que o Sócrates e o Amado estão tão empenhados Portugal iria propor enquanto presidente) que o mesmo fosse submetido a um referendo nos diversos países da Cê Ié Ié (agora conhecida por UE). A resposta foi que primeiro há que terminar o tratado, é esse o mandato., o que você pergunta é uma questão de politica interna, e tal e coisa, não só mas também, tendo em conta a conjuntura que etc e tal e coisa, pois é, uma chatice, depois voltamos a falar disso, qual era a outra pergunta?…
O que não é de admirar. Vocês com certeza que se recordam que antes dos últimos referendos quando já era evidente que o povo não queria mais burocracias em Bruxelas a ditar-lhe o tamanho das peras, como é que devem ser feitos os chouriços e queijos, a que horas é que as lojas de bebidas podem abrir em Estocolmo e que impostos é que a malta na Escócia e Eslovénia deve pagar, os dirigentes da UE tornaram bem claro que se estavam a borrifar para o povo.
“Se for um sim diremos ‘em frente’, se for um não diremos “continuamos’,’ disse na altura Jean Claude Juncker primeiro ministro do Luxemburgo, país que como vocês sabem é difícil de localizar no mapa mas que na altura falava, aparentemente por todos vós. Os dirigentes “bien pensants” da UE perderam a confiança no povo após esses referendos terem dito non e nie à tal constituição. É óbvio que pelo menos até agora o povo não trabalhou suficientemente duro para reganhar a confiança dos seus líderes que em Bruxelas não estão interessados em responder à ingratidão e burrice do povo
A malta em Bruxelas, tenho a dizer-vos ficou bem lixada com o povo e no dizer da Angie Merkel decidiu substituir a constituição em que o Giscard gastou meses e meses e rios e rios de dinheiro por um tratado em que - como ela disse na cimeira dos Oito Governadores (G-8) - se “usa terminologia diferente sem mudar a substancia legal”. Eu sempre gostei da frontalidade germânica! Não sabia é que podia ser também cínica!!!
E nem pensar em referendos ou votações. O Nicola Czarko já disse que não é preciso, (deve ter sido porque retirou do tratado menção a uma economia de mercado baseada em “concorrência não distorcida”); na Holanda mais de 50 por cento do eleitorado quer um referendo mas os governantes da Holanda disseram que não é preciso porque o novo tratado “não é de natureza constitucional”; o que agrada também aos líderes dinamarqueses que serão obrigados a convocar um referendo se houver uma transferência de soberania para Bruxelas. (Honra seja feita ao Rasmussen que afirmou que no entanto uma decisão final ainda não foi tomada)
Portanto o que os dirigentes da Cê Ié Ié afirmam é que o tratado é apenas “terminologia diferente que não muda a substancia legal” da falida constituição giscardiana mas aparentemente “não é de natureza constitucional”!
O maralhal em Bruxelas deve estar a rebolar-se de gozo já a pensar nos milhares de novos tachos que vão ser criados com um novo super ministério dos negócios estrangeiros europeu com o seu próprio corpo diplomático, um presidente (dizem que vai ser o Tony Blá Blá) e milhares de outros “tachos” à sua volta, mais facilidade em aprovar leis relacionadas com política social, imigração e justiça o que vai resultar em novas leis vindas de Bruxelas aprovadas por uma crescente burocracia europeia que cada vez mais inventa mais necessidades jurídicas (tamanho das maçãs e peras) em que os parlamentos nacionais para os quais os europeus votam são cada vez mais impotentes e sem significado.
Em sistemas políticos em que governos têm poderes não restritos com base em maiorias parlamentares (como na maior parte da Europa) cuidado com a intenção desses governos dar ou delegar a uma supra autoridade esses ou outros poderes. Daí a necessidade de referendo.
De qualquer modo tenho a dizer vos que no meio disto tudo é bom ficar a saber que os dirigentes da UE são admiradores de um dos grandes “dirigentes iluminados ou esclarecidos” da historia europeia, Frederico o Grande. Foi ele quem afirmou: “O meu povo e eu chegamos a um acordo que agrada a ambos. Eles dizem o que querem; eu faço o que quero”.
Espero que isto não vos agrade.

Abraços,
Da capital do Império

Jota Esse Erre

segunda-feira, 16 de julho de 2007

Spiaggia


Sardenha. 2007

Foto de Francesca Pinna

Sou dos dois o mais velho

Que de nós dois
O mais sensato sou eu,
-- É uma forma delicada
De dizeres que sou mais velho.
Ora é verdade
Ser eu quem tem mais idade.
Mas daí a ter juízo
Vai um abismo tão grande
Que é preciso,
Com certeza,
Que o digas com ironia
E nenhuma simpatia
Pelo engano em que vivo.
O engano de ter rugas
E nunca fitar um espelho ...
Vê lá tu que eu não sabia
Que sou dos dois o mais velho.

Reinaldo Ferreira

Sinais


Desenho de Maturino Galvão

Inter... calares - Lisboa

O que resta de Lisboa está de férias ou não esteve para aí virada...

É o que eu sempre disse:
- Evito ir a Lisboa ao fim – de – semana... Aquilo parece deprimente. Não se vê ninguém pelas ruas. As lojas estão fechadas, não há praticamente cafés e quanto a restaurantes nada, nem pensar...

Ganhou quem tinha que ganhar porque isto é mesmo assim. Era escusada, é claro, aquela vergonha de arrebanhar as boas gentes de Famalicão, Cabeceiras de Basto e Alandroal, entre outras, exaurir os dinheiros do Partido em excursões – dinheiros que nos saem dos bolsos...
Cabe aqui uma pergunta: e onde é que andava a malta da JS?...
Ah, está bem.
Estavam num seminário de bufaria especializada, organizado pela MOSSAD...
Certo.
São as chamadas “novas oportunidades”...

Então, está bem: já que havia pouca malta disponível para dar ar de festa importaram-se uns quantos reformados (boa gente, claro...) dos sítios mais díspares e ala para Lisboa com promessa de excursão. Nem nos tempos da União Nacional... Lembram-se das manifestações a Salazar?... Tudo muito espontâneo.
Isto foi apenas um ensaio e, para a próxima, garanto-vos que não hão-de aparecer repórteres a armar ao pingarelho...

Um PR entrevistado pelos ‘media’ a tropeçar estrondosamente no Português e um PM a dar uma monumental ‘gaffe’.

A ‘pobressa’ chegou, caros amigos.

O pior é que traz um aparelho policial consigo: olhos, ouvidos e bocas dispostas a tudo.
A delação, a bufaria, a repressão...
Estejamos atentos.

Os lisboetas não votaram porque estavam de férias.

Os restantes é bom que fiquem atentos...

domingo, 15 de julho de 2007

sábado, 14 de julho de 2007

Vão ver...


Regressei há pouco de Palmela, onde assisti à estreia da peça "Maria Curie".
Trata-se de um monólogo, interpretado por Isabel Leitão.
O teatro a falar da Ciência, sobre a Ciência.
A nossa Escola deveria ser obrigada a ir assistir a este espectáculo.
Para se questionar. Para se pôr em causa.
Em Outubro, o espectáculo há-de estar em cena no Teatro Extremo, em Almada.
Vale a pena. Asseguro-vos.

Tempesta


Sardenha. 2007

Foto de Francesca Pinna

É pela tarde

É pela tarde, quando a luz esmorece
E as ruas lembram singulares colmeias,
Que a alegria dos outros me entristece
E aguço o faro para dores alheias.

Um que, impaciente, para o lar regresse,
As viaturas que se cruzam cheias
Dos que fazem da vida uma quermesse,
São para mim, faminto, odor de ceias.

Sentimento cruel de quem se afasta,
Por orgulho repele, e se desgasta
No esforço de fugir à multidão.

Mas castigo de quem, por imprudente,
Já não pode deter-se na vertente
Que vai da liberdade à solidão.

Reinaldo Ferreira

Agora é que é...



Queridos Fábio Cristiano e Sónia Vanessa,

espero que esta vos encontre bem e etc.


É agora que o vosso tio Zé (podem tratar-me apenas por senhor engenheiro...) vos escreve e vos traz boas
notícias.

Já fizestes ambos o 9º ano, verdade?...
Então, ainda bem. Posso agora dizer-te, meu querido Fábio
Cristiano, que com os teus 18 aninhos podes completar o 12º ano e, ainda tens aberta a porta que te dará acesso ao ensino Superior. Olha, meu rapaz, aprender compensa.
Quando, após teres repetido por três vezes o 9º ano, e nem querias acreditar que tinhas passado nem percebes que eu te disse: «O 9º ano é só o começo...», em vez disso, percebeste algo como «O crime é que está a dar...» e arranjaste as confusões que arranjaste...
E foi mesmo a pensar em ti que resolvi criar novas oportunidades. Criei cursos, mandei dar-lhes nomes muito apelativos e prometo que desses cursos hão-de sair actores, acompanhantes de turismo equestre e até mesmo técnicos de mecânica naval. Acreditas, não acreditas, Fábio? Claro que sim. Eu sei que sim. Tu ainda vais em Dezembro à Praça do Comércio só para ver a maior árvore de natal, não é meu pequerrucho?...
E é claro que não esqueci a nossa Sónia Vanessa: ela almeja chegar a Técnica de Caracterização ou mesmo, quem sabe, a Assistente de Arqueólogo ou, ainda, a Técnica de Cozinha-Pastelaria...
Quem é amigo, quem é?...
Um grande beijo do titi,

Sinais


Desenho de Maturino Galvão

sexta-feira, 13 de julho de 2007

Os fascistas são socialistas

Onde pode chegar a pobreza de análise e o simplismo maniqueista dos "liberais": Os fascistas são socialistas. Imperdível.

À espera da notícia


Da série "Jornalistas em serviço". Cimeira do G8. Khulungborg. Alemanha

Foto de Jota Esse Erre

Curiosidades

Curioso, curioso, é o resultado da "sondagem" promovida pelo Insurgente aos seus leitores, sobre "qual o melhor candidato à Câmara Municipal de Lisboa". Neste momento em que escrevo, o lider é Pinto Coelho, do PNR, com 21%, seguido de "nenhum dos 12", com 16%.

Sinais


Desenho de Maturino Galvão

quinta-feira, 12 de julho de 2007

Telegramas

Putin vai controlar mais um conglomerado mineiro líder mundial
É mais um folhetim cheio de peripécias, manobras e jogadas de alta contra-informação. Estava em jogo, nada mais, nada menos, do que a conquista de uma posição maioritária do Estado russo no maior complexo de produção de níquel do Mundo, a Norilsk Nickel, cujo valor actual na bolsa ronda os 32 biliões de dólares e oferece um lucro anual perto dos 6 biliões. Ora, dois filhos-família da alta burocracia de Estado soviética tinham deitado as mãos ao tesouro mineiro siberiano pelo preço da uva mijona, nos conturbados tempos do caótico reinado de Yeltsin. Usando o mesmo processo dos " salteadores " dos poços de petróleo e do gás. O NY Times conta a intrigante história de um complot tecido no Inverno nos Alpes franceses, onde um dos sócios do conglomerado foi preso e acusado de proxenetismo por ter realizado festas nos chalés com altos quadros e teen-agers moscovitas. De imediato, as autoridades russas procederam à tentativa de venda compulsiva da quota do aparente prevaricador, Mikhail Prokhorov, cuja fortuna ronda dezenas de biliões. E era apontado como o príncipe da indústria nacional russa. A polícia francesa libertou-o ao fim de quatro dias, sem inculpação de espécie nenhuma formal. Vladimir Potanin, o outro sócio do tesouro, revelou, entretanto, que até ao final do ano ficará com a quota do parceiro. Economistas de alta rotação, em Moscovo, disseram ao NY.Times que " nenhum negócio, a sério, pode ser aprovado sem o consentimento do Kremlin ". Potanin teceu estreitos laços com os managers ligados a Putin e, segundo os experts, tudo indica " que tem o sinal verde para avançar no controlo".A modernização da fábrica de niquel- aliado essencial na produção de aço de alta densidade-colocou-a no primeiro lugar de rentabilidade e produtividade do sector, a nível mundial. Batendo os colossos anglo-americanos BHP Billiton, Rio Tinto e Anglo-American. O retrato moral e político de Potanin surgiu também na " novela " do NYTimes: dono do Izvestia, fez com que passasse a defender o cônsul do Kremlin, e depois vendeu o diário celebérrimo ao grupo Gazprom. Fala-se que o "compadre" de Putin irá pagar em acções das minas de ouro, Polyus Gold, onde o acusado de luxúria sexual tinha também saga de gestão de alto valor financeiro. Tudo isto revela, a forma implacável como Putin consolida o seu poder total com uma base económica imbatível.

Operação Sinbad em Basra revela ilusão Iraquiana - Dois eminentes politólogos norte-americanos, que serviram na administração Clinton, Robert Malley e Peter Harlin, escreveram um artigo ontem no The Boston Globe, associado do NY Times, onde questionavam os efeitos positivos e quiméricos da estratégia de reforço militar de GW Bush no Iraque. Serviram-se do exemplo da zona Sul do Iraque, onde servem as tropas britânicas. Tudo com o objectivo de compararem os efeitos no reforço militar USA e aliados em Bagdad, em vias de serem efectuados. Que dizem os dois analistas? Que após uma fase de diminuição da violência, da criminalidade e do caos, tudo voltou ao depressivo ramerrame de pesadelo e destruição. As milícias privadas " infiltraram-se" nos destacamentos militares criados pelos britânicos junto dos quadros iraquianos. Disso se aproveitaram para atacar as tropas de ocupação e os adversários de outras crenças muçulmanas. Os partidos existentes fecharam os olhos a tais crimes. E mais: tomaram de assalto os cargos de administração ainda de pé, contrabandearam o petróleo que açambarcam e fizeram mão baixa sobre os contratos de reconstrução e investimento disponíveis. "Em resumo, a Operação Sinbad, no máximo, congelou a situação caótica existente de harmonia com o estado do poder: Uma vez que a versão inglesa do "reforço militar" decline, o combate incendiar-se-á de repente". E Malley e Harlin advertem que o Iraque está à beira da Guerra Civil," a caminho de ela se instalar", e por detrás disso, o Iraque tornou-se um estado falhado - um país onde desapareceram todas as instituições e qualquer aparência de coesão nacional".

O Hiper-presidencialismo de Sarkozy visto por Duhamel e Casanova - A dinâmica dita de abertura e sedução de alguns tenores da Esquerda, próximos do PS, de que Kouchner e Hirsch, judeus confessos, são o emblema; e, sobretudo, a estratégia de reforço sem fronteiras do poder presidencial, à GW Bush, são dispositivos do poder supremo do Pr. francês, Nicolas Sarkozy, eleito há menos de dois meses. Dois grandes comentadores políticos, Alain Duhamel, próximo da sensibilidade " evangélica " de Lionel Jospin, e Jean-Claude Casanova, o historiador da renovação inspirada pelo legado teórico de Raymond Aron, saíram a terreiro, ler aqui e aqui, clicando, para apresentarem pontos fortes das suas interpretações. Ora vejamos, Duhamel, o grande fundista da Imprensa escrita, falada e televisionada dos últimos 30 anos em França, com uma lenta e rigorosa derrapagem salutar para a Esquerda, afirma fundamentalmente que, face à abertura e repescagem de alguns tenores socialistas, o " PSF não soube encontrar a boa réplica ". Pelo contrário, em relação a Kouchner( ministro dos Negócios Estrangeiros) e o seu adjunto, Jean-Pierre Jouyet, os socialistas deviam ter esperado para ver " o estilo que será imprimido e, também, que tipo de influência real sobre a política governamental poderão porventura realizar ". Duhamel diz que, sibilino e mordaz, se Sarkosy " prosseguir nesta via com a sua reforma das Instituições e a promoção de um Estatuto da Oposição, a Esquerda será obrigada a encontrar outros ângulos de ataque mais sérios". Com grande poder de síntese, Duhamel traça também uma perspectiva do bonapartismo, de Napoleão a De Gaulle. " O bonapartismo, essa estranha especificidade francesa, juntando autoritarismo e abertura, audácia reformadora e populismo, prossegue hoje. Isso obriga os seus adversários a eles próprios inovarem e a demonstrarem uma audácia equivalente ".Jean-Claude Casanova, num artigo de visão estratégica, relembra o que De Gaulle dizia ao seu fiel ministro e biógrafo, Alain Peyrefitte, pouco antes de instaurar a eleição presidencial ao sufrágio universal. " Não utilize a expressão de "chefe do governo" para falar do primeiro-ministro. O Chefe do governo, sou eu. O primeiro-ministro é o primeiro dos ministros, primus inter pares (o primeiro entre os seus colegas), coordena a sua acção, mas fá-lo sob a responsabilidade do Presidente da República que dirige o Executivo sem nada partilhar". E é por isso, desde há muito tempo, acrescenta Casanova, "que os conselheiros do Pr. têm mais importância do que os ministros, mesmo se o protocolo, muitas vezes enganador, os coloca abaixo no organigrama do poder", aponta.

FAR

À espera que a estrela acorde


Da série "Jornalista em serviço". Cimeira do G8.Khulungborg. Alemanha

Foto de Jota Esse Erre

A democracia real e a democracia utópica

Em primeiro lugar, isto é uma bela merda, dos bloggers e dos googles, não me permitem postar em nome próprio. O capitalismo no seu esplendor internetico.

Não acredito na democracia. Vou destruir o mundo intelectualmente. Até não sobrar pedra sobre pedra. Antes de vós, também os marxistas, outra cambada de ingénuos, acreditava no socialismo real. O outro, chamavam-no de "socialismo utópico". Mas agora, ainda é pior: acreditam na democracia utópica, e não percebem que isto não passa da democracia real. Esta coisa miserável a acontecer, que sacrifica as pessoas, que nos sacrifica a todos, tem um nome, Democracia. Mas acredita-se que a democracia é outra coisa: a democracia utópica. Que cambada de ingénuos.

João Carapinha

Da superioridade do islamismo

"Deus ou morte" (Allah u' Akbar) é a questão mais importante, a única questão importante, da nossa vida. De facto, ou há Deus, ou há morte.

Sinais


Desenho de Maturino Galvão

quarta-feira, 11 de julho de 2007

Sala de controlo


Da série "Jornalistas em seviço". Atenção ao écran. Para cada rosto na TV há uma sala de controlo da qualidade. Khulungborg. Alemanha

Foto de Jota Esse Erre