segunda-feira, 23 de abril de 2007

Sarkozy força Ségolène a entender-se com Bayrou

PC e Verdes em queda abissal, com menos de dois por cento dos votos. LCR (trotskistas) a rasarem os 5 por cento. Le Pen "morreu" à boca das urnas. Bayrou vai ter o papel crucial nesta segunda volta e Ségolène deve fazer acordo de Governo (prometendo-lhe o lugar de PM), se quiser vencer...

O Le Monde publicou em cima do fecho da noite eleitoral esta análise política subscrita pelo director editorial do jornal, Gérard Courtois, clicar aqui. O essencial desse longo articulado: 1) A participação eleitoral foi um recorde que marca uma reconciliação dos franceses com a democracia representativa; 2) A extrema direita perdeu 1, 3 milhões de votos; o P. Comunista desceu a 2 por cento e os Verdes não passaram dos 1,5 por cento. 3) Criou-se, de novo, uma polarização Direita/ Esquerda, com um eleitorado global que atinge os 56 por cento do total; 4) Bayrou, o cristão-democrata, com 19 por cento dos votos é o fiel da balança e o criador da rainha ou rei da segunda volta; 5) Como vinca G.Courtois, todas as análises efectuadas sobre o tipo de votante em Bayrou, até agora realizadas, destacavam o facto de serem eleitores vindos da Esquerda desiludidos com as posições do PS e de Ségo...

FAR


“ Cette année, 38 millions de Français à peu près ont été voter, contre 29 millions seulement en 2002. Le taux de participation est presque record. On retrouve pratiquement le taux de participation de 1974 et de 1965.

(…)

Le résultat le plus évident du scrutin, c'est la repolarisation autour du débat droite-gauche. Le candidat de l'UMP, avec 30 % des voix, réalise un score supérieur de 10 points à celui de Jacques Chirac en 1988, 1995 et 2002. De l'autre côté, la candidate socialiste réalise également le meilleur score de son camp depuis 1988. Donc il y a bien une bataille de second tour entre la gauche et la droite

(…)

Nicolas Sarkozy est ce soir en position de force, mais il n'a pas gagné. Pour y parvenir, il lui faudra combattre le front anti-Sarko qui s'est dessiné dès ce soir avec le refus de Philippe de Villiers d'appeler à voter pour lui, et l'attitude aussi bien de François Bayrou que de Jean-Marie Le Pen, qui ressemble à tout sauf à un ralliement.


Inversement, Ségolène Royal aura besoin pour l'emporter de rassembler très au-delà de la gauche. L'ensemble de la gauche pèse ce soir 37 %. Pour gagner le 6 mai, il faudrait qu'elle entraîne sur son nom plus de la moitié de l'électorat de Bayrou et, il faut le dire comme tel, une partie de l'électorat d'extrême droite qui serait prête à tout pour barrer la route à Sarkozy. C'est un pari extrêmement difficile, mais qui n'est pas impossible."

Gérard Courtois

8 comentários:

Táxi Pluvioso disse...

Não há razões para acordos. Então a França não é a terra do amour? A segunda volta deveria ser disputada numa maratona sexual das anciennes entre os canditados. Quem desistisse perdia. E poupava-se tempo a reciclar os boletins de voto. Após o acto, um cigarrito e um banho, e a coisa ficava arrumada.

Apesar da importância crucial que o governante da França tem para o mundo civilizado aposto que, ganhe quem ganhar, a terra continuará a girar.

Anónimo disse...

"Fódò" la France!!!
Quantos em França se preocupam tanto com eleições em Portugal?
"Fódò" le chauvinisme!!!
E como diz Taxi Pluvioso,
"ganhe quem ganhar, a terra continuará a girar"!
"Fódò"!!!

Anónimo disse...

Entre a Segolène e o Cavaco...escolha à vontade !!!
De facto é muito mais interessante a saga/mafia/polémica Sócrates, Vara & Cia.

Alípio Severo disse...

Os resultados eleitorais mostram, em primeiro lugar, que houve uma participação excepcional, da ordem dos 85%.

Em segundo lugar -e pela primeira vez desde há um quarto de século-,assistimos ao princípio do fim da extrema direita. Sarkozy conseguiu, de facto, convencer os lepenistas a "votarem útil". A idade do patrão do FN também deve ter contribuido para acelerar esta derrocada.

Em terceiro lugar, muito do que vai acontecer na segunda volta vai depender dos eleitores que votaram pelo "centrista" Bayrou. Calcula-se que 25% destes 6,7 milhões de votantes, sejam ex-eleitores socialistas et que outros 30% também não queiram votar pelo Sarkozy.

Nestas circunstâncias, a Dona Ségolène dificilmente poderá ser eleita na segunda volta. Mitterrand foi eleito em 1981, porque o somatório dos votos da esquerda PS+PC+extrema esquerda)ascendeu a cerca de 51% na primeira volta. Com o voto comunista actualmente reduzido a menos de 2% e mesmo com os sufrágios do trotskyista Besancenot (4,1%), a margem de manobra da candidata socialista é muito limitada, dado que ela dispõe aritmeticamente de apenas de 46% de votos potenciais, na melhor das hipóteses.

Soda disse...

Isto é exactamente a análise e o cálculo que fizemos aqui... em casa luso-francesa...Até agora o "pequeno baixote" (para utilizar a sua expressão) conseguiu inteligentemente fazer esquecer que ocupava um cargo de primeira linha no "ex governo falhado" e que podia trazer uma "política renovada"....Importante nesta eleição é de facto a alta taxa de participação , o "sursaut cívico" da população e em particular dos jovens, a meu ver para afastar qualquer veleidade do LePen e o espectro da eleição anterior E TAMBÈM graças a TODO O MOVIMENTO DE CONSCIENCIALIZAÇÃO das "banlieues" que foi posto em marcha por organizações, associações, rappers, animadores de bairros, etc...em direcção aos jovens, após os levantamentos populares de 2005. Acho por outro lado um pouco optimista afirmar que os LePenistas desapareceram...foram " integrados", "abafados" e " engolidos" momentaneamente pelo discurso do Sarko, mas estão ai...infelizmente...

Anónimo disse...

Vamos todos p'ra França,
botar opiniões
e adivinhações!
Vive le Porrrtugal!

Anónimo disse...

O Le Pen é o inconsciente de Sarko, diria Freud. Sarko ontem deu a real medida do seu estilo: um rallye a fugir dos Jornalistas na Rive Gauche( Voie Express)... Sego tem hipotese:acordo com Bayrou e urgente " correcção " dos seus rivais obsoletos no interior do PS francês. FAR

Anónimo disse...

Táxi Pluvioso ao poder, já .